Home > Gestão

11 grandes problemas que a TI enfrentará em 2019

O que era preocupante 12 meses atrás, já está sob controle. Mas novas preocupações começam a tirar o sono dos líderes de TI

Paul Heltzel *

18/02/2019 às 10h27

Foto: Shutterstock

Todos os anos conversamos com os líderes de tecnologia sobre os maiores problemas que eles enfrentarão no futuro próximo, e estamos começando a ver algumas mudanças nada sutis este ano, em relação às preocupações de 2018.

A sobrecarga de dados, uma grande preocupação há 12 meses, evoluiu à medida que novas ferramentas analíticas e a IA ajudam a entender os dados e impulsionar as decisões de negócios. Este ano, os CIOs dizem que estão mais preocupados em como proteger esses dados, já que as organizações lidam com novas regulamentações de privacidade e proteção de dados pessoais.

À medida que a economia continua melhorando, os CIOs são menos preocupados em restringir os orçamentos de 2019. E as preocupações com a mudança para a nuvem cederam lugar para a proteção dos ativos baseados em nuvem em ambientes multicloud.

Confira as 11 maiores preocupação dos CIOs e líderes de TI em 2019.

1. Novas ameaças de segurança
Não faltam manchetes alarmistas sobre novas e surpreendentes ameaças à segurança, diz Rick Grinnell, fundador e sócio-gerente da Glasswing Ventures. E embora a IA não tenha sido um fator nos ataques mais notáveis ​​do ano passado,  isso deve mudar.

Líderes de TI estão se preparando para ataques cibernéticos de última geração, baseados em Inteligência Artificial. “Os profissionais de segurança devem estar mais atentos à detecção e treinamento contra essas ameaças”, diz John Samuel, CIO da CGS. “Neste ano, as empresas precisarão introduzir sistemas de proteção baseados em IA para conter quaisquer ataques introduzidos por essa tecnologia”.

"Acredito que 2019 trará o primeiro de muitos ataques com IA a empresas dos EUA, infraestruturas críticas e agências governamentais", diz Grinnell. "Espero, sinceramente, estar errado."

2. Proteção de dados
Organizações inovadoras estão implementando a privacidade por design em seus produtos, mas garantir que esses esforços atendam aos padrões GDPR é uma preocupação constante. O Google, por exemplo, acaba de receber uma multa recorde dos reguladores franceses  por conta de como a empresa coleta dados.

“As empresas dos EUA precisarão considerar uma política do tipo GDPR para proteger os cidadãos antes mesmo de qualquer regulamentação ser promulgada”, diz Samuel. "Em última análise, deve haver diretrizes internacionais para garantir a privacidade e a proteção do cliente em escala global, para facilitar a conformidade."

Jacob Ansari, gerente sênior da Schellman and Co., diz que a segurança da IoT recebeu muita atenção no ano passado, mas levou a poucas mudanças práticas na indústria.

“Os fabricantes de dispositivos IoT ainda usam componentes de software vulneráveis, pouca segurança de rede e de comunicação e não conseguem fornecer atualizações de software no campo”, diz Ansari. “Eles ainda estão cometendo essencialmente todos os erros que todos nós cometemos no final dos anos 90 e início dos anos 2000. Ah, e seu dispositivo doméstico ativado por voz está espionando você e a empresa que faz isso dará seus dados para a pessoa errada por acidente, com pouca supervisão ou responsabilidade. Isso também sugere que uma melhor legislação de privacidade de dados - pelo menos nos EUA e o Brasil -  é um tema potencialmente quente para 2019, particularmente à luz dos eventos das recentes eleições. Ninguém gostou de ter sido obrigado a implementar o GDPR na Europa, mas suas proteções para pessoas comuns são decentes”.

3. Gap de habilidades
Mais de uma de nossas fontes mencionou a tão discutida lacuna de habilidades em TI, mas com uma reviravolta - alguns líderes de tecnologia agora veem o problema mais auto-infligido do que intratável.

"Se você está apenas olhando para graduados em Ciências da Computação ou Engenharia Elétrica das dez melhores universidades dos EUA, então sim, quase não há candidatos, e a maioria deles está indo para os cinco maiores empregadores, incundo as Big Four da Internet", diz Tod. Beardsley, diretor de pesquisa da Rapid7. "Mas o pool de talentos em potencial é muito maior do que isso e as empresas fariam bem em explorar esse espaço com um pouco mais de liberalidade."

Sandra Toms, vice-presidente e curadora da RSA Conference, diz que os departamentos de TI se ajudariam “preenchendo suas lacunas de habilidades com funcionários mais diversos, não apenas em termos de raça e gênero. A maioria dos grupos de contratação de TI não consegue analisar a diversidade de experiências de vida, religião, origens, orientação sexual e educação. Ver a diversidade de uma maneira mais holística deve abrir um campo mais amplo de candidatos e levar a níveis mais altos de produtividade ".

4. Segurança multicloud
Ao explorar novos serviços baseados em nuvem, os CIOs agora precisam perguntar sobre segurança em várias plataformas, afirma Laurent Gil, arquiteto de estratégia de produtos de segurança da Oracle Cloud Infrastructure.

“Tradicionalmente, o ambiente multicloud leva as empresas a gerenciarem muitos sistemas de segurança diferentes, muitas vezes incompatíveis e inconsistentes”, afirma Gil. "Acreditamos que selecionar plataformas de segurança agnósticas em nuvem, e cruzadas, é agora fundamental para garantir a consistência e, o mais importante, a integridade da proteção de ativos de toda a empresa, independentemente de onde esses ativos estejam vivendo".

5. Inovação e Transformação Digital
De acordo com dados do Gartner , cerca de dois terços dos líderes empresariais acreditam que suas empresas precisam acelerar sua Transformação Digital ou enfrentar a perda de terreno para os concorrentes.

A maioria das empresas continuará no mesmo caminho até ser obrigada a fazer o contrário, diz Merrick Olives, sócio-gerente da empresa de consultoria em nuvem Candid Partners.

“Associar a TI a recursos estratégicos de negócios e responder à pergunta 'Como isso nos tornará mais competitivos?' é essencial ”, diz Olives. “Os modelos de financiamento baseados no fluxo de valor, em oposição ao financiamento baseado em projetos, estão se tornando cada vez mais eficazes em vincular os objetivos do conselho a influências orçamentárias. As estruturas de custos e as eficiências de processo do legado versus uma capacidade digital ágil são muito diferentes - o ágil é mais barato e muito mais eficiente ”.

6. Encontrando novos fluxos de receita
Ian Murray, vice-presidente da Tangoe, diz que, embora o cenário de negócios esteja sempre evoluindo, a premissa básica é a mesma: obter lucro.

“O processo para encontrar e explorar oportunidades de receita não mudou fundamentalmente - encontramos um problema que podemos resolver que é comum, prevalente e que as pessoas pagarão para resolver”, diz Murray.

O que mudou foi a ênfase na chegada direta da geração de receita no colo do CIO, diz Mike Fuhrman, diretor de produto da Peak 10 + ViaWest.

“Talvez eu seja da velha escola, mas não acho que o CIO deva se preocupar em gerar receita diretamente”, diz Fuhrman. “Estou começando a ver isso mais e mais entre os meus colegas. Para permanecer relevante como CIO, muitos estão trabalhando para tentar gerar receita. Embora haja benefícios em pensar dessa maneira, acho que também pode ser uma receita para desfocar a equipe e a diretoria. Quando se trata de oportunidades de geração de receita, o lugar ao qual o CIO pertence é se concentrar nesses projetos e digitalizar o negócio em uma plataforma automatizada em escala. Precisamos manter o foco na redução dos custos do negócio e escalar a partir de uma perspectiva de mercado. É assim que um CIO deve se concentrar em receita ”.

7. Falta de agilidade
Organizações que visam incorporar métodos ágeis, por vezes, acabam passando por uma espécie de modelo híbrido que incorpora práticas ágeis, mas também métodos mais “lineares”. Em suma, o pior dos dois mundos.

Murray, da Tangoe, expõe: “Os desenvolvedores estão codificando com pouca compreensão conceitual de como o botão tal ou recurso Y se encaixa na experiência geral do usuário. Uma abordagem disciplinada é necessária para obter isso, onde a solução para problemas específicos é abordada em uma determinada versão. Cada release é então coordenado para um conjunto de sprints, de modo que uma solução abrangente que agregue UX seja alcançada a cada sprint e não apenas uma coleção de recursos solicitados que podem ou não apoiar um ao outro ”.

8. Riscos de terceirização
A lacuna de habilidades levará muitas organizações a procurar ajuda externa. Mas essas soluções às vezes necessárias podem levar a preocupações com confiabilidade e segurança.

"Nosso foco principal é cumprir as promessas que fazemos a cada cliente", diz Sanchez. “Você constrói sua reputação. E a terceirização é  crítica. Ao terceirizar seu trabalho, a qualidade do produto às vezes fica à mercê da empresa para a qual você terceirizou. Dada a natureza sensível dos projetos que gerenciamos, utilizamos avaliações rigorosas de fornecedores terceirizados para avaliar os parceiros no caso de um projeto exigir a terceirização de algumas ou todas as tarefas. ”

Além das preocupações com a qualidade, a terceirização abre ameaças de segurança que são bem conhecidas. “As ameaças específicas para os CIOs, que deveriam ser a prioridade, são  os funcionários, internos e contratados”, diz French Caldwell, principal evangelista da MetricStream e ex-assessor de cibersegurança da Casa Branca. “Até nos afastarmos das senhas por credenciais, os humanos continuarão sendo a maior ameaça”.

9. Resultados do negócio
Matt Wilson, diretor de segurança de informações da BTB Security, diz que há uma desconexão entre o que é reservado para o orçamento de TI e os resultados mensuráveis ​​para o negócio.

“A maioria das organizações não deu uma olhada dura, brutalmente honesta, em seus gastos atuais”, diz Wilson. “Muitas vezes há muito impulso por trás do modo como as coisas são feitas atualmente, as soluções já adquiridas e os processos construídos ao longo de uma década para permitir qualquer mudança significativa. Em vez disso, as organizações podem reunir soluções parciais que não resolvem totalmente a raiz do desafio de TI. Nos acostumamos a conviver com a dor. E a desperdiçar dólares. Nós frustramos nossos recursos talentosos com problemas solucionáveis ​​que são completamente impossíveis em nossas empresas porque decidimos por impulso. Para 2019, devemos nos recusar a ser cativos dessa história ”.

10. Ferramentas para uma força de trabalho nativa digital
Christian Teismann, vice-presidente sênior de negócios corporativos globais da Lenovo, argumenta que uma nova força de trabalho de funcionários que cresceram com a tecnologia digital exige novas formas de trabalho que aumentem o resultado final.

“A Gen Z, por exemplo, espera ter controle sobre os tipos de tecnologia disponíveis para eles”, diz Teismann. “Eles favorecem a tecnologia com a qual cresceram e usam em outras esferas de suas vidas no local de trabalho - assim como o reconhecimento de elementos pessoais e culturais. Espaços assistenciais enriquecidos com tecnologia que são configuráveis ​​e flexíveis continuarão a ser tendência.”

11. Reconstruindo confiança
Isaac Wong, gerente de engenharia de software da Retriever Communications, chama 2018 de um "ano ruim para o marketing da TI", baseado em vários hacks bem divulgados de grandes empresas e no compartilhamento questionável dos hábitos online dos clientes.

"Questões como privacidade, segurança e dependência de dispositivos devem ser tratadas imediatamente por grandes e pequenos players do setor", diz Wong. “Como setor, temos que ser cidadãos corporativos responsáveis. Precisamos mostrar que nos preocupamos com as pessoas que afirmamos estar servindo e agir melhor em seu interesse. As pessoas confiaram em nós e devemos ser muito respeitosos em honrar isso. ”

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail