Home > Gestão

10 maneiras de vencer a disrupção digital

Você não precisa agir freneticamente e em pânico. Sua empresa ficará completamente sobrecarregada

Clint Boulton, CIO/EUA

22/01/2019 às 8h17

Foto: Shutterstock

A disrupção digital ainda não atingiu seu apogeu, deixando muitos CEOs desesperados para descobrir como chegar à frente.  Alguns CEOs estão embarcando em buscas visuais para ajudar a lidar com a disrupção digital, que é marcada por uma mudança na lucratividade de um modelo de negócios predominante para outro.

Tom Puthiyamadam, diretor da PwC, está em uma missão para salvar os C-suites corporativos de si mesmos. Líder da prática de serviços digitais da PwC e supervisor do centro de experiência da consultoria, ele relembra uma recente conversa com um cliente CEO que participou de um "bootcamp digital" na Europa.

O CEO foi informado de que deveria entrar no Twitter e que seu negócio passaria por disrupção em dois anos. Puthiyamadam rapidamente assegurou ao CEO que as ameaças não eram tão iminentes. De fato, ele adverte os clientes regularmente contra a atuação precipitada, porque as apostas erradas, da ideação de serviço às escolhas tecnológicas, podem fazer com que um negócio retrocedam. "Você não precisa agir freneticamente e em pânico. Sua empresa ficará completamente sobrecarregada", disse Puthiyamadam ao CIO.com.

É um sábio conselho, talvez mais fácil de ouvir do que de seguir em um momento em que as empresas estão passando rapidamente por disrupção. Dois terços dos líderes empresariais acreditam que suas empresas devem aumentar o ritmo da digitalização para se manterem competitivas, de acordo com o Gartner. Para ajudar, Puthiyamadam e seus colegas Mathias Herzog e Nils Naujok criaram uma lista de 10 maneiras de vencer a disrupção digital.

1. Abrace a nova lógica
Não deixe de lado aquele recém-criado recurso digital só porque você opera em um nicho estreito. A Zume, por exemplo, usa robôs para ajudar os humanos a fazer, assar e entregar pizza. Ela dificilmente desbancaria a Dominos, o Pizza Hut e o Papa John's, mas já se destaca como um excelente exemplo de como os robôs e a automação podem auxiliar em vez de substituir os humanos em seu trabalho. A lição: não elimine os adversários.

"Veja cada competidor iniciante como uma empresa com a qual você pode aprender", diz Puthiyamadam. Pergunte-se: Como posso reprojetar as capacidades do negócio para fornecer um valor melhor do que as concorrentes iniciantes ou em exercício?

2. Comece agora, mas mova-se deliberadamente
As empresas devem se equilibrar de forma reativa e estratégica quando ocorrer uma ruptura. As empresas precisam prototipar novos produtos e serviços, testá-los com os clientes, falhar rapidamente e aprender. É esse o caminho para gerar produtos de alto potencial para o mercado, em escala.

"É como a maioria das tendências de tecnologia", diz Tiger Tyagarajan, CEO da Genpact, que assessora empresas em estratégia digital. "Tornou-se mais mainstream."

O mainstream, na verdade, é que 40% de todos os gastos em tecnologia serão destinados a Transformações Digitais, com as empresas gastando mais de US $ 2 trilhões até 2019, de acordo com a IDC.

De fato, alguns CIOs usam a “Transformação Digital” como um eufemismo para seus esforços de modernização: passar de arquiteturas legadas, sistemas locais e desenvolvimento em cascata para microsserviços orientados por API, nuvem e agilidade.

Sim, a Transformação Digital inclui mudanças tecnológicas e de processo como essas, mas essas mudanças sozinhas não definem a jornada digital de uma organização.

Então, o que é Transformação Digital? A Transformação Digital marca um repensar radical de como uma organização usa a tecnologia, as pessoas e os processos para mudar radicalmente o desempenho dos negócios, diz George Westerman, principal pesquisador da MIT Sloan Initiative sobre a economia digital.

"Use esse tempo para desenvolver sua própria proposta de valor sustentável e digitalmente habilitada, para desenvolver suas próprias capacidades exclusivas e vender ou desativar os ativos dos quais você não precisará mais quando a disrupção ocorrer totalmente", diz Puthiyamadam.

3. Conquiste o seu direito de ganhar
Defina o que sua empresa faz bem e por que isso é importante. A PetSmart ganhou recursos de atendimento ao cliente para complementar sua rede de varejo e outros serviços adquirindo o Chewy.com em abril. Combinadas, PetSmart e Chewy.com têm uma identidade muito mais clara e melhores condições de competir, diz Puthiyamadam.

Conquiste seu direito de vencer na ruptura construindo, adquirindo e mantendo combinações de pessoas, conhecimento, TI, ferramentas, estruturas e processos que atendam à cultura corporativa.

4. Crie o futuro dos seus clientes
Atender às necessidades dos clientes de maneira fundamental irá inspirar o contato contínuo com sua empresa e suas ofertas. Observe seus clientes de perto para identificar pontos problemáticos e descobrir como eliminar o atrito.

Por exemplo, a IKEA envia executivos para as residências dos clientes para ver como eles vivem e usam seus móveis. As empresas também podem aprender com a lição da Adobe Systems, que rotineiramente consulta os profissionais gráficos na criação de novos pacotes para eles. "As empresas mais eficazes orientadas para o consumidor confiam no acesso privilegiado aos seus clientes", diz Puthiyamadam.

5. Deixe os preços impulsionarem a demanda
Os clientes respondem mais intensamente à redução de custos do que ao aumento de valor. Por exemplo, não foi até depois que a Tesla lançou o modelo 3, de US $ 35.000, em 2017, que começou a competição acirrada com várias montadoras.

Considere cortar os preços para impulsionar a demanda, o que pode torná-lo mais atraente para os clientes que estão procurando melhor custo/benefício. Ajuste seus preços baixos, atraia clientes, amplie seu novo modelo de negócios e force as mudanças que dificultam a concorrência.

6. Lucre com ativos ociosos
Empresas da Gig economy vendem acesso a ativos ociosos. Por exemplo, a Caterpillar adquiriu a Yard Club para alugar máquinas pesadas através de um marketplace. Promova disrupção no seu setor criando valor para ativos subutilizados.

"Enquanto você está desenvolvendo sua própria abordagem, considere desinvestir os ativos que o prendem ou exigem custos contínuos", diz Puthiyamadam. "Cada ativo que você possui deve contribuir ou beneficiar-se de suas capacidades de diferenciação."

7. Controle seu lugar na plataforma
Conte com parceiros de plataforma, como fornecedores de computação em nuvem, para ganhar velocidade e escala. "Assim como é vital saber em que sua empresa é melhor, é essencial saber onde você pode confiar na tecnologia e nas soluções dos outros", diz Puthiyamadam.

Mas escolha sabiamente. Depois que você se inscrever com um parceiro de plataforma, os custos de mudança associados à movimentação de seus dados podem ser significativos. Certifique-se de manter o controle sobre os dados do cliente, a propriedade intelectual e os recursos.

8. Não isole skunkworks
Executivos que temem a disrupção às vezes lançam projetos digitais, como skunkworks e laboratórios digitais. Mas a separação cria descontinuidade entre projetos paralelos e a empresa principal.

Gol Paulo Palaia

"Como eles não estão integrados ao resto da empresa, eles não têm as capacidades ou o suporte necessários para serem sustentáveis", diz ele. "Nem o core business aprende com eles ou se beneficia de suas capacidades."

Os esforços digitais devem ser incorporados em toda a organização e refinados com base no feedback do usuário.

9. Desafie as regras
A alavancagem pode vir do aproveitamento de falhas nas regras. O compartilhamento de veículos de passeio é um ótimo exemplo. Em muitas cidades, a regulamentação dos medalhões de táxis levou a escassez e monopólios artificiais, que gigantes do compartilhamento de veículos, como Uber e Lyft, alavancaram com sucesso.

10. Defina uma nova maneira de trabalhar
As empresas que realizam transformações tigitais repensam como marketing, TI e finanças funcionam juntos. Siga o exemplo, começando com o recrutamento. Puthiyamadam diz que as empresas devem formar equipes de pessoas que possam combinar habilidades em estratégia de negócios, experiência do consumidor e desenvolvimento de hardware e software. Sua equipe deve incluir designers de experiência do usuário, antropólogos, analistas de dados e psicólogos.

Acima de tudo, encontre ou contrate pessoas com “helicopter qualities”, ou a capacidade de pensar e se mover entre detalhes finos e traços amplos. Essas pessoas podem tomar “decisões tecnológicas e de design instantaneamente que estão em harmonia com a maior estratégia de negócios”, diz Puthiyamadam. Essas equipes podem ajudá-lo a imaginar e cultivar os produtos e serviços com os quais você talvez não tenha sonhado de outra forma.

Conclusão: Infelizmente, Puthiyamadam diz que o impedimento número 1 para vencer na ruptura digital é a escassez de talentos, com a demanda superando a oferta nos próximos dois a três anos. Ele recomenda a contratação de talentos capazes de pensar de novo, especialmente os nativos digitais.

"Suas oportunidades de repensar o seu negócio nunca foram tão boas", diz ele. “O desafio que você enfrenta, não importa quão madura seja sua empresa, é o mesmo desafio enfrentado por qualquer iniciante: criar um novo modelo de negócios, proposição de valor e sistema de recursos voltados para o cliente, posicionando sua empresa para o sucesso a longo prazo.”

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail