Recursos/White Papers

Tecnologia

Empresas se unem para criar um padrão corporativo para redes Blockchain

Reunidas na Enterprise Ethereum Alliance, elas acabam de publicar seu primeiro padrão para uma rede Blockchain centrada em negócios, com o objetivo de acelerar as transações e aumentar a privacidade

Lucas Mearian, Computerworld/EUA

Publicada em 23 de maio de 2018 às 11h52

Um grupo composto de centenas de empresas usuárias e fornecedoras de tecnologia revelou sua primeira especificação para permitir o desenvolvimento de redes peer-to-peer, descentralizadas, baseadas em Blockchain, para automatizar transações corporativas. O Enterprise Ethereum Client Specification 1.0, criado pela Enterprise Ethereum Alliance (EEA), é uma estrutura de código aberto que pretende acelerar as transações comerciais, aumentar a privacidade dos contratos e criar um fluxo de trabalho de transações comerciais mais rápido e eficiente.

A EEA Specification e sua arquitetura são baseadas em componentes Blockchain desenvolvidos pela Ethereum Foundation , a organização por trás da segunda criptografia mais valiosa do mundo: a Ether .

Ao usar a nova especificação da EEA, os desenvolvedores podem criar códigos que permitam a interoperabilidade entre as empresas e seus clientes, seja através de um Blockchain público ou autorizado. A especificação funciona como uma estrutura para configurar a permissão para ingressar em uma rede Blockchain.

"Pense em onde o Ethereum está atualmente. Ele tem grandes competências em torno da transferência de valores, enviando as pessoas à Ether. Criou o padrão para captação de recursos através de ofertas simbólicas", disse Tom Lombardi, diretor de desenvolvimento de mercado da EEA. "O objetivo da aliança é construir uma estrutura onde possamos usar a Ethereum em um ambiente corporativo".

A especificação Blockchain e sua pilha de arquitetura prometem maior eficiência transacional, pois permitem que os dados sejam retirados da cadeia e processados ​​em um banco de dados separado, atrás de um firewall. O Blockchain primário é então usado apenas para validar transações concluídas e pode criar um hash separado para representar os dados offline para privacidade e segurança.

O processamento de informações off-chain está se tornando um conceito popular para aumentar a eficiência de redes Blockchain, que podem levar muitos minutos para processar uma única transação. Por exemplo, o bitcoin demora, em média, 10 minutos para processar uma transação.

"O Ethereum tem apenas 13 ou 14 transações por segundo e isso não é adequado para a demanda corporativa", disse Lombardi. "Nem tudo tem que ocorrer na cadeia", disse Lombardi.

A Enterprise Ethereum Client Specification foi criada por um comitê de direção técnica que trabalhará para expandi-la com contribuições dos membros até outubro, com o objetivo de publicar a Enterprise Ethereum Client Specification 1.1. Essa especificação incluirá mais estruturas para aplicativos específicos de negócios.

"Estamos trabalhando na implementação de um programa de certificação. E esse programa de certificação será baseado na versão 1.1", disse o diretor executivo da EEA, Ron Resnick.

A expectativa é a de que a especificação forneça um padrão para interoperabilidade entre empresas que usam redes distribuídas. Também permitirá que as empresas reformulem as redes Blockchain para usos futuros, de acordo com Thomas Mason, analista de pesquisa da S & P Global Market Intelligence.

Muitas vezes, as empresas saltarão de cabeça para uma nova tecnologia, usando uma start-up para construir um aplicativo para um propósito comercial específico, apenas para descobrir, depois que o contrato do fornecedor acabar, que o aplicativo não está atendendo às suas necessidades; uma vez que o aplicativo é construído, no entanto, ele não pode ser modificado, pois é específico para determinada finalidade, disse Mason.

"A nova especificação também permite que os desenvolvedores possam criar aplicativos que, mesmo que não sejam usados em cadeias Blockchain, ainda tenham a capacidade de fazer isso", disse Mason.

Blockchains públicos, como bitcoin, não têm autoridade central; o ledger é governado por um mecanismo de consenso entre os usuários. Por outro lado, um Blockchain privado ou "autorizado" tem um administrador central que examina aqueles que são autorizados a ingressar nele.

Um Blockchain autorizado, por exemplo, pode ser usado entre parceiros de negócios que têm um propósito comum - como transações financeiras internacionais ou cadeias de suprimento. As empresas internacionais também podem criar Blockchains internos autorizados para transações entre várias divisões ou unidades de negócios.

Juntamente com Blockchains autorizados, as empresas também podem usar Blockchains públicos para projetos de crowdfunding, vendendo criptomoedas através de ICOs - neste caso, tokens Ether - ou para promover a lealdade do cliente através da emissão de tokens.

Por exemplo, algumas empresas estão considerando o uso de redes de Blockchain para que os clientes negociem pontos de fidelidade como tokens em uma troca. Um cliente adquire tantas compras e recebe tantas fichas para negociar. O valor do token, como qualquer criptomoeda, é determinado pelo mercado.

O Blockchain da organização Ethereum é uma série de protocolos que definem uma plataforma para aplicativos descentralizados ou dApps.

blockchain

Como outros Blockchains de negócios, como o Hyperledger, o Ethereum tem a capacidade de executar "contratos inteligentes". Quando determinadas condições de um contrato são atendidas, o Blockchain executa comandos. Por exemplo, em uma transação imobiliária, uma vez que todas as partes tenham concordado com os termos de um acordo, registram seu consentimento no Blockchain - os bancos aprovam uma transferência de dinheiro - e o Blockchain executaa automaticamente a transação.

A capacidade de contrato inteligente do Ethereum é chamada de Máquina Virtual Ethereum ("EVM")  e pode executar código de complexidade algorítmica arbitrária. Os desenvolvedores podem criar aplicativos que são executados ns EVM usando linguagens de programação amigáveis, como JavaScript e Python.

"Até a primeira parte de 2019 deveremos estar prontos para implementar a certificação", disse Resnick. "Hoje todos os desenvolvedores podem se envolver e ver o que estamos fazendo. Prevemos grandes coisas para o resto do ano."



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui