Recursos/White Papers

Tecnologia

Brasileiros poderão desenvolver aplicações para o Google Assistente

Ainda este ano serpá possível começar a usar o Actions on Google e explorar a interface conversacional nos smartphones para oferecer maior acessibilidade e praticidade aos usuários

Da Redação

Publicada em 08 de novembro de 2017 às 11h58

Nas próximas semanas, a Actions on Google, plataforma de desenvolvimento que permite criar aplicativos para o Google Assistente, estará disponível em português. A novidade, anunciada no Google Playtime 2017 vai permitir, por exemplo, criar mais um canal de contato com os consumidores a partir de diálogos realizados através do Google Assistente, escritos ou falados, para oferecer maior acessibilidade e praticidade na realização de tarefas.

A plataforma usa avanços do Google em Machine Learning para a criação dos aplicativos, através do Dialogflow, e para oferta de funcionalidades que usem processamento de linguagem natural e, futuramente, o reconhecimento de imagens, já que o Google Lens será o próximo recurso a aportar no Google Assistente. Os usuários podem dizer explicitamente ao assistente que querem usar um determinado aplicativo. Ou dizer apenas que desejam realizar uma determinada tarefa, como chamar um carro para ir trabalhar. E aí o aplicativo precisa ser projetado com nossas melhores práticas em mente para melhorar as chances de que seja descoberto.

Ou usuário fala com o Assistente e solicita uma ação, como "Quero chamar o Uber". O Google Assistente encontra o aplicativo do Uber e faz a ativação. A partir daí, o aplicativo desenvolvido pelo Uber para a assume a conversa e exibe uma mensagem de boas-vindas, iniciando o diálogo com o usuário. Durante a conversa, o assistente pode usar outros recursos do Google para reunir as informações necessárias para que o aplicativo desenvolvido pela Uber cumpra as tarefas solicitadas a ele.

O Google recomenda aos desenvolvedores que não fiquem presos às funcionalidades e, principalmente, aos códigos dos aplicativos móveis existentes, tentando e "convertê-lo em uma conversa". A conversa traz consigo velocidade e simplicidade que as tornam excessivamente complicadas quando se baseiam em outro modo de interação.

O ideal é criar um roteiro baseado em diálogos reais, focado em ações rápidas, mas convincentes, que dêem aos usuários um grande benefício, gastando muito pouco tempo. Por exemplo, encomendar comida, avisar um atraso de 30 minutos, pedir um táxi e por aí vai...   Ações convenientes podem envolver a busca por determinado dado, fazer cálculos rápidos, pedir informações, solicitar uma receita, ou qualquer coisa que evite interromper alguma outra tarefa, como estar dirigindo.

Nos Estados Unidos, empresas como o próprio Uber, a Disney e a Dominos já estão utilizando a plataforma Actions on Google. O Mercado Livre também, para os países em que oferece o inglês como opção para interação com os usuários. A expectativa é de que repita a experiência com o português.

disney

 



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui