Recursos/White Papers

Tecnologia

Segurança cibernética é a maior razão para adoção de Inteligência Artificial

Quase sete em 10 empresas (68%) participantes de estudo da TCS usam IA hoje para detectar e prevenir potenciais ataques e ameaças à segurança dos sistemas

Da Redação

Publicada em 26 de abril de 2017 às 18h54

Mais da metade das empresas (68%) participantes do estudo “Getting Smarter by the Day: How AI is Elevating the Performance of Global Companies” , da Tata Consultancy Services, fazem uso da Inteligência Artificial para detectar e prevenir potenciais ataques e ameaças à segurança dos sistemas. 

A pesquisa entrevistou 835 executivos, de 13 setores da indústria (automotivo, bancário e financeiro, de energia, saúde, ciências biológicas, manufatura e varejo), em países, incluindo o Brasil e apontou os fatores mais importantes para a aceitação generalizada da IA, além dos benefícios para os negócios. 

De acordo com os resultados, 84% das empresas consideram o uso da IA "essencial" para a competitividade, com mais 50% vendo a tecnologia como "transformadora".

Considerando empresas globais com receita média de US$ 20 bilhões, o estudo revelou que a IA está se espalhando por quase todas as áreas das empresas. Os que mais adotam a IA hoje são, como já se esperava, os departamentos de TI, com dois terços (67%) dos entrevistados usando IA para detectar intrusões de segurança, problemas de usuário e automação.

No entanto, quase um terço (32%) das empresas acredita que o maior impacto da IA até 2020 será em vendas, marketing ou atendimento ao cliente, enquanto um em cada cinco (20%) prevê que o maior impacto da IA será em funções corporativas não relacionadas diretamente a clientes, a exemplo de finanças, planejamento estratégico, desenvolvimento empresarial e Recursos Humanos.

O aspecto multisetorial  dos participantes destacou o impacto da IA no local de trabalho como uma importante força complementar para os próximos anos. Alguns exemplos vêm do uso da IA para orientar representantes de atendimento ao cliente a resolver problemas mais rapidamente e antecipar futuras compras, reconciliar com agilidade e precisão transações em massa durante a noite para instituições financeiras, ou liberar tempo dos profissionais de RH ao administrar os longos processos de ambientação de novos contratados.

Quanto ao debate em curso sobre o impacto da IA nos empregos, os executivos entrevistados estimam uma redução líquida entre 4% e 7%. em cada função até 2020. No entanto, as empresas com os maiores ganhos de receita e eficiência de custo gerados pela IA veem uma demanda três vezes maior por novos postos de trabalho em cada função até 2020 justamente por conta da tecnologia. Segundo eles, a Inteligência Artificial já está sendo usada para automatizar determinados processos e impulsionar a eficiência, ajudar funcionários a serem mais produtivos, dedicar mais tempo a funções de negócios mais estratégicas e criar novos trabalhos e serviços que não eram possíveis no passado.

ai

Investimentos em alta
O estudo aponta ainda que
os investimentos financeiros na tecnologia devem crescer. Em 2016, 7% das empresas destinaram cerca de 250 milhões de dólares cada uma para IA, e 2% já planejam investir mais de US$ 1 bilhão até 2020 – provavelmente buscando conquistar uma vantagem competitiva por conta do pioneirismo no uso da tecnologia

O Estudo Global de Tendências revelou uma clara correlação entre investimentos em IA e impacto nos negócios. As empresas que conquistaram os maiores ganhos de receita e redução de custo relacionados com IA, investiram cinco vezes mais na tecnologia do que as empresas com menores ganhos de receita e redução de custo associados à IA. 

Os líderes geraram um aumento médio da receita de 16% a partir de iniciativas de IA em 2015 versus 2014, enquanto os retardatários viram um modesto crescimento na receita de 5%. Regionalmente, as empresas norte-americanas foram as principais investidoras em IA em 2015, com um valor médio por empresa de US$ 80 milhões, seguidas pelas europeias com US$ 73 milhões, as empresas da região Ásia-Pacífico com US$ 55 milhões e as da América Latina com US$ 51 milhões.

O estudo foi concluído em junho de 2016. Para obter mais informações ou para fazer o download do estudo, acesse http://sites.tcs.com/artificial-intelligence.

 


Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui