Recursos/White Papers

Tecnologia

Qual é o verdadeiro significado de DevOps?

OK, Devops seria impossível sem ferramentas de automação, mas a chave é a mudança da cultura organizacional

Eric Knorr, Infoworld/EUA

Publicada em 16 de fevereiro de 2017 às 11h48

Se você ainda está intrigado sobre DevOps, permita-me fazer uma recomendação: Leia " The Devops Handbook ", de Gene Kim, Jez Humble, Patrick Debois e John Willis. É um livro cuidadosamente elaborado, preenchido com estudos de caso e ​​conselhos práticos destinados a ajudá-lo a aumentar a produtividade na aplicação do DevOps.

Apenas uma seção é dedicada ao que os autores chamam de "técnicas práticas para o fluxo" do desenvolvimento às operações, também conhecido como entrega contínua. As outras seções abordam a coleta e incorporação de feedbacks do monitoramento de aplicativos - e, mais importante, a construção de aprendizagem contínua e experimentação na cultura das empresas. Segurança e conformidade também são tópicos abordados pelos autores.

Isso reflete com precisão a amplitude da tendência DevOps. Como dizem os autores, "Devops transforma o trabalho de tecnologia, assim como Lean transformou para sempre o trabalho de fabricação na década de 1980 ...  Mas não é apenas um imperativo tecnológico. É um imperativo organizacional".  O motor da transformação digital. Pressuposto para produzir uma empresa moderna e ágil.

Devops nas trincheiras
Mas a maioria dos profissionais de TI quer mesmo é saber sobre detalhes da entrega contínua, porque é impossível alcançar ganhos de produtividade DevOps sem automação e workflows melhorados. Recentemente falei com Armon Dadgar, co-fundador da Hashicorp, famosa por seu software Vagrant para criação de ambientes de desenvolvimento portátil. Ele quebra DevOps em sete elementos essenciais: construir, testar, empacotar, fornecer, manter seguro, implantar e monitorar.

Ora, você necessitaria desses mesmos elementos no método waterfall (em cascata). Então, o que há de diferente no DevOps? Ele diz: "O objetivo do DevOps é paralelizar o máximo possível. Esses sete passos são necessários e suficientes, mas não precisam ser feitos seqüencialmente". No método em cascata, o pessoal de operações processa o provisionamento e a implantação; os profissionais de segurança bloqueiam o(s) ambiente(s) em que os aplicativos serão executados; e desenvolvedores se ocupam de construir, testar e empacotar os aplicativos.

Dadgar também diz que os desenvolvedores devem ser responsáveis ​​pelo monitoramento de aplicativos para cumprir um princípio-chave do DevOps - ou seja, os desenvolvedores devem manter a responsabilidade pelas aplicações em produção, em vez de delegar a tarefa aos profissionais de operações.

De acordo com Dadgar, um ponto crítico é o elemento de provisionamento. Especialmente em um mundo cada vez mais híbrido, onde é comum ter cinco provedores SaaS diferentes, outros de PaaS e IaaS híbrido. Como você provisionar e gerenciar essa complexidade, especialmente quando não há integração entre os fornecedores e seus produtos?

Para permitir um fluxo de trabalho paralelo neste novo mundo heterogêneo, Dadgar sugere a "desintermediação de todo o trabalho com software.A Hashicorp tem seu próprio conjunto de ferramentas para os sete elementos, mas eles são projetados para serem misturados e combinados com ferramentas que os clientes já podem ter.

Apesar de ter co-fundado a Hashicorp, Dadgar acredita que "DevOps é mais processo do que ferramenta. Acho que é isso que se perde no modo como está representado. Há uma fixação em ferramentas porque as ferramentas são fáceis, ao passo que é muito difícil mudar o processo organizacional. "

devopsp

A visão realista
Qualquer tendência popular de TI eventualmente torna-se ridícula. DevOps já foi ridicularizado por colocar um fardo pesado para os desenvolvedores, por criar expectativas irrealistas sobre dev e ops finalmente se dando bem, e assim por diante.

Quando você começa, percebe claramente que DevOps é mais filosofia do que metodologia. Seu sucesso depende da cultura organizacional e as pessoas envolvidas mais do que das ferramentas ou receitas usadas passo a passo. Uma passagem particularmente reveladora do "The Devops Handbook" coloca assim:

"Temos um segredo sujo para revelar. Em muitos dos nossos estudos de caso, após a realização dos resultados apresentados, muitos dos agentes de mudança foram promovidos - mas, em alguns casos, houve uma mudança posterior na liderança que resultou em muitas das pessoas envolvidas deixando a empresa, acompanhado os processos de mudanças organizacionais ajudaram a criar".

Tal é a natureza da TI e das organizações em geral. Quando DevOps é feito certo os benefícios podem ser fenomenais. Mas é preciso liderança e uma vontade de assumir riscos e agitar as coisas - e um compromisso sustentado para que essas mudanças persistam.

Como Gene Kim notou na última Conferência de Negócios da DevOs, em novembro, existem cerca de 8 milhões de desenvolvedores e 8 milhões de pessoas no planeta - e, na melhor das hipóteses, 2% a 5% dessa população pode estar usando princípios e práticas de DevOps. Para Kim, dado o enorme potencial de produtividade, isso soa como trilhões de dólares perdidos. Ele pode estar certo.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui