Home > Tendências

2 dos 5 maiores riscos globais estão ligados à cibersegurança, alerta WEF

No último ano não houve melhora na identificação e prevenção de riscos cibernéticos, um grande ponto cego que pode custar US $ 3 trilhões

Da Redação

17/01/2019 às 20h38

Foto: Shutterstock

As tensões geopolíticas e geoeconômicas aumentaram entre as principais potências do mundo e agora representam os riscos globais mais urgentes, de acordo com o Global Risks Report 2019 do World Economic Forum, recém publicado.  Nove em cada 10 dos 1000 tomadores de decisão do setor público, do setor privado, da academia e da sociedade civil entrevistados para o estudo esperam que o risco de confrontos econômicos e políticos entre as grandes potências aumentem este ano.  Um cenário que reduz ainda mais o potencial de cooperação internacional, colocando as questões climáticas e tecnológicas no topo da lista de preocupações.  Entre os 5 maiores riscos globais apontados pelo relatório estão  os ataques cibernéticos e o roubo de dados.

Na perspectiva de 10 anos da pesquisa, os riscos cibernéticos sustentaram significativamente em relação ao registrado em 2018.  A grande maioria dos entrevistados espera pelo aumento de ataques cibernéticos, levando ao roubo de dinheiro e de dados (82%) e à interrupção das operações (80%).

Essa visão entre os vários stakeholders também é compartilhada quando se olha apenas a comunidade empresarial. Relatórios anteriores já vinham apontando que as empresas consideram os ataques cibernéticos como o principal risco de se fazer negócios na América do Norte e na Europa, bem como no Leste da Ásia e no Pacífico. Isso sugere fortemente que as empresas precisam fortalecer sua segurança e resiliência cibernética para manter a confiança em uma economia digital altamente conectada.

Como as empresas podem responder a essa crescente ameaça de três formas, segundo o WEF:

  • Construindo uma cultura de conscientização: os riscos cibernéticos não são apenas uma preocupação de TI, nem estão limitados a determinados setores de uma organização. Todos os funcionários, de membros do conselho de administração a estagiários, desempenham um papel importante em manter uma organização cibernética e devem entender suas responsabilidades de manter os dados em segurança
  • Adotando uma mentalidade de resiliência cibernética: com riscos reais de reputação, perdas econômicas e consequências legais, é crucial que as empresas criem e implementem um plano de resposta a incidentes no caso de ocorrer um incidente cibernético. Responder de forma rápida e eficaz não só atenua esses riscos, mas também garante uma recuperação bem-sucedida a longo prazo.
  • Praticando, praticando, praticando: Embora a prática nem sempre seja perfeita, ela pode ser essencial ao responder a um incidente cibernético. Apenas ter um plano de resposta a incidentes não é suficiente; É imperativo que o plano seja praticado e atualizado regularmente, ajustando-se conforme necessário para diferentes cenários e variações de ameaças cibernéticas.

Juntos,  a fraude maciça de dados e o roubo de dados foram classificados como o quarto maior risco global por probabilidade em um horizonte de 10 anos.  Cerca de dois terços dos entrevistados esperam que os riscos associados a notícias falsas e roubo de identidade aumentem em 2019, enquanto três quintos disse o mesmo sobre a perda de privacidade para empresas e governos.

Houve novas violações maciças de dados em 2018, novas fraquezas de hardware foram reveladas e pesquisas apontaram para os usos potenciais da inteligência artificial para projetar ataques cibernéticos mais potentes. O ano passado também forneceu mais evidências de que os ataques cibernéticos representam riscos para a infraestrutura crítica, levando os países a fortalecer a triagem de parcerias transnacionais em âmbito nacional motivos de segurança.

Além disso, efeitos da crescente intermediação digital da vida das pessoas é discutido no Capítulo 3.  E as consequências potenciais da “computação afetiva” - referindo-se à IA que pode reconhecer, responder e manipular as emoções humanas, são debatidas no Capítulo 6.

Entre os impactos mais difundidos e disruptivos da IA ​​nos últimos anos tem sido o seu papel no surgimento de “câmaras de eco da mídia e das notícias falsas”, um risco que 69% dos entrevistados da GRPS esperam aumentar em 2019.

A interação entre as emoções e a tecnologia se tornará uma força cada vez mais disruptiva, bem como a evolução da biotecnologia seguirá borrando as linhas entre humanidade e tecnologia. No final do ano passado, por exemplo, foi alegado que ferramentas de edição de genes haviam sido usadas para criar bebês geneticamente modificados. "Se os países planejam seu próprio curso em áreas como essa, ou se alinham em torno de abordagens compartilhadas, isso pode ter implicações importantes para o futuro da humanidade", alerta o WEF.

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail