Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
5 etapas para garantir o sucesso da migração para a nuvem
Home > Gestão

5 etapas para garantir o sucesso da migração para a nuvem

Da Redação, com Andy Patrizio, Infoworld (EUA)

27/11/2019 às 14h54

Foto: Shutterstock

Talvez você já esteja cansado(a) de ouvir que a migração para a nuvem não é mais uma questão de "se" e sim "quando". Para maioria das empresas, essa transformação se reflete na realidade, claro. Mas fato é que ninguém assume aos quatro ventos o quão complexa e dispendiosa pode ser uma jornada de migração para a nuvem. Neste artigo aqui, falamos sobre os erros mais comuns que podem levar toda essa tarefa ao fracasso.

Feito isso, seguimos para elencar as cinco formas de otimizar projetos de migração e como garantir suas chances de sucesso.

1. Traga a equipe e exija o mesmo do seu parceiro

A demanda por serviços em nuvem está superando a oferta, e há uma escassez de pessoas altamente qualificadas para fazer o trabalho. De acordo com Joshua Greenbaum, presidente da Enterprise Application Consulting, muitos projetos são interrompidos por conta da falta de talentos. "Os projetos são bem-sucedidos porque o cliente traz a equipe A para a rede e exige que o integrador de sistemas traga também a equipe A", conta. “Se você não colocar o seu melhor pessoal, corre o risco de ter um resultado inferior."

2. Seja exigente com o que vai para a nuvem

Um erro comum que as empresas ainda cometem é mover tudo para a nuvem, quando nem tudo pertence a ela. Tim Crawford, presidente da Avoa, aconselha colocar a linha mais padrão de aplicativos de negócios na nuvem e manter o código exclusivo internamente.

"Se isso não diferencia os seus negócios, considere mudar isso, como email e calendário, ERP, HCM", aconselhou Crawford. “As principais funções de back office são críticas e necessárias, mas é aí que o seu IP o diferencia do seu concorrente? Não. Essas são boas oportunidades para mudar para a nuvem ”, disse ele.

CIO2503

E-book por:

Leia mais na IT Trends

3. Inovar e diferenciar

Caso você precise levar os aplicativos para a nuvem de qualquer maneira, considere a sua oportunidade de adotar novas metodologias e designs. Pesquise o máximo de aplicativos locais possível para um design nativo na nuvem, onde o aplicativo é flexível. Containerize seu aplicativo para que ele seja executado no Docker e seja gerenciado pelo Kubernetes.

“As organizações mais bem-sucedidas que conheço usaram a natureza fundamentalmente diferente da nuvem para inovar, não apenas replicar - entregando o novo protótipo que nunca puderam antes, obtendo o serviço em um nível que os clientes nunca esperavam e se envolvendo de novas maneiras com novos aplicativos para novos mercados”, afirma Andi Mann, principal advogado de tecnologia da empresa de análise Splunk.

4. Tenha uma estratégia coesa

Abordar estrategicamente a nuvem significa repensar orçamentos, organização, processos, habilidades, segurança, integração de dados e assim por diante. A tecnologia é apenas uma pequena parte. Uma migração bem-sucedida inclui tomar decisões conscientes do portfólio sobre o que manter no local e o que migrar, quais plataformas manter ou abandonar e como refatorar aplicativos para aproveitar os benefícios da nuvem.

Manter as operações simples também significa evitar uma migração excessivamente complexa. As falhas acontecem quando o escopo do projeto é muito vasto ou o prazo ou o orçamento são muito pequenos. Não faça tudo de uma vez. Divida o projeto em etapas. Adote uma abordagem iterativa, semelhante a devops.

5. Considere um novo modelo de dados

Uma migração para a nuvem pode significar a oportunidade para um modelo de dados completamente novo. Colocar dados na nuvem é uma oportunidade de expandir o modelo de dados para um modelo muito mais amplo. Por exemplo, mudar para um modelo mais centrado no cliente pode significar trazer mais dados de muitas fontes diferentes.

Seus dados antigos no local podem ter informações simples do cliente, como nome e endereço, mas os seus novos dados na nuvem podem ser extraídos de mídias sociais, dispositivos IoT e outras fontes. Ou você pode até migrar para uma plataforma de análise de dados completamente diferente. O Amazon Redshift é compatível com PostgreSQL, mas o BigQuery do Google usa tipos diferentes dos típicos SQL ou PostgreSQL. Já o Snowflake suporta vários formatos para dados semiestruturados.

"Em teoria, você está mudando as práticas de negócios; portanto, o que você precisa dos seus dados é diferente", acrescenta Greenbaum. “Mudanças na qualidade dos dados são uma decisão tão política quanto qualquer outra coisa. Não é apenas uma questão simples de colocarmos nossos dados na nuvem, eles se tornam um problema real de gerenciamento de mudanças.”

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15