Recursos/White Papers

Tecnologia

Em breve, Blockchains públicos para dados comerciais privados

Protótipo que a Ernst & Young planeja lançar em 2019, permite às empresas realizar transações com diversos parceiros, em uma rede aberta, protegendo a privacidade e os dados de cada um deles

Lucas Mearian, Computerworld/EUA

Publicada em 07 de novembro de 2018 às 12h59

Ernst & Young (EY) desenvolveu uma rede pública de Blockchain para transações comerciais privadas e planeja lançá-la no próximo ano. Atualmente, o Ops Chain Public Edition (PE) é apenas um protótipo.

Blockchains corporativos geralmente são executados em Blockchains privados ou autorizados, administrados centralmente, mas apenas para convidados, para aqueles que usam a rede transacional descentralizada e peer-to-peer. Já o Ops Chain Public Edition pretende permitir que as empresas realizem transações com segurança em uma rede pública baseada na plataforma Ethereum.  Foi criado pelos laboratórios Blockchain da EY em Londres e Paris e suporta tokens de criptografia de pagamento e tokens exclusivos de produtos e serviços que são semelhantes aos token ERC-20 e ERC-721 da Ethereum .

Uma internet para transações comerciais
Como a Internet, os blockchains públicos são compartilhados por todos os usuários e não exigem ferramentas especiais ou acesso comum. São mais conhecidos pela criação e troca de moedas digitais, como a Ether e o Bitcoin.

Em um blockchain público, qualquer um pode ver os dados transmitidos. A criptografia de chave privada/pública garante que a identidade de um usuário permaneça desconhecida para outras pessoas; somente as transações verificadas são visíveis e ninguém é dono do blockchain público. Um sistema de votação consensual entre usuários verifica se novas transações podem ser adicionadas ao livro registro imutável.

"A analogia da Internet/intranet é adequada neste contexto. Inicialmente, havia a opinião de que as transações corporativas nunca fluiriam por conexões públicas à Internet; isso mudou claramente ao longo do tempo", disse Martha Bennett, analista principal da Forrester Research. "Podemos ver algo semelhante acontecer com blockchains públicos e privados, mas isso não persistirá por muito tempo."

Por causa de sua imutabilidade - os Blockchains são um banco de dados online write-once, append-many - eles podem ser usados ​​como trilhas de auditoria transacional para supervisão interna e regulatória.

Embora haja vários usos potenciais para um livro público distribuído para empresas, o gerenciamento da cadeia de suprimentos seria uma das mais proeminentes aplicações do Blockchain, de acordo com Paul Brody, EY Global Innovation Leader for Blockchain Public.

"As empresas estão envolvidas em trocas - produtos ou tokens de serviço que representam ativos no mundo real são trocados por tokens de dinheiro. Essa é uma transação típica da cadeia de suprimentos", disse Brody, por e-mail. "Empresas que querem rastreabilidade de produtos de ponta a ponta para sua cadeia de suprimentos ainda não podem usar blockchains públicos porque a concorrência pode ver o que estão comprando - e quanto estão pagando - se fizerem essas transações em público." Para resolver a questão da visibilidade pública, a EY adicionou um recurso de privacidade através do uso pioneiro de uma tecnologia de criptografia à prova de conhecimento zero (ZKP) no Blockchain da Ethereum.

O ZKP é uma maneira de verificar o conteúdo de uma mensagem - neste caso, uma entrada no livro eletrônico distribuído - sem precisar revelá-la em texto não criptografado. "Ele está em uso com algumas criptomoedas com foco em privacidade, mas ainda não é uma tecnologia totalmente estabelecida", disse Bennett.

Os ZKPs são uma forma de criptografia que permite que você apresente uma prova de que fundos ou ativos existem e podem ser transferidos sem precisar mostrar quem tem os fundos, quanto você tem ou para quem eles estão indo, explicou Brody.

"Isso significa que o algoritmo de consenso ainda pode funcionar corretamente e validar a transação como um todo", disse ele.

A tecnologia ZKP também reduzirá drasticamente as barreiras à adoção do Blockchain, segundo a EY. Em um modelo de blockchain privado, explicou Brody, uma empresa precisa convencer um parceiro de negócios a se juntar à sua rede ou consórcio industrial específico, "o que envolve custo significativo para configurar uma rede privada e realizar a integração do sistema", disse Brody.

"Em um blockchain público, a rede já está em vigor e uma integração pode funcionar para todas as partes envolvidas - não é necessário criar redes separadas para cada setor ou região para gerenciar a privacidade", acrescentou.

A Ernst & Young estará usando uma versão de produção de seu Ops Chain PE e o EY Blockchain Private Transaction Monitor em algum momento de 2019.

Analistas da Forrester, no entanto, não acreditam que a tecnologia ZKP possa atingir a privacidade que uma blockchain pública exigiria. Alguns dizem que a tecnologia está suficientemente comprovada, outros dizem que não.

"Seja qual for o caso, é uma tecnologia intensiva e, portanto, atualmente limitada em quanto ela pode ser dimensionada", disse Bennett, da Forrester. "Então, sim, há potencial para o futuro, mas por enquanto, não veremos sistemas corporativos usando ZKPs sobre blockchains públicos. E certamente não sobre a Ethereum. Não até que os problemas em escala da Ethereum tenham sido resolvidos. Até lá, não é realista imaginar o ZKP como parte de um sistema operacional para uso empresarial. "

blockchain

Por que escalabilidade importa
Devido à sua natureza em cadeia, cada novo registro inserido em um Blockchain precisa ser serializado, o que significa que a taxa de atualizações é mais lenta do que os bancos de dados tradicionais, que pode atualizar os dados em paralelo.

Embora exigir que todos os nós (servidores) processem cada transação torne o blockchain nativamente resiliente a ataques cibernéticos - como centenas ou milhares de nós teriam que ser hackeados para ganhar o controle da rede - também diminui o processamento de transações e, por fim, sua escalabilidade.

No início deste ano, a Fundação Ethereum entrou em contato com a comunidade de desenvolvedores para ajudar a corrigir a questão inata das blockchains públicas: sua incapacidade de escalar.

Até agora, a Ethereum está explorando duas correções possíveis. A primeira, "sharding", exigiria uma pequena porcentagem de nós para ver e processar todas as transações, permitindo que muito mais transações fossem processadas em paralelo. Não é esperado que o particionamento diminua a segurança nativa de um Blockchain porque ele mantém a maioria das propriedades de descentralização e segurança desejadas.

Uma segunda solução envolve a criação de camadas de enlace de dados ou protocolos de "camada 2" que enviam a maioria das transações para fora da cadeia e interagem apenas com o Blockchain subjacente para entrar e sair do sistema de camada 2, bem como no caso de ataques. Os protocolos da camada 2 transferem dados entre nós dentro de uma LAN ou de uma WAN adjacente.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui