Recursos/White Papers

Tecnologia

Microsoft leva personalização aos modelos pré-treinados de Inteligência Artificial

O objetivo é dar aos usuários a possibilidade de usar a tecnologia por trás do Custom Decision Service para fazer coisas que hoje a própria empresa já faz no Bing e no portal MSN.com

Da Redação, com IDG News Service

Publicada em 11 de maio de 2017 às 08h28

A Microsoft está reforçando em seus serviços de Inteligência Artificial na nuvem para clientes empresariais com uma gama de novas ofertas destinadas a ajudar as empresas a lidar com vídeo e problemas únicos não resolvidos por seus serviços cognitivos de prateleira.

Os serviços anunciados nesta quarta-feira, 10/5, incluem um recurso de vídeo no Indexer que forneça a clientes o subtítulo automatizado, a análise do sentimento, o reconhecimento facial feito sob encomenda, a detecção do objeto, o reconhecimento óptico de caracteres e a extração de palavras-chave que os vídeos fornecem. A ferramenta é baseada em serviços existentes, mas oferece aos clientes uma maneira mais fácil de processar grandes quantidades de vídeo para indexação e análise, em vez de exigir trabalho manual para isso.

Também é novo um serviço de reconhecimento de imagem personalizado que permite aos usuários usra ferramentas existentes da Microsoft para detectar objetos e ensiná-los a reconhecer outras coisas que não são geralmente aplicáveis. Por exemplo, os fabricantes poderiam usar o serviço para identificar diferentes tipos de peças que o serviço de reconhecimento de imagem da Microsoft não poderia reconhecer, de acordo com Irving Kwong, um dos principais gerentes de produto do grupo de inteligência artificial da empresa.

Outras novas ofertas nesse sentido incluem o Bing Custom Search Service, que permite que as empresas incorporem pesquisas na web em seus sites; o serviço Gesture projetado para ajudar as empresas a construírem ferramentas de reconhecimento de gestos; e o Custom Decision Service, que é projetado para automatizar opções entre diferentes conteúdos.

Todas estas novas funções destinam-se a ajudar os não-especialistas a utilizarem capacidades de Machine Learning para melhorar os seus negócios. Eles se baseiam em um conjunto de Serviços Cognitivos da Microsoft já existentes que incluem reconhecimento de imagem, compreensão da linguagem natural e outros recursos.

A ideia de ferramentas personalizáveis, mas fáceis de usar, para resolver problemas como o reconhecimento de imagens, não é uma novidade na indústria de tecnologia. A Salesforce tem sua própria oferta de reconhecimento de imagem, enquanto o Rekognition, da Amazon Web Services, é um serviço usado para fornecer poder à detecção de políticos em CSPAN.

O indexador de vídeo deve ajudar as organizações a entenderem mais facilmente o conteúdo dos vídeos que possuem. Quando os usuários carregam um arquivo, o serviço leva alguns minutos para processá-lo e, em seguida, fornecer informações como uma transcrição das imagens, rostos presentes, um gráfico de sentimento ao longo do vídeo e um conjunto de palavras-chave extraídas do conteúdo.

O recurso de reconhecimento facial é particularmente interessante, pois detecta automaticamente celebridades em particular (uma demonstração mostrou que ele automaticamente identifica o vice-presidente executivo da Microsoft, Scott Guthrie) e também lembrar pessoas definidas pelo usuário em vários vídeos. A imagem abaixo ilustra esse funcionamento.

MSinsights

Abra a imagem em uma nova janela para ampliar

Como o Indexer transcreve automaticamente o conteúdo de um vídeo, os usuários podem usá-lo para criar legendas traduzidas, com base nos recursos de tradução automática da Microsoft.

Já o serviço Bing Custom Search da Microsoft é exatamente o momento certo para as empresas. O Google anunciou que seu serviço de Pesquisa de sites não funcionará mais após 1º de abril do próximo ano, o que significa que as empresas que dependem dele devem estar procurando outras opções.

A Bing Custom Search permite que as empresas criem mecanismos de busca em domínios específicos que não carregam a marca Microsoft e que podem ser incorporados em seus sites. É uma iniciativa da empresa para levar o que aprendeu ao executar um enorme mecanismo de busca público e aplicá-lo à empresa.

O Custom Decision Service é um pouco difícil de explicar. Ele é projetado para ter em um conjunto de escolhas e atender os usuários com aquilo que pensa que funcionará melhor, com base em uma técnica chamada reforço aprendizagem, projetada para ensinar máquinas como otimizar  determinados comportamentos.

A Microsoft usa a tecnologia por trás do Custom Decision Service para fazer coisas como determinar quais anúncios exibir no Bing e qual conteúdo exibir no MSN.com. Os usuários poderão fazer o mesmo.

Todos esses recursos foram demonstrados durante a conferência de desenvolvedores Build da Microsoft, que está acontecendo em Seattle esta semana.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui