Recursos/White Papers

Tecnologia

Se liga aí. A inovação em banco de dados já acontece na nuvem pública

Fornecedores de nuvem pública estão criando serviços que capturam mais e mais dados corporativos, potencialmente profetizando décadas de bloqueio corporativo auto-infligido

Matt Asay, InfoWorld/EUA

Publicada em 05 de novembro de 2018 às 08h53

Cada um dos três grandes provedores de nuvem - Amazon, Microsoft e Google - anunciou ganhos recentemente, com a Amazon Web Services (AWS) e a Microsoft Azure divulgando receitas impressionantes. (O Google tem estado em silêncio em relação aos negócios do Google Cloud Platform). Para a AWS, a receita na nuvem cresceu 46%, movimentando 27 bilhões de dólares. O crescimento da Microsoft desacelerou, para 76%, projetando ganhos de US $ 7,7 bilhões em 2018, com a história de nuvem híbrida da empresa vendendo bem.

Uma coisa tem contribuído para esses resultados: o banco de dados.  À medida que mais aplicativos migram para a nuvem, também seus dados e, por extensão, os bancos de dados nos quais os dados residem, migram também. Tanto que, de fato, o Gartner está projetando que 75% de todos os bancos de dados viverão em uma plataforma de nuvem até 2023. 

Como apontou o analista da Gartner, Merv Adrian , essa mudança para a nuvem não é um jogo de soma zero. A nuvem está crescendo: o mercado de banco de dados “cresceu quase 13% de 2016 para 2017, movimentando US$ 38,8 bilhões - seu primeiro crescimento de dois dígitos, na variação ano a ano, em cinco anos. E a mudança continua.

Essa transição para a nuvem fica ainda mais atraente, considerando que os antigos hábitos de banco de dados são prejudiciais. "O banco de dados é o software empresarial de maior inércia", disse Kelly Stirman, diretora executiva da Dremio (e ex-executiva do MongoDB). “É a coisa mais difícil de mover. E tem o ativo mais valioso: os dados. ”A maior força no DBMS herdado é a inércia”, diz ela.

Como destaca a Bloomberg, quatro dos maiores gastadores de P&D do mundo são empresas de nuvem pública: AWS, Microsoft, Google e Apple. Embora nem todos os gastos dessas empresas com P&D estejam relacionados à nuvem, muitos deles o são, como diz o analista da Deloitte e colunista da InfoWorld, David Linthicum, levando a uma “marcha forçada” da indústria para a nuvem pública. Por quê? Porque “a maioria das empresas mudará para a tecnologia onde a inovação real ou percebida ocorre”.

Hoje, esse lugar para estar é nuvem pública e, por extensão, os bancos de dados que os provedores de nuvem pública continuam introduzindo ou aprimorando.

cloud

De acordo com o ranking de popularidade de banco de dados da DB-Engines, os bancos de dados em nuvem continuam em ascensão. E embora nenhum deles já chegue a ameaçar o reinado dos bancos de dados Oracle ou o Microsoft SQL Server em termos de adoção corporativa geral, novas e inovadoras cargas de trabalho que diferenciarão cada vez mais as empresas estão surgindo cada vez mais nativas na nuvem.

Claro, pode haver um lado negativo nesse movimento. Assim como a Oracle construiu uma fortaleza aparentemente inexpugnável no mercado de dados, os fornecedores de nuvem pública também estão construindo serviços que capturam mais e mais dados corporativos, potencialmente profetizando décadas de bloqueio corporativo auto-infligido. Quanto mais empresas optarem por adotar esses serviços e bancos de dados associados, mais os dados viverão em suas nuvens, e mais difícil será deixá-las. Por enquanto, porém, as empresas parecem determinadas demais para adotar a inovação acelerada das nuvens para considerar a saída lenta que mais tarde poderão ter. 



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui