Recursos/White Papers

Tecnologia

Realidade Aumentada começa a ganhar terreno nas operações de TI

Tecnologia pode oferecer alguns benefícios às operações de TI, mas os altos preços e os problemas de usabilidade dificultam a adoção

Maria Korolov, CIO/EUA

Publicada em 20 de setembro de 2018 às 11h06

A Realidade Aumentada é frequentemente predita como uma grande mudança no jogo da evolução tecnológica. Mais até do que a Realidade Virtual. Mas além de aplicativos baseados em smartphones, como Pokemon Go e Google Translate,  a adoção da tecnologia - que se sobrepõe a conteúdo virtual no mundo real - tem sido lenta.

O Google Glass fracassou, substituído por alternativas empresariais que se concentram principalmente em problemas de nicho. O Microsoft Hololens até teve alguns picos de glória, com astronautas fazendo uso na Estação Espacial Internacional. Mas ainda não causou grande impacto na sempresas.

E a startup Magic Leap, que atualmente tem uma avaliação de mercado de mais de US $ 6 bilhões, só recentemente começou a enviar seu headset para os primeiros usuários.

Nas operações de TI, os casos de uso da Realidade Aumentada estão apenas emergindo, com algumas empresas começando a experimentar RA para treinamento e suporte, e para visualização e colaboração.

"Estamos usando em nosso laboratório há alguns anos, sobrepondo informações técnicas em uma impressora física, por exemplo", diz Scott Likens, líder em tecnologia emergente da PricewaterhouseCoopers. "Eu diria que é real, mas ainda não está em escala. Não é fácil criar o conteúdo e vinculá-lo a um mundo físico, e as habilidades são muito diferentes para criar a experiência de usuário em torno da RA."

Likens vê os smartphones como a tecnologia mais promissora para aplicativos habilitados para Realidade Aumentada.

RA

"Temos visto interesse em dispositivos de nível mais alto, mas há uma barreira no custo", diz ele, acrescentando que o Microsoft Hololens, por exemplo, não tem resolução suficiente. "Estamos vendo muita experimentação. Nos casos de uso industrial, houve um momento de grande expectativa, mas muito personalizado, para fábricas, para fazer coisas no campo - mas não para a TI".

Aqui está uma lista em algumas implantações menores de Realidade Aumentada relacionadas a TI em organizações com conhecimento de tecnologia que dão uma ideia de como a RA pode impactar as operações de TI nos próximos anos.

Ensino à distância
A Banc3 Engineering, uma empresa de P&D que atende a indústria de defesa, está trabalhando em projetos para fazer uso da Realidade Aumentada para o Departamento de Defesa americano.

Mas quando a empresa começou a procurar uma solução de RA para resolver seus próprios problemas internos de TI com suporte remoto, ela optou por algo simples e pronto para ser usado e que não precisasse ser construído do zero.

"Não tínhamos tempo", diz Pam Puttagunta, presidente da empresa. "Por isso procuramos algo que nos chegasse como um produto completo".

O problema que a empresa tinha era que os especialistas de nível sênior tinham que voar para locais remotos para treinar novos técnicos e ajudar com tarefas técnicas complexas.

"Temos documentação e controles de versão, mas nem tudo é colocado na documentação", diz Puttagunta. "Nós contratamos novas pessoas, e é sempre um problema fazê-las acelerar."

Treinamento em vídeo ou treinamento em RV teria todos os mesmos problemas da documentação escrita, sem estar atualizado, e também seria mais caro.

Com a Realidade Aumentada, um técnico em um local remoto pode colocar um headset, e um especialista pode ver o que está vendo e fornecer assistência em tempo real sem sair do escritório.

O técnico pode estar fazendo qualquer coisa, desde tentando trabalhar em servidores em um data center ou lidar com logs em um desktop.

"Estamos usando os dois lados", comenta Puttagunta. "Isso nos ajuda tremendamente. Não precisamos mandar pessoas para locais remotos, e o problema é resolvido instantaneamente. Isso é muito melhor do que ter nossas pessoas folheando um documento de 300 páginas sempre desatualizado. "

Além disso, um funcionário sênior pode treinar várias pessoas em vários locais ao longo do dia, sem ter que sair do escritório.

O Banc3 adquiriu seu primeiro conjunto de headsets de AR há três meses, para um projeto piloto de cerca de uma dúzia de pessoas. O impacto foi imediato, incluindo uma redução de 40% no custo das viagens. Agora, a tecnologia será expandida para 150 pessoas na empresa, diz Puttagunta.

De acordo com a ThirdEye, a empresa que forneceu a tecnologia, a solução funciona transmitindo vídeo do funcionário remoto para o desktop do especialista. O especialista não só vê o que o funcionário remoto vê, mas também pode dar instruções verbais e até fazer anotações sobre o que o trabalhador vê.

"O trabalhador pode continuar trabalhando sem usar as mãos e obter dados relevantes exibidos em seu campo de visão", diz Nick Cherukuri, fundador e presidente da ThirdEye.

A Microsoft também está trabalhando em seu próprio aplicativo de assistência remota, chamado Remote Assist , diz Lorraine Bardeen, gerente geral de Realidade Mista da empresa, referindo-se à tecnologia que mistura as realidades Aumentada e Virtual. No entanto, o Remote Assist foi lançado somente em maio e está atualmente disponível apenas como uma protótipo.

"Também sabemos que é importante para os CIOs que esses aplicativos estejam prontos para serem integrados aos fluxos de trabalho existentes, por isso continuamos a concentrar nossa energia nessa direção", diz ela.

Com os computadores, os trabalhadores são limitados em sua capacidade de interagir com a tecnologia, diz ela, limitados a cliques do mouse ou ao toque na tela. "Usando a Realidade Mista, você pode fixar seu conteúdo digital, como aplicativos, informações e até vídeos multidimensionais, no espaço físico ao seu redor, para que possa interagir com eles da mesma maneira que interage com outros objetos físicos. "

Visualização e colaboração
Na Dynatrace, uma empresa de desenvolvimento de software sediada em Boston, as telas eram muito pequenas para atender às aplicações que a empresa estava desenvolvendo.

Isso dificulta que os desenvolvedores visualizem dependências de aplicativos, diz ele, e também dificulta a colaboração.

"Uma tela de laptop é muito pequena", diz ele. "Em uma sala de conferência, há paredes grandes, mas não podemos colocar nada nelas, a menos que tenhamos telas sobre elas, e também queríamos trazer informações para as pessoas, em vez de forçar as pessoas a entrarem em uma sala específica para ter acesso às informações."

Um projetor só faria uso de uma parede, um quarto do espaço de parede disponível em uma sala, diz ele. "E se você quiser ir até o desenvolvedor, ou ao escritório da equipe, você tem que levar o projetor com você."

A Realidade Aumentada transforma instantaneamente qualquer grande parede vazia em uma tela de exibição - ou permite que telas virtuais ou objetos 3D flutuem no espaço.

"As pessoas podem ver todas essas informações em tempo real e usar esse enorme espaço, em vez de ficarem confinadas a uma pequena tela de laptop", diz ele. "E você pode ter sua sala de informações em qualquer lugar que queira. Pode ser em uma sala de reunião de escritório, em casa ou na mesa de um desenvolvedor. E você pode estar em vários locais, com muitas pessoas colaborando como se estivesse em o mesmo local. "

A Dynatrace construiu seu aplicativo de visualização SmartScape em cima do Hololens, para uso interno próprio. A empresa ainda não está vendendo o aplicativo, embora alguns clientes tenham recebido acesso antecipado.

"O maior desafio é que o hardware é muito restritivo", diz Reitbauer. O modelo do Hololens que a empresa está usando custa cerca de US$ 5 mil por unidade. "Ainda é mais barato do que colocar monitores em todas as paredes de uma sala de reunião, mas para a maioria dos clientes, ainda é proibitivo".

A Dynatrace tem oito headseys agora, diz ele. Idealmente, todo funcionário que trabalha no desenvolvimento teria um, mas o preço teria que cair para o custo de um monitor de computador, diz ele.

O recém-lançado Magic Leap One custa em torno de US $ 2.300, e a empresa já encomendou um aparelho e está esperando que ele chegue. Reitbauer diz que ele espera que os preços continuem a cair. "Esperamos que isso aconteça no próximo ano ou dois."

Hoje a Realidade Virtual é significativamente mais acessível, diz ele, devido à variedade e à competição no mercado de consumo. "Se você trabalha sozinho, um headset de Realidade Virtual pode funcionar bem. Mas se você está em uma sala em um grupo com outras pessoas, e você pode ouvi-las falar mas você não pode vê-las, parece um pouco estranho "

De acordo com Stephanie Llamas, vice-presidente de RX (Realidade Estendida) e estratégia da SuperData Research, o alto preço do Magic Leap, o atraso na disponibilidade e pouca ou nenhuma reputação (pouca gente já usou o dispositivo) estão atrasando o desenvolvimento.

"A Realidade Mista, no final, será uma grande impulsionadora para a tecnologia imersiva, mas ainda levará de cinco a dez anos até que a tecnologia esteja acessível o suficiente", diz.

A adoção generalizada do consumidor pode ajudar a reduzir os preços e melhorar a usabilidade. Llamas prevê que os headsets de Realidade Mista voltados ao consumidor serão uma indústria de US $ 9 bilhões - mas ainda menos que os US $ 15,4 bilhões da Realidade Virtual.

Por outro lado, isso significa que empresas como a Magic Leap precisarão encontrar outras maneiras de recuperar seus investimentos, acrescenta ele, e isso pode vir através do uso corporativo.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui