Recursos/White Papers

Tecnologia

Rede, aplicação ou sistema: TI custa a encontrar raiz do problema na nuvem

Estudo revela que equipes de TI estão incertas quanto a como lidar com os desafios da migração na nuvem

Da Redação

Publicada em 10 de julho de 2018 às 17h25

Uma parcela significativa das equipes de TI empresariais está incerta quanto a como lidar com os desafios da migração para a nuvem. A constatação é de estudo realizado pela Viavi Solutions. De acordo com o levantamento, que ouviu mais de 600 talentos entre engenheiros de rede, diretores de TI e CIOs, os times de TI estão perdendo o controle da infraestrutura e dos serviços que estão migrando para a nuvem.

Dos respondentes do estudo, 65% disseram que os times de rede são responsáveis por resolver problemas de nuvem, enquanto 11% não tinham certeza e 24% disseram não ser responsáveis. A pesquisa observa que esse cenário acontece provavelmente porque os profissionais de rede podem não ter sido envolvidos no início da migração para a nuvem, por ela ter sido decidida e implementada por uma unidade de negócios.

Outra constatação do estudo é que mais de 90% das empresas têm uma parte de sua força de trabalho acessando a rede ou aplicações de serviços de uma locação remota, com 54% dizendo que um quarto de seus empregados o fazem.

Além disso, 52% dos respondentes disseram que seu principal desafio era determinar se os problemas são causados pela rede, aplicação ou sistema – isso foi citado como o principal desafio de 2017 também. Neste ano, o problema ultrapassou outros desafios por uma larga margem, incluindo: gerenciar bugs e patches de aplicações (16%), medir a latência e problemas de delay (13%), entender a experiência do usuário (10%) e monitorar o consumo de banda (9%).

nuvem estudo

O estudo também sugere que os times de serviços de TI adotem quatro estratégias para minimizar o quadro. Confira.

1. Adotar medidas “nuvem por padrão”
Entender que se você não está monitorando na nuvem, logo você estará. Não importa se sua empresa está indo para o AWS, Microsoft Azure, ou outro provedor, seu time de rede deve ser capaz de elaborar soluções para estender a visibilidade e análise de performance do seu data center local para qualquer fornecedor de infraestrutura como serviço (IaaS).

2. Não ser SaaS’zado
Qual visibilidade os engenheiros têm de um software como serviço (SaaS) sendo acessado por meio de suas redes? Quando usuários reclamam de erros, como eles irão exonerar ou corrigir problemas relacionados à rede? Muitas ferramentas de rede existentes não conseguem prover insights de performance em aplicações SaaS. Os engenheiros precisam ser capazes de prover métricas de conectividade de rede para qualquer serviço de nuvem.

3. Alcance de cobertura fim a fim
Com aplicações sendo entregues em arquiteturas híbridas na nuvem e localmente, engenheiros precisam de um caminho de visibilidade completa e insights nas jornadas das aplicações do usuário até a nuvem, para o data center e de volta. Qualquer peça faltando dessa jornada pode prejudicar a habilidade de TI de encontrar e resolver falhas.

4. Ganhar inteligência do usuário remoto
Conforme usuários podem acessar serviços de qualquer lugar e reclamar de problemas erráticos com um nível de subjetividade, como engenheiros verificam e resolvem reclamações remotas? Um novo uso para uma tecnologia antiga são os testes sintéticos na forma de agentes leves que são baixados. Esses agentes ajudam a esclarecer, do ponto de vista do usuário remoto, o que está acontecendo quando estes usuários acessam serviços críticos.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui