Home > Tendências

3 fundamentos essenciais para alavancar a sua estratégia de dados

Com dados, você consegue tornar funcionários mais produtivos e ainda melhorar a experiência do cliente. Mas por onde CIOs devem começar?

Kenneth Corbin, CIO.com

22/06/2019 às 12h42

Foto: Shutterstock

Se os dados realmente estão entre os maiores ativos de uma empresa, os CIOs devem ser capazes de produzir demonstrações tangíveis de como todas essas informações podem ser organizadas para promover os negócios.

Com dados, você consegue tornar os funcionários mais produtivos e ainda melhorar a experiência do cliente.

Seja qual for o objetivo final, as empresas inteligentes estão desenvolvendo estratégias completas para tentar derrubar as barreiras entre os silos de dados e desbloquear percepções significativas desses vastos conjuntos de dados, disseram especialistas no MIT Sloan CIO Symposium no mês passado.

"Estamos nadando em dados e sabemos que precisamos lucrar com isso, mas não da maneira como costumávamos", disse Barbara Haley Wixom, principal pesquisadora do Centro de Pesquisa de Sistemas de Informação do MIT Sloan.

"Isso não funciona hoje", disse Wixom sobre a abordagem do jardim murado que as empresas estão abandonando. "Hoje nossas estratégias de dados exigem movimentos ousados, ideias realmente novas."

Os especialistas concordam que não existe uma abordagem única para uma estratégia de dados corporativos e que qualquer iniciativa desse tipo deve ser adaptada aos contornos da empresa e do setor em que ela opera. Mas há vários elementos temáticos comuns que acompanharão uma revisão bem-sucedida dos dados. Na lista abaixo, falamos sobre eles.

Crie uma cultura de dados

Elena Alfaro, chefe de dados e inovação aberta da divisão de soluções para clientes do banco espanhol BBVA, descreveu o trabalho de sua organização de "disseminar a cultura de dados" e garantir que a liderança sênior de uma organização esteja envolvida nas iniciativas de dados.

"O que eu aprendi", disse Alfaro, é "se a pessoa com quem você está sentada não entende, é muito, muito difícil chegar a algo grande".

E o BBVA conseguiu obter algo grande, de acordo com um analista líder de TI. Nos últimos dois anos, a Forrester classificou o aplicativo móvel da empresa como o melhor do setor bancário. Aurelie L'Hostis, da Forrester, creditou o aplicativo do banco por "obter um excelente equilíbrio entre funcionalidade e excelente experiência do usuário", um produto que Alfaro diz ter surgido de uma estratégia de dados com o usuário final em mente.

"Os bancos digitais ouvem seus clientes, são inteligentes com os dados e trabalham duro para facilitar o gerenciamento da vida financeira dos clientes", escreve L'Hostis. "Não é um feito pequeno, mas é o que seus clientes estão exigindo."

Implemente um framework

Mas, independentemente do setor, Wixom argumenta que as empresas com uma estratégia de dados bem-sucedida conseguem implementar uma estrutura que garante alto nível de integridade de dados e garante que ela seja ampla e facilmente acessível.

"Eles têm dados que as pessoas podem encontrar, usar e confiar", disse Wixom. "Eles têm plataformas que servem dados de forma confiável e muito rápida, tanto dentro como fora da empresa".

Ela também descreveu um equilíbrio entre sistemas de alta tecnologia para minerar os dados da organização, ao mesmo tempo em que coloca em serviço a missão de negócios e estabelece limites sobre como os dados são usados.

"Eles têm dados científicos que podem detectar insights que os humanos não podem", disse Wixom. "Eles têm uma profunda compreensão do cliente não apenas das necessidades básicas, mas também das necessidades latentes. Eles têm uma governança de dados que supervisiona não apenas a conformidade, mas também os valores e a ética".

O desafio de ganhar o buy-in para a estratégia de dados de uma empresa entre as várias unidades de negócios pode variar muito de acordo com a cultura do local de trabalho e, talvez em maior medida, com a indústria. No setor bancário, por exemplo, as empresas estão lidando com informações financeiras confidenciais e geralmente estão vinculadas a um conjunto rígido de regulamentações bem estabelecidas. Não é assim na tecnologia, onde as regulamentações ainda são mais fracas e os dados estão na essência da organização.

Na Adobe, por exemplo, alinhar o local de trabalho por trás de uma estratégia centrada em dados não era o desafio, de acordo com Mark Picone, vice-presidente de serviços de informações e dados da Adobe.

"Todo mundo sabia que tinha que ser orientado a dados", disse Picone. "Somos uma espécie de empresa digital nativa - é de onde nós somos, mas eles não sabiam como e começaram a fazer coisas."

O resultado, disse Picone, foi em um ambiente de alta tecnologia, onde o treinamento em ciência de dados é padrão e "todo mundo pode criar diferentes tipos de sistemas", e a Adobe acabou tendo que criar uma estrutura de dados unificada.

Demonstre o valor para a organização

Em outros negócios, obter esse comprometimento para uma estratégia de dados fora do departamento de TI pode ser mais um desafio. Tal foi o caso no Bank of Queensland, na Austrália, onde o CIO determinou que não seria o suficiente para iniciar novas iniciativas de dados, mesmo com o apoio do alto escalão da organização. Em vez disso, seria uma questão de demonstrar o valor prático de como esses dados poderiam ajudar as linhas de negócios da organização em seu trabalho diário, como melhorar o atendimento ao cliente no banco de varejo.

Para Donna-Maree Vinci, diretora-chefe de informática e de informações do banco, uma abordagem multifacetada foi fundamental "porque você não pode simplesmente dar um tom no topo", disse ela. "Você tem que ser capaz de entender e se conectar ao por que eles estão fazendo isso. Então, qual é o valor e por que é importante, como ela vai ajudá-los pessoalmente com seus clientes... mas também como isso vai criar valor para a organização".

Notas explicativas que estabelecem novas políticas de dados são boas, mas apenas na medida em que vão. Vinci descreveu seus esforços para construir o mantra baseado em dados "no ponto", uma iniciativa promovida por workshops contínuos que ajudam os funcionários a incorporar elementos de dados em seu fluxo de trabalho diário.

"Não é apenas uma apresentação ou algo assim. Trata-se de imersão", disse Vinci. "Eu acho que há muitas peças de reforço diferentes."

Seu conselho para outros CIOs que estão começando uma jornada de dados? "Seja paciente e mantenha o curso sobre as mensagens."

Vinci também desenvolveu uma métrica para o sucesso, se for intangível. Gradualmente, ela viu a cultura de dados infiltrar-se em unidades do negócio fora da TI, a ponto de os trabalhadores não técnicos do banco começarem a criar soluções baseadas em dados para um problema de trabalho por conta própria.

"O que é realmente agradável e poderoso é quando você não é o único a dizer isso, quando na verdade está voltando do negócio", disse ela, "e eles são os defensores".

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail