Home > Gestão

3 segredos surpreendentes que impulsionam a inovação na era digital

À medida que avançarmos na era digital, a capacidade de inovar em um nível sustentado e escalável será uma capacidade crítica

Charles Araujo, CIO/EUA

12/03/2019 às 7h53

Foto: Shutterstock

E se tudo o que você sabe sobre inovação estiver errado?

E se desenvolver uma cultura de inovação tiver pouca o nenhuma ligação com a criação de uma equipe dedicada ou a liberalização da criatividade desenfreada em todos os cantos da organização?

E se impulsionar a inovação na era digital se resumisse a três ações simples?

Inovação NÃO é sobre tecnologia
É inevitável ouvir a palavra inovação e começar imediatamente a pensar em tecnologia. Afinal, a inovação e a tecnologia têm andado juntas na maior parte das últimas duas décadas.

Essa inclinação é ainda mais provável se você for um profissional de TI, devido ao gosto natural pela tecnologia.

Mas se você quiser transformar sua organização em uma máquina de inovação, o lugar para começar é com o reconhecimento de que a inovação não é, de fato, sobre tecnologia.

Uma das razões pelas quais é fácil juntar inovação e tecnologia é que isso simplifica o processo - torna-o mais concreto.

Se houver pressão ou demanda para inovar, basta lançar um projeto tecnológico ambicioso e você tem algo que pode apontar como prova de que está respondendo aos desejos da empresa.

Mas vou te contar alguns segredos.

Segredo # 1: olhe para o futuro, mas aja no presente
O ponto de partida para a inovação é lançar continuamente o olhar para o futuro, tanto em termos de tendências que afetam sua indústria quanto nas tecnologias que podem afetar essas tendências. "É papel do CIO e do CTO ficar de olho nas coisas. Mesmo que uma tecnologia tenha falhado no passado, não desista. A mantenha no radar e  você pode se surpreender", diz o CIO/CTO da Dutch, Erik Ubels.

Preste muita atenção no contexto de negócios. Mantenha seu olhar no futuro, mas não genericamente. Seu olhar deve estar no contexto de quais tecnologias podem favorecer as mudanças do jogo para sua organização.

Busque transformar esse olhar em vantagem competitiva para sua organização.

Segredo # 2: Padronize, para estabelecer as bases da inovação
Segundo Ubels, um dos facilitadores essenciais da inovação é a padronização. "Mesmo que nos movamos rapidamente com a adoção de novas tecnologias, estabelecemos um padrão e documentamos muito bem como tudo se integra", disse ele.

OK. Padronização evoca imagens de processos burocráticos que forçam as pessoas a caminhos bem trilhados, proíbem qualquer coisa fora do trilho, mesmo que um pouco progressiva, e restringem a criatividade. Parece ser a antítese completa de como um processo de inovação deve parecer, certo?

Mas Ubels esclarece que, na Dutch, eles vêem padrões como coisas que evoluem continuamente e, portanto, permitem que  inovem, adaptem e garantam qualidade, simultaneamente. "Construímos edifícios com esse padrão e, enquanto isso acontece, estamos trabalhando no novo padrão. Por isso, estamos sempre criando padrões 'mínimos' - e então permitimos adaptações e mudanças que façam diferença no momento da implementação. "

Há ainda, segundo Ubels, outros dois  impulsionadores essenciais da inovação que a padronização permite.

Considere, por exemplo, que a inovação não acontece em todas as camadas, então você deve focar sua energia de inovação onde for importante. “Padronize, simplifique e remova a variabilidade para criar a base da inovação. Isso permite que você e sua equipe se concentrem na inovação - sem ter que se preocupar em fazer tudo funcionar.”

Em segundo lugar, Ubels adverte que a inovação não é apenas fazer qualquer coisa - ela deve ser medida e direcionada. Quase paradoxalmente, a padronização ajuda a criar esse foco.

“Essa é a principal diferença entre como fazemos [inovação]. Se você quiser escalar, faça isso de maneira econômica, [e com] estabilidade ... padronize”, defende ele.

Segredo 3: Mude a mentalidade
Outra razão pela qual a inovação pode ser um desafio para os CIOs é que ela não acontece no vácuo. Nenhum CIO pode inovar por conta própria. Requer tanto adesão como participação em toda a empresa.

E dado que muitas organizações de TI continuam a combater problemas de percepção, essa necessidade de adesão pode ser uma barreira significativa à adoção de uma cultura de inovação em toda a empresa.

Superar essa barreira e mudar a mentalidade dentro e fora da TI, portanto, torna-se um elemento essencial para a  capacidade de inovação.

“Percebi que tinha virado a esquina quando ouvi meu CEO e CFO falarem sobre o fato de que nossa receita de manutenção havia crescido 11% desde que introduzimos tecnologias vestíveis em campo”, comenta Bradd Busick, CIOda MacDonald-Miller. “Eles não sabiam como nós capturamos isso. Eles apenas sabiam que nossos clientes estavam contratando mais nossos serviços e que estávamos adicionando novos por causa dessa capacidade tecnológica. ”

Essa capacidade de fornecer inovações que afetam diretamente o resultado ajudou a cimentar a mudança de mentalidade que Busick havia procurado criar ao transformar a TI de um papel tradicional de back-office em um direcionador de valor comercial. Esse valor inicial criou um ciclo virtuoso, que abriu as portas para oportunidades de inovação ainda maiores.

“Ser capaz de gerar benefícios comerciais reais me dá o direito de ser ouvido e a oportunidade de fazer algo como introduzir um espaço dedicado à realidade virtual… e essa capacidade, o que chamamos de M-Lab, nos permite construir um modelo totalmente interativo de um projeto antes de ser construído... E isso vai virar toda a cadeia de suprimentos", explica Busick.

A questão, no entanto, é como levar sua organização a esse lugar. Existem duas respostas.

A primeira é que você precisa construir e cultivar uma equipe que esteja disposta a ir até lá com você. “É uma mentalidade. Todos os dias podemos fazer melhor, mais rápido, de forma mais inteligente. Você precisa construir uma equipe com o mesmo tipo de mentalidade ”, exaltou Ubels. “Isso cria um ritmo acelerado. Se você está constantemente no maior e mais recente e descobre como fazer isso - você obtém essa confiança do CEO e da liderança ”.

Ao mesmo tempo, no entanto, o CIO precisa estabelecer as bases para que isso funcione. "Ganhe o direito de ser ouvido. Mude a percepção de manter as luzes acesas - isso é uma aposta na mesa", disse Busick. "Pinte a imagem de que você é um cara de negócios que por acaso está na área de TI. Isso abre um diálogo diferente. Uma vez que você começa a participar do negócio, muda o jogo."

Construindo a inovação como uma capacidade estratégica
Talvez o problema mais significativo que tenho com a forma como as organizações abordam a inovação é que elas a tratam como um projeto. É praticamente o mesmo problema que vejo com o modo como as pessoas abordam a questão mais ampla da Transformação Digital.

No minuto em que uma organização trata inovação e Transformação Digital como projetos com tempo fixo ou como responsabilidade de alguma equipe de especialidade, está condenando todo o seu esforço ao fracasso.

As organizações devem encarar a inovação - e a Transformação Digital, de forma mais ampla - como uma capacidade estratégica que elas devem construir e, depois, estimular continuamente.

Claro, isso é muito mais difícil do que apenas criar uma equipe dedicada a essas tarefas ou contratar uma empresa de consultoria para “criar inovação”.

O truque, ao que parece, é não começar com a inovação como seu objetivo. Como explica Busick, você deve se concentrar em ser o facilitador que ajuda a organização a identificar as coisas que criarão valor competitivo e usarão esse processo para impulsionar a inovação.

"Eu usei isso como um esforço de descoberta de fatos para identificar os recursos que eram valorizados, mas ausentes. E então eu os coloquei de volta [nos líderes de negócios] pedindo-lhes para priorizar onde estávamos em termos de importância, hoje, e quão importante seria para os futuros negócios ",  disse.

Esse processo tornou-se, com efeito, o roteiro de inovação da organização - e consolidou firmemente o papel de Busick como principal impulsionador da inovação. "Chamamos isso de roteiro de capacidades e se tornou a ferramenta que todos usaram para decidir em que investir - e agora ninguém está falando sobre tecnologia ou gastos. Eles estão falando sobre capacidades".

À medida que avançarmos na era digital, a capacidade de inovar em um nível sustentado e escalável será uma capacidade crítica. E como a tecnologia continuará a ser um componente vital dessa inovação, a capacidade do CIO de impulsionar e liderar os esforços de inovação será igualmente crítica.

A boa e a má notícia é que entrar nesse papel e criar uma cultura de inovação para toda a empresa não é algo que esteja fora do alcance do CIO moderno, mas pode exigir que você altere fundamentalmente sua visão de como fazê-lo.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail