Recursos/White Papers

Tecnologia

Oito dicas para usar o WiFi público com segurança

Nunca é demais reforçar regras básicas de segurança, pouco praticadas por todos nós

Da Redação

Publicada em 15 de maio de 2017 às 19h13

É muito comum encontrar redes sem fio para conexão gratuita à internet em shoppings, restaurantes, aeroportos, praças e outros estabelecimentos. O uso inocente por parte dos usuários, entretanto, pode acabar mal. É por meio dessas redes sem senha que crackers roubam informações pessoais, como dados bancários e fotos armazenadas no smartphone ou em serviços na nuvem.

É relativamente fácil capturar informações “sensíveis” trafegando na vasta maioria dos hotspots públicos, e obter endereços de e-mail, senhas e ler mensagens não criptografadas, e até se apossar de informações de login em sites populares.

As redes falsas também representam outro fator de risco. Normalmente, o usuário pensa que o estabelecimento utiliza o próprio nome na rede, mas alguns lugares não seguem essa regra ou até mesmo não oferecem WiFi gratuito. Nesse caso, os dados do usuário podem ser monitorados e interceptados.  

Técnicos da ADT apontam  algumas medidas que devem ser tomadas para evitar fraudes e roubo de dados nessas situações. 

wifitablet_520.jpg

Confira.

1 - Saiba escolher a rede: ao tentar se conectar a um WiFi, certifique-se de verificar a existência e o nome da rede com a equipe do local;

2 - Evite conectar-se a redes sem senha: uma rede com senha limita o acesso e também oferece criptografia aos usuários, dificultando a ação de cibercriminosos;

3 - Use uma VPN: ter uma rede privada virtual (VPN) é uma maneira de manter sua navegação protegida. A VPN criptografa o tráfego entre sua máquina e o servidor, dificultando uma fraude. Se você não possui uma VPN, pesquise e descubra qual é a melhor para suas necessidades;

4 - Verifique o uso de HTTPS: verifique o navegador de sites para certificar-se de que eles são seguros. Você também pode forçar seu navegador a utilizar HTTPS por meio de uma extensão. Certifique-se de que a conexão continue sendo criptografada durante toda a sessão. Alguns sites criptografam o login mas depois lhe redirecionam para uma sessão insegura, deixando-o vulnerável;

5 - Utilize uma solução de antivírus: uma solução de antivírus acrescenta mais uma barreira de segurança nos dados do usuário;

6 - Verifique seus aplicativos: Muitos aplicativos são atualizados diariamente. Certifique-se de que isso ocorra em uma rede confiável, em casa ou no trabalho;

7 - Use autenticação de dois fatores: habilite a autenticação de dois fatores para os serviços que usa, como Facebook e Gmail. Assim, mesmo se alguém acessar sua senha em uma rede pública, haverá uma camada adicional de proteção;

8 - Esqueça a rede: certifique-se de fazer o logoff de qualquer serviço que tenha acessado. A seguir, acione seu aparelho para esquecer a rede. Dessa forma, ele não se conectará à ela automaticamente.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui