Recursos/White Papers

Tecnologia

As plataformas de PaaS estão inoperantes graças aos fornecedores de IaaS

Nuvens PaaS públicas não são o que eram há alguns anos, com nuvens públicas de IaaS roubando grande parte de sua participação de mercado

David Linthicum , InfoWorld/EUA

Publicada em 01 de junho de 2018 às 15h19

Até já consigo imaginar o obituário:

"Em algum momento entre 2017 e 2018, em uma data que não é possível precisar, o PaaS privado e público morreu de negligência. Embora parte da definição  de computação em nuvem do NIST, a PaaS teve uma vida maravilhosa nos primeiros dias do modelo de Cloud Computing como um local para criar novos aplicativos baseados em nuvem. Padrões foram formados em torno de PaaS, e até hoje, após sua morte, a PaaS é cercada por muitos amigos e familiares. Sucumbiu aos serviços de plataforma IaaS públicos que oferecem ferramentas de desenvolvimento melhores e mais versáteis."

Atualmente, muito do que a PaaS oferece, incluindo ferramentas de desenvolvimento rápidas e fáceis, de implantação rápida de operações, foi substituído por provedores de IaaS. Nuvens IaaS públicas, como o Amazon Web Services, agora oferecem recursos como desenvolvimento baseado em containers, computação sem servidor, Analytics e Machine Learning que tornaram a plataforma IaaS, rica em recursos, o melhor local para criar e implantar aplicativos baseados em nuvem.

O que também é interessante notar é que a maioria dos provedores de nuvem IaaS públicos também fornecem uma PaaS também.

O que aconteceu foi uma combinação de escolha e momento. Os desenvolvedores, que hoje em dia são os maiores encarregados da migração de cargas de trabalho de aplicativos para as nuvens públicas de IaaS, precisam evitar a PaaS. Isso ocorre porque as nuvens de PaaS normalmente exigem aderência a modelos de programação, idiomas, bancos de dados e plataformas específicos. Assim, enquanto a PaaS é boa para novos aplicativos baseados em nuvem, não é possível adaptar facilmente alguns aplicativos tradicionais baseados em LAMP em uma plataforma de PaaS. Isso significa um grande esforço para reescrevê-lasa, custo e risco. Então, adeus, PaaS. 

O impulso inicial de PaaS foi em torno da explosão de serviços de plataforma que agora são uma grande parte das nuvens de IaaS. Esses serviços, juntamente com os análogos de plataforma para aplicativos migrados, agora estão todos nas mesmas plataformas de IaaS. Além disso, essas plataformas oferecem segurança em nuvem de última geração, bem como serviços operacionais, como gerenciamento, monitoramento e continuidade de negócios e recuperação de desastres. Em suma, as plataformas IaaS de hoje fornecem os recursos Pass que as plataformas PaaS fornecem, além dos recursos de PaaS que os provedores de PaaS nunca forneceram.

Claro, a tecnologia nunca morre; ele se transforma em outra tecnologia, e suspeito que o mesmo acontecerá com a PaaS. Todos os grandes provedores de IaaS ainda mantêm uma PaaS; na verdade, alguns foram criados com base em uma oferta inicial de PaaS e rapidamente direcionados para os serviços de nuvem da IaaS para acompanhar o mercado.      

PaaSvsIaaS

No entanto, o conceito de PaaS realmente morreu. A noção de que um serviço de nuvem pública era uma plataforma para a criação e implementação de aplicativos baseados em nuvem e, portanto, seria a maneira preferida de fazê-lo, simplesmente não sobreviveu a plataformas IaaS públicas.

Quem teria pensado que as plataformas de IaaS se tornariam mais do que apenas armazenamento e serviços de computação? Não os provedores de PaaS. Mas foi exatamente o que aconteceu.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui