Recursos/White Papers

Tecnologia

Cibersegurança: Por que minha sandbox não tem sido efetiva?

À medida que as configurações desta tecnologia se tornam mais modernas, os hackers também vêm inovando em ameaças cada vez mais direcionadas. O que fazer?

Joelson Soares *

Publicada em 16 de fevereiro de 2017 às 18h43

Diante do cenário imprevisível de ciberameaças e ataques direcionados, as empresas – de todos os tamanhos - buscam novas formas de se proteger contra vulnerabilidades zero day e brechas decorrentes da ausência de patches virtuais.

Usuários e gestores de TI muitas vezes apostam em antivírus e antispywares e se esquecem de uma ferramenta que pode ser bastante eficiente para mitigar o risco de ameaças iminentes: a tecnologia sandbox.Geralmente desenvolvida para simular o ambiente real de uma empresa, a sandbox cria armadilhas que permitem que o malware execute as ações maliciosas em um ambiente totalmente apartado da rede da empresa e seja bloqueado antes de atingir a máquina do indivíduo.

No entanto, à medida que as configurações desta tecnologia se tornam mais modernas, os hackers também vêm inovando em ameaças cada vez mais direcionadas.

As vantagens da Sandbox customizada
A importância da customização da sandbox se mostra, então, cada vez mais necessária. A maioria das empresas não contam com ferramentas de visibilidade de rede e, por isso, não têm a percepção desde a primeira fase de um ataque. Com isso, aspectos importantes como a correlação com a movimentação lateral do atacante após execução da ameaça e comunicação com servidor de C&C (comando e controle) ficam perdidos.

Com uma sandbox genérica muitas vezes os usuários são também prejudicados pelo chamado falso negativo: um arquivo de origem maliciosa pode transpor barreiras de proteção por meio de técnicas anti-sandbox desenvolvidas pelos hackers e ser avaliado como arquivo limpo.

Aguardar por cliques aleatórios do mouse ou por um acesso a determinado banco, são algumas das artimanhas usadas pelos atacantes para enganar o sistema e implantar o malware.

sandboxseguranca

As smart sandboxes – ou sandboxes totalmente customizadas – têm a capacidade de identificar rotinas e técnicas de evasão emulando a utilização mais próxima possível de um usuário em uma máquina, fazendo com que o malware seja completamente executado e mais facilmente detectado.

Em um caso recente, a Trend Micro detectou um ataque que envolvia uma instituição financeira: o malware era executado somente se o Windows fosse em português e se o domínio fosse o mesmo da empresa.  Com a adoção da smart sandbox, foi possível a customização total das checagens de domínio, licença do sistema operacional, idioma, aplicativos internos instalados, arquivos e pastas para que enganassem completamente a ameaça usada no ataque. Caso a empresa estivesse usando uma sandbox genérica, a ameaça não seria detectada e bloqueada, e consequentemente, chegaria ao usuário.

A visibilidade total da ameaça colabora não só com a redução de custos operacionais, como também a eficiência geral da equipe. Empresas que se atualizam e estão à frente das ameaças têm um investimento a longo prazo. A sua empresa ainda não implementou a smart sandbox? A hora é agora.

  

(*) Joelson Soares é analista de segurança e ameaças da Trend Micro



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui