Recursos/White Papers

Tecnologia

Reconhecimento facial passa dos smartphones à sala de reuniões

Popularizada pelo iPhone X, tecnologia já está sendo testada por algumas agências governamentais e companhias aéreas comerciais como uma medida de segurança livre de atritos

Lucas Mearian, Computerworld/EUA

Publicada em 01 de abril de 2018 às 11h47

A tecnologia de reconhecimento facial, que começou a ganhar força em dispositivos móveis como o iPhone X e vários smartphones Android, como o Galaxy S9, poderá em breve aparecer no trabalho - e no aeroporto.

A tecnologia usa o rosto de uma pessoa para autenticar sua identidade, tornando-a uma ferramenta de segurança potencialmente importante.

Em 2015, o Google lançou o recurso "Trusted Face como parte da atualização do Android 5.0 Lollipop. Parte da tecnologia Smart Lock do Android, o recurso funciona da mesma forma que o Face ID, da Apple, que substituiu o leitor de impressões digitais Touch ID no iPhone X.

Embora os analistas digam que a tecnologia de reconhecimento facial ainda precise ser aprimorada, ela poderá ser usada em breve em ambientes como a sala de reuniões para garantir que somente funcionários autorizados sejam admitidos.

"O Face ID fará o reconhecimento facial", disse Doug Aley, diretor de receita da Ever AI , startup de tecnologia de reconhecimento facial que comercializa o sistema para empresas.

Imagine, por exemplo, que você é um gerente que se prepara para uma apresentação na sala de reuniões em um projeto interno confidencial. À medida que os participantes entram na sala, uma câmera de reconhecimento facial sinaliza alguém que não está autorizado a comparecer, notificando-o ou fechando a apresentação de slides.

Pode soar Minority Reports, eu sei, mas a tecnologia está disponível hoje, e tem potencial para se mover rapidamente para o mainstream corporativo.

"Há muitos dados presentes na imagem do nosso rosto: idade, sexo, até mesmo nosso estado emocional na época. E, essas são coisas que poderiam ser úteis fora da simples autenticação", disse Aley.

Impulsionada pela adoção da Face ID pela Apple, a Ever AI lançou seu software de reconhecimento facial em setembro. O software foi desenvolvido usando um grande estoque de vídeos e imagens contidos em um serviço de armazenamento em nuvem para fotos e vídeos, o EverAlbum (agora chamado de Ever). O aplicativo, disponível nas lojas Apple App e Android Play, permite que os usuários organizem seus álbuns de imagens e vídeos a partir de vários serviços.

A Ever AI coletou um conjunto de dados de 13 bilhões de imagens que foram marcadas pelos usuários - semelhante a como as fotos são marcadas no Facebook - com os nomes das pessoas nas fotos, disse Aley. A partir desse ponto, todas as fotos futuras dessas pessoas serão marcadas automaticamente (com a permissão do usuário) para que elas possam encontrar essas fotos com facilidade. "Isso cria uma 'identidade' para essas pessoas", disse Aley.

O armazenamento de dados foi usado para treinar algoritmos de reconhecimento facial, o que resultou em uma aplicação de consumo mais precisa; Aley afirma que o software de reconhecimento facial corporativo da empresa tem 99,8% de precisão.

reconhecimento facial

O software da Ever AI fornece uma ampla variedade de serviços de reconhecimento de face e identificação de atributos, permitindo que ele se misture aos dados do CRM para criar experiências personalizadas.

Um rosto no meio da multidão

A BlueScape, fornecedora de softwares de colaboração em nuvem, está usando o software corporativo da Ever AI para desenvolver um produto que deve ser lançado este ano e que irá amostrar grandes conjuntos de imagens para identificar uma face específica em um grupo de milhares de faces.

"Esse é um caso de uso muito legal para nossos clientes que frequentemente procuram identificar um grupo específico de personagens em um ambiente de entretenimento ou localizar um indivíduo em particular em um ambiente de segurança nacional", disse Demian Entrekin, CTO da BlueScape, localizada em San Carlos, Califórnia.

Por exemplo, os animadores da Disney que estão trabalhando em uma sequência do filme de animação "Frozen" podem querer encontrar todas as imagens anteriores de um personagem em particular; Essas imagens, disse Entrekin, muitas vezes podem ser armazenadas em dezenas de servidores ou matrizes de armazenamento, e muitas vezes são misturadas com uma multidão de outros personagens animados.

"Esse é um exercício de busca visual extremamente difícil", disse Entrekin. "Torna-se particularmente poderoso quando você está olhando para várias fontes de dados. Eu estou olhando para cinco bancos de dados, ou 10 ou 30 ou mais ... que podem até ser acessados por aplicações que necessitem da imagem em tempo real.

Para a aplicação da lei, o mesmo tipo de algoritmo de reconhecimento facial poderia ser usado para reconhecer um criminoso conhecido em meio a uma multidão de pedestres, disse Entrekin.

Companhias aéreas e agências do governo voltam-se o reconhecimento na segurança

A unidade de negócios Advanced Recognition Systems, da NEC Corp, vem fornecendo tecnologia de reconhecimento facial para companhias aéreas e agências governamentais. No Brasil, a Receita Federal é uma das usuárias.

NeoFace Watch, da empresa, integra tecnologia de correspondência de rosto com vigilância por vídeo para verificar indivíduos contra listas de observação fotográficas conhecidas e gerar alertas em tempo real quando as correspondências são encontradas.

E o NeoFace Express é uma rápida tecnologia de correspondência de faces 1: 1 para cenários de acesso rápido; foi implantada em oito aeroportos através do programa piloto de saída biométrica da Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP) dos EUA .

A tecnologia é parte de um novo requisito da agência de fronteira que exige quiosques de Controle de Passaporte Automatizado (APC) para autenticar a identidade, combinando os rostos das pessoas com o registro biométrico em seu passaporte eletrônico.

quiosques ofo apc 20170214

Proteção das alfândegas e fronteiras dos Estados Unidos
Os quiosques automatizados de controle de passaportes da US Customs and Border Protection usam o reconhecimento facial com passaportes eletrônicos para autenticar os passageiros.

Os quiosques da APC tornaram-se um recurso regular nos aeroportos dos EUA e a tecnologia foi colocada em prática nos quiosques da APC nas fronteiras dos EUA.

No ano passado, a JetBlue Airlines anunciou uma colaboração com o CBP e o fornecedor de tecnologia biométrica SITA para pilotar sistemas de reconhecimento facial que permitem aos passageiros embarcar em vôos com destino a Aruba a partir do Aeroporto Internacional de Logan, em Boston. A tecnologia foi posteriormente ampliada para voos que iam de Boston a Santiago, na República Dominicana.

"A resposta dos clientes tem sido muito positiva. Mais de 90% dos clientes optaram por fazer o auto-embarque", disse Julianna Bryan, chefe de comunicações da JetBlue, por e-mail. "O auto-embarque também economiza tempo para nossos tripulantes, que não precisam mais fazer inspeções manuais de passaportes durante o processo de embarque."

embarque biométrico jetblue 1200x613

JetBlue
O sistema de embarque de reconhecimento facial da JetBlue permite que os passageiros pulem o processo de cartão de embarque e simplesmente pisem na frente de uma câmera, que os autentica.

Dependendo dos resultados dos teste iniciais, a JetBlue determinará como avançar com a tecnologia.

"Estamos sempre à procura de oportunidades para inovar e criar uma experiência de viagem mais fácil, simples e segura para nossos clientes", disse Bryan. "Estamos negociandp com a CBP para um roteiro biométrico de longo prazo".

Logan não é o único aeroporto que abraça a tecnologia. O Aeroporto Internacional de Orlando também atualizou seus quiosques da APC para incluir o reconhecimento facial dos passageiros que chegam.

E em fevereiro, a NEC anunciou o lançamento global do NeoFace Access Control, seu próprio produto de reconhecimento facial que pode ser instalado com portões ou portas de entrada e saída existentes para permitir acesso a indivíduos autorizados.

Empresas continuam cautelosas

O mercado de reconhecimento facial deverá crescer em média 21,3% nos próximos quatro anos, para US $ 9,6 bilhões até 2022, segundo a Allied Market Research .

mercado de reconhecimento facial

Mesmo com o crescimento da indústria de reconhecimento facial, a maioria das empresas tem sido cautelosa em relação à adoção da biometria - especialmente o reconhecimento facial, de acordo com Jack Gold, analista da J. Gold Associates.

Apesar do iPhone X e dos Samsungs S8 e S9,  a adoção  do reconhecimento facial ainda não pode ser considerada uma adoção em massa.

"Primeiro porque as empresas querem uma metodologia uniforme em uma infinidade de dispositivos", disse ele por e-mail. "Ainda temos muitos smartphones [Apple e Android] sem esse nível de capacidade."

Outra razão pela qual a adoção em massa tem sido lenta é porque as empresas ainda não viram evidências concretas de que a tecnologia é suficientemente segura para fins de identificação corporativa.

"Tudo bem se usuários individuais quiserem usá-la para suas necessidades de identificação pessoal, mas a implantação como padrão corporativo é outra questão", disse Gold.

reconhecimentofacial

Shawn McCarthy, diretor de pesquisa da IDC Government Insights, acredita que, por enquanto, a autenticação adaptativa usando biometria continuará a ser relegada a ambientes altamente seguros, como as instalações militares, de inteligência ou de pesquisa de alto nível.

"Não tendemos a vê-l usada para sistemas governamentais regulares", disse McCarthy. "Dois fatores, incluindo a autenticação baseada em celulares, tendem a ser bons o suficiente para a maioria das agências."

Já Aley, da Ever AI, disse acreditar que a tecnologia de reconhecimento facial ganhará força ainda este ano ou no próximo - inicialmente no mundo corporativo.

"Vai decolar primeiro na empresa do ponto de vista do trabalhador. Temos algumas grandes empresas industriais que querem autenticar os trabalhadores nas plantas fabris - em vez de usar crachás - para entender quem estava lá, então há uma trilha de auditoria mostrando onde as pessoas estavam em momentos diferentes ", disse Aley.

Ainda este ano, Aley disse que um dos clientes corporativos da Ever AI - que ele se recusou a nomear - planeja lançar a tecnologia de reconhecimento facial como uma forma de autenticar os funcionários quando eles entram nos escritórios, para obter acesso aos sistemas de dados corporativos.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui