Recursos/White Papers

Tecnologia

O WiFi 6 vem aí. O que esperar dele?

A tecnologia básica por trás do WiFi 6, que ainda é conhecido como 802.11ax no lado técnico, promete grandes avanços, incluindo melhor desempenho e maior eficiência de energia

Jon Gold, NetworkWorld/EUA

Publicada em 05 de novembro de 2018 às 09h37

WiFi 6 - também conhecido como 802.11ax - começará a entrar em novas instalações em 2019, trazendo consigo uma série de atualizações tecnológicas destinadas a simplificar os problemas da rede sem fio.

A primeira e mais notável característica do padrão é que ele foi projetado para operar nos ambientes de rádio cada vez mais congestionados. Ele suporta tecnologia multiusuário, de múltiplas entradas e múltiplas saídas (MIM-MIMO), o que significa que um determinado ponto de acesso pode lidar com tráfego de até oito usuários ao mesmo tempo e com a mesma velocidade. Os APs da geração anterior ainda dividem sua atenção e largura de banda entre usuários simultâneos.

Melhor ainda é o acesso múltiplo por divisão de frequência ortogonal (OFDMA), uma tecnologia emprestada e controlada por operadoras do mundo sem fio. A tecnologia subdivide cada um dos canais independentes disponíveis em um determinado AP por um fator adicional de quatro, significando ainda menos lentidão para os APs atenderem a vários clientes ao mesmo tempo.

Simplificando, além de ser mais rápido do que as versões anteriores do WiFi, o WiFi 6 será mais capaz de lidar com a crescente densidade de clientes presente na TI moderna. Quer se trate de espaços de escritório cada vez mais conectados, com smart TVs e vários clientes por funcionário, ou a IoT, com dispositivos conectados de todos os tipos, o Wi-Fi 6 é adequado para atender a essas demandas. 

O estado atual
Os pontos de acesso do WiFi 6 já estão no mercado. Aerohive chegou lá primeiro, mas os outros grandes fornecedores estavam logo atrás. As entradas iniciais do Aerohive são o AP630 e o tri-band AP650 e AP650X - este último possui antenas extras para maior alcance efetivo. No entanto, a D-Link, a Asus e a TP-Link também já trouxeram Wi-Fi 6 APs para o mercado, e os principais fornecedores corporativos como Cisco e Aruba estão quase certamente visando 2019 para começar a vender seus dispositivos.

Os endpoints ainda não estão no mercado, e os especialistas parecem ter concordado em 2020 como o ano em que a adoção em massa do Wi-Fi 6 realmente começa. Mas os profissionais de TI que arquitetam as redes que terão que lidar com esses endpoints precisam estar à frente do jogo.

Por que o atraso?
O WiFi 6 teve um caminho difícil para o estado de quase adoção que encontramos hoje. Os primeiros rascunhos da norma falharam duas vezes para sair do comitê relevante do IEEE, portanto a ratificação completa ainda não aconteceu, embora isso seja esperado em 2019. Parte da solução tem sido os fornecedores tomando as rédeas e lançando o hardware antes da ratificação final - não é uma prática incomum no mundo WiFi, especialmente quando essas empresas têm certeza de que sabem como será o padrão final.

Além disso, o processo de introdução de um novo padrão WiFi no mercado é demorado. Na melhor das hipóteses, conforme os chipsets seguem os padrões de rascunho em alguns meses, os APs dos consumidores para os primeiros adeptos seguem alguns meses depois, os empreendimentos alguns meses depois disso, e finalmente ampla disponibilidade de endpoints compatíveis após um ano ou mais. Portanto, se o consenso geral de que as empresas com visão de longo prazo precisam começar a planejar o WiFi 6 em 2019 for verdadeiro, o uso ativo do padrão na produção pode não decolar por mais um ano.

wifi

Por que a mudança de nome?
Quando já estávamos todos nos acostumando com a nomenclatura Wi-Fi IEEE 802.11, que diferencia as gerações da tecnologia WiFi por letras, a WiFi Alliance decidiu mudar. Como resultado, deste outubro de 2018, o que conhecemos como 802.11ax é oficialmente chamado de WiFi 6.

No novo sistema, o padrão 802.11ac passou a ser o WiFi 5 e o 802.11n, o WiFi 4. A ideia, de acordo com a WiFi Alliance, é tornar os recursos de endpoint e dos roteadores correspondentes de mais fácil compreensão para o usuário final.

A nova terminologia também será aplicada ao programa de certificação da WiFi Alliance para produtos sem fio. Assim, por exemplo, a partir do próximo ano, se um produto atender o padrão 802.11ax, ele receberá uma designação WiFi 6 CERTIFIED.

Na opinião do diretor do Farpoint Group e colaborador da Network World, Craig Mathias, disse que, dado o grau em que a consumerização passou a ser a força motriz mesmo atrás da TI corporativa, a mudança de nomenclatura é provavelmente um passo na direção certa, mas isso não significa rotulando 802.11ax como Wi-Fi 6 conta toda a história.

Um problema decorrente disso, segundo Mathias, é que apresentar diferentes tecnologias WiFi através de uma simples convenção de nomenclatura sequencial pode enganar os usuários. 802.11ad e ay são padrões de 60GHz, com características e recursos muito diferentes dos sistemas de 2,4GHz e 5GHz. Simplesmente chamá-los de “WiFi 7” faz com que soem como a próxima geração da mesma tecnologia, e não algo fundamentalmente projetado para realizar diferentes tarefas.

"Um número de questões potenciais surgem se a numeração linear for tomada para sugerir 'melhor'", disse ele.

Bom para IoT
A tecnologia básica por trás do WiFi 6 promete grandes avanços, além da capacidade máxima de 14 gigabits por segundo. Pode operar nas frequências de 2,4 GHz e 5 GHz, dividir cada canal em centenas de subcanais com frequências levemente diferentes, permitindo que o roteador se conecte a mais dispositivos simultaneamente, e oferece maior eficiência de energia.

Por tudo isso o WiFi 6 também é visto como um possível método de comunicação para dispositivos da Internet das Coisas (IoT) que têm baixa capacidade de energia e vida útil limitada da bateria. Graças a um recurso chamado tempo de ativação do destino, os dispositivos WiFi 6 IoT podem desligar suas conexões WiFi a maior parte do tempo e conectar-se apenas brevemente conforme programado para transmitir dados coletados desde a última transmissão, estendendo a duração da bateria.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui