Recursos/White Papers

Tecnologia

Vale reler >> Blockchain versus Uber e Airbnb: Quem leva a melhor?

Plataformas centralizadas que têm como modelo de negócio intermediar uma transação de valor estão agora em risco potencial de sofrer disrupção porque o mesmo serviço pode ser fornecido por interações peer-to-peer

Cezar Taurion *

Publicada em 06 de abril de 2017 às 08h15

Um tema que sistemáticamente abordo com entusiasmo, pelo seu potencial transformador, é Blockchain. Ano passado escrevi vários posts a respeito, como aqui e aqui. Este ano, logo no início de janeiro, publiquei mais um post.

Volto ao tema, por estarmos diante de uma tecnologia que ainda está no estágio de experimentações. Muitos executivos não perceberam seu potencial disruptivo. Vamos, então, fazer um exercício de pensar disruptivo.

Primeiro, não olhemos a tecnologia isoladamente, mas observemos que as disrupções surgem na convergência de diversas tecnologias. A convergência de suas forças disruptivas é o que criará valor real e impulsionará inovações. E muitas vezes podem ser tecnologias e modelos de negócio que, à primeira vista, não têm nada em comum.

Por exemplo, que tal juntar a tecnologia Blockchain e a economia do compartilhamento? Reunindo essas duas forças podemos, potencialmente, criar uma ruptura nos negócios de empresas inovadoras e bilionárias como Uber e Airbnb. O sucesso dessas empresas, que são plataformas de intermediação, é devido à sua capacidade de agregar o uso dos ativos das pessoas, como locais de hospedagem e automóveis com potenciais usuários. Na prática, essas empresas criaram plataformas digitais que aproveitam o "excesso de capacidade" e utilizam os ativos e horas disponíveis de outras pessoas para fornecer os serviços. Esse mesmo conceito se aplica às outras empresas que “uberizam” diversos setores de indústria.

Mas, se incluirmos Blockchain no processo? Com Blockchain podemos, em princípio, contornar a plataforma intermediária e permitir a colaboração direta peer-to-peer dentro de uma estrutura de governança distribuída. Com Blockchain, os fornecedores e consumidores de serviços compartilham um ledger (livro de registros) digital descentralizado, sem a necessidade de uma plataforma agregadora centralizada. Ou seja, sem necessidade de um Uber ou Airbnb!

Como o valor real do Blockchain é estabelecer interações baseadas na confiança, o impacto pode ser profundo: uma plataforma centralizada que tem como modelo de negócio ser o intermediário em uma transação de valor está agora em risco potencial de sofrer disrupção porque o mesmo serviço pode ser fornecido por interações peer-to-peer.

O Blockchain oferece aos provedores de serviços um meio de colaboração direta, permitindo obter uma maior participação do valor dos serviços que eles prestam, sem as taxas que as plataformas agregadoras exigem de seus associados. Agentes inteligentes em um Blockchain poderiam fazer praticamente quase todos os serviços que são atualmente fornecidos pelas plataformas.

O protocolo de confiança do Blockchain permite que associações autônomas e independentes sejam formadas e controladas pelas mesmas pessoas que estão criando o valor. Todas as receitas dos serviços prestados, menos despesas gerais como campanhas de marketing e serviços jurídicos e administrativos, iriam para os próprios membros, que também controlariam a plataforma e tomariam suas próprias decisões. A confiança não será então gerada pela plataforma agregadora, mas sim através de consenso criptografado, essência do Blockchain.

No início do ano passado, foi anunciada uma plataforma experimental neste modelo, o Arcade City.  Esse artigo, “Arcade City: Decentralized, Blockchain-Based Answer to Uber” dá uma boa ideia de sua proposta. Entretanto, já aparecem análises mostrando que a iniciativa provavelmente não dará certo. Vejam “Why Austin’s ‘Anti-Uber’ start-up is probably doomed”.

Sim, talvez a empresa não decole, mas o conceito foi discutido e eventualmente poderá dar certo algum dia. Abriu-se uma nova janela para o uso de Blockchain.

arcade

Mas, vamos olhar outras aplicações potenciais.  Por exemplo, que tal juntarmos energia e Blockchain? Uma startup em Perth, na Austrália, a Powerledger, está testando uma solução peer-to-peer que permitirá às pessoas oferecer seu excesso de energia, gerada através de seus painéis solares, via Blockchain. A proposta é conectar diretamente os fornecedores com os consumidores, sem a necessidade de intermediação pela empresa de energia.

Uma leitura no artigo “Banking Is Only The Start: 20 Big Industries Where Blockchain Could Be Used” mostra o potencial de uso da tecnologia em diversos setores de indústria, muitos deles à primeira vista inimagináveis, como cybersecurity, registros acadêmicos, leasing de automóveis, registro de imóveis, programas de fidelização, e cadeia logística, no rastreio de produtos.

Sim, são todas experimentações, mas a tecnologia de Blockchain e o ecossistema em torno dela estão evoluindo rapidamente. Alguns setores, como o financeiro estão bastante ativos e com isso fortalecem o ecossistema. Recomendo a leitura do relatório do Fórum Econômico Mundial, “The future of financial infrastructure:An ambitious look at how Blockchain can reshape financial services” para uma melhor compreensão do impacto de blockchain nos serviços financeiros e como isso deve reverberar na consolidação da tecnologia em outros setores.

Hoje ainda temos mais perguntas do que respostas.

Como estabelecer um sistema de governança transparente para garantir a longevidade dos blocos de um blockchain?

E quanto à segurança, desempenho, custos e, mais importante, regulações necessárias?

Tal como acontece com outras tecnologias disruptivas, haverá vencedores e perdedores. A rede social MySpace morreu, mas o Facebook se consolidou.

Se a tecnologia  Blockchain evoluir com sucesso e conseguir um crescimento escalável, tem potencial de romper normas estabelecidas e transformar a sociedade e as empresas. Grandes quantidades de dados gerados pela sociedade hoje, mas que são controlados por plataformas centralizadoras, podem se tornar públicas e distribuídas.

Em um mundo impulsionado por Blockchain, cada um poderá, em tese, monetizar seus próprios dados, gerando maior valor.

É muito provável que a tecnologia Blockchain se torne uma tecnologia mainstream. O nível de interesse que a tecnologia vem demonstrando, mostra o seu potencial para permitir o desenvolvimento de aplicações que trarão novas abordagens para os atuais problemas de negócios. Na verdade, serão os desafios sociais, jurídicos e financeiros que essas mudanças irão provocar e não a tecnologia em si, que serão as principais barreiras a serem vencidas.

Creio que estejamos vivenciando o momento que o Gartner chama de Trough of Disillusionment, marcado por " experimentos e implementações que não decolam." Durante este ciclo, realmente muitos experimentos irão falhar e sair do mercado, mas aqueles que sobreviverem terão grande chance de sucesso. Assim, estamos exatamente onde devemos estar no ciclo de vida de uma tecnologia emergente e disruptiva, com alto potencial de impacto.

Em resumo: coloque Blockchain no seu radar.

Vamos nos encontrar no Blockchain Executive Meeting em abril e debater mais profundamente a tecnologia e suas aplicações!

 

 

(*) Cezar Taurion é head de Digital Transformation da Kick Corporate Ventures e autor de nove livros sobre Transformação Digital, Inovação, Open Source, Cloud Computing e Big Data

 



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui