Recursos/White Papers

Tecnologia

Cinco tecnologias corporativas que podem abalar 2017

Editores das publicações do grupo IDG nos Estados Unidos apontam o que deve concentrar os esforços dos CIOs este ano

Da Redação, com NetworkWorld

Publicada em 02 de janeiro de 2017 às 10h15


A Internet das Coisas vai preocupar, de verdade
Sim, sim, sabemos - é uma daquelas piadas da indústria de tecnologia de longa data, como "o ano do Linux desktop" e "ou do Java deguro". Mas 2017 realmente pode vir a ser o ano em que todo o hype em torna do Internet das Coisas mostre realmente ao que veio.

O conceito básico de dispositivos conectados não é nada de novo. No entanto, os usos para os quais a tecnologia está sendo aplicada - carros inteligentes, casas inteligentes e gerenciamento industrial simplificado - são potencialmente inovadores no sentido "o futuro está aqui".

O principal problema é a segurança, como tem sido desde que as pessoas começaram a pensar em IoT como um conceito. Não há muitos padrões comumente aceitos para dispositivos IoT - embora não haja falta de candidatos - e os fornecedores não parecem trabalhar tão duro para tornar dispositivos conectados seguros como fazem em pontos mais tradicionais da extremidade da rede, como laptops e smartphones.

Isso tem grandes implicações para a segurança. Mesmo que um dispositivo de Internet das Coisas hackeado não represente uma grande ameaça por conta própria, sua incorporação em uma grande botnet _ que é exatamente o que os atacantes por trás da botnet Mirai têm feito ultimamente _ é suficiente para torná-lo parte de em um exército de zumbis capaz de atacar provedor de serviços de registro de domínio, como a Dyn e tirar muitos serviços do ar de uma só vez.

É um grande desafio, de acordo com o analista e colaborador da Network World, Zeus Kerravala.

"A segurança da Internet das Coisas requer controles reforçados de acesso à rede, incluindo controle e visibilidade de aplicativos em tempo real, métodos de autenticação segura suportados pelo dispositivos IoT, como o PPSK, aplicação de políticas de dispositivos granulares e ferramentas de monitoramento e relatórios centralizados", diz ele.

A Forrester Research acredita que mais de meio milhão de dispositivos IoT serão comprometidos em 2017, o que sublinha a extrema importância da segurança. De uma forma ou de outra, o IoT vai abalar a computação em 2017 - seja como um suporte fundamental de uma série de novas tecnologias, ou o local para os mais devastadores ciberataques.

Por Jon Gold


As Realidades Aumentada e Virtual vão decolar
Quando o iPad foi lançado em 2010, pouca gente imaginou que os veria sendo usado nas empresas. Agora, iPads e tablets estão em toda parte. Seu uso corporativo explodiu.

Prepare-se para o mesmo acontecer com a Realidade Virtual (RV) e a Realidade Aumentada (RA) - com tablets e smartphones como veículos. De acordo com a IDC, 25%  dos departamentos de TI estarão testando aplicativos de Realidade Aumentada para uso em smartphones até o final de 2017.

"Isso pode soar relativamente agressivo, mas as conversas que estou tendo com a indústria e algumas pesquisas que temos realizado falando com os decisores de TI mostram que há um interesse muito forte em torno da Realidade Aumentada", disse Tom Mainelli, vice-presidente do programa de dispositivos RA/RV da IDC.

Por enquanto o hardware usado será como o Microsoft HoloLens, disse ele. Mas muitas empresas vão começar a criar aplicativos e processos back-end para dispositivos que os consumidores e as empresas já possuem.

O Pokémon Go deu-nos um sabor do que a a Realidade Virtual é capaz, e nós vimos os varejistas como Walgreens e Toys R Us utilizando a tecnologia através de um aplicativo chamado Aisle411 que orienta os clientes a localizarem produtos na loja.

Walgreens

Walgreens1

Walgreens2

telaWalgreens

A North Face oferece vídeos de 360 ​​graus de experiências ao ar livre usando Oculus Rift em que os atores vestem roupas North Face. A Audi tem uma experiência virtual que permite que você faça um teste e experimente características de seus carros. E a Ashley Furniture terá, em breve, um aplicativo RA que ajudará os compradores a ver como os móveis de casa se encaixam em um espaço existente.

Augmentedreality

À medida que a tecnologia de smartphones melhora, veremos experiências de RA muito melhores, disse Mainelli. O primeiro produto a trabalhar em direção a esse cenário é o Lenovo Phab 2 Pro, baseado na tecnologia Tango, do Google. Ele usa três câmeras e vários sensores para ver onde está o objeto, capturar uma ampla gama de medidas e, a partir daí, criar uma experiência melhorada de Realidade Aumenta.

Outras previsões RA e RV da IDC:

- Em 2017, os gastos do setor de varejo em hardware, software e serviços de RA e RV aumentarão em 145% para mais de US $ 1 bilhão.

- Três em cada 10 empresas Fortune 5000 voltadas para o consumidor experimentarão RA ou RV como parte de seus esforços de marketing em 2017.

- Até 2019, 10% de todas as reuniões baseadas na web incluirão um componente de RA que conduzirá à disrupção do mercado de Web conferências, movimentando US $ 3 bilhões.

"Realmente acredito que a Realidade Aumentada vai ter o mesmo tipo de impacto sobre as empresas que o PC teve anos atrás", disse Mainelli. "E uma vez que os desenvolvedores comecem a descobrir o que podem fazer com essa tecnologia, o negócio vai mudar consideravelmente. ... Eventualmente vamos acabar em um lugar onde a RA será realmente a nova interface com dispositivos, conteúdo digital, objetos físicos e dados.

Por Michelle Davidson


Proteção Tiple-A
2017 será mais um ano maldito e assustador para os profissionais de segurança de TI. Basta dar uma olhada em algumas avaliações recentes do Gartner sobre a situação de segurança:

- Até 2020, 60% das empresas digitais sofrerão grandes falhas de serviço, devido à incapacidade das equipes de segurança de TI para gerenciar o risco digital.

- Até 2020, 60% dos orçamentos de segurança da informação das empresas serão alocados para abordagens rápidas de detecção e resposta.

- Até 2018, 25% do tráfego corporativo de dados fluirá diretamente dos dispositivos móveis para a nuvem, ignorando os controles de segurança da empresa.

- Até 2018, mais de 50% dos fabricantes de dispositivos IoT não serão capazes de resolver ameaças devido a práticas de autenticação fraca.

Então, quais as tecnologias que vão mudar esse cenário a favor da TI? A nova segurança AAA para a rede - automation, analytics and artificial intelligence - dizem os defensores.

Quando se trata de automação, as plataformas de segurança irão criar e executar controles baseados em novas ameaças detectadas e fazê-lo sem intervenção humana. Isso reduzirá o tempo entre a detecção da ameaça e ela ser neutralizada - reduzindo a janela durante a qual os atacantes podem causar danos.

Os motores de análise de segurança digerem dados de equipamentos de rede e de terminais em busca de anomalias que indiquem ameaças. Ao definir uma linha base para o normal, esses motores apontam comportamentos foram do comum e avaliam se eles representam atividade maliciosa.

Ao incorporar a IA e a aprendizagem de máquinas, esta tecnologia irá expandir a sua capacidade de detectar anomalias não só no tráfego de rede, mas no comportamento de máquinas individuais, usuários e combinações de usuários em máquinas específicas.

À medida que essas plataformas se tornem mais sofisticadas e confiáveis ​​em 2017, elas serão capazes de detectar ataques em estágios anteriores e detê-los antes de se tornarem violações ativas.

E os grandes fornecedores estão todos envolvidos em fazer isso acontecer: a Cisco com a sua plataforma Tetration Analytics, a IBM com o uso da computação cognitiva para a cibersegurança, o Google com o DeepMind... E por aí vai.

O produto Tetration Analytics da Cisco é um pacote turnkey que reúne informações de sensores de hardware e software e analisa as informações usando dados analíticos e aprendizado de máquinas. No domínio da segurança, o sistema estabelece uma linha base para o comportamento normal da rede e da aplicação e identifica rapidamente qualquer desvio nos padrões de comunicação em tempo real ou utiliza o motor de busca forense da Tetration para procurar outras análises de segurança ou de comportamento dos usuários.

"As coisas mais importantes que os clientes podem fazer para proteger o centro de dados é configurar uma lista branca de quem tem acesso ao que, mas é uma das tarefas mais difíceis de implementar", disse Tom Edsall, vice-presidente sênior e CTO da Cisco. "A plataforma Tetration permite aos usuários configurar um modelo e políticas de lista branca de forma mais rápida e eficiente do que eles poderiam antes." Esta capacidade irá abordar os principais desafios de cibersegurança e avançar em direção ao "autodirecionamento do data center " do futuro, disse ele.

A Cisco promete que muitas novas aplicações relacionadas à segurança serão colocadas em camadas na Tetration.

Depois, temos o supercomputador Watson, da IBM, que está sendo lançado em redes corporativas para analisar o tráfego em busca de malware, mas também aprender ao mesmo tempo através de suas próprias experiências e de dados extraídos white papers sobre segurança e notícias sobre cybercrimes. Assim, com o tempo o Watson desenvolverá novas estratégias para encontrar ataques à medida que cmeçam a ocorrer. O Projeto Watson for Cybersecurity está em beta agora e, provavelmente, em algum momento em 2017, se tornará um serviço de segurança cibernética.

"Cyber-ataques evoluem em uma abordagem gradual. A detecção ocorre normalmente nas fases posteriores ao ataque, e a análise muitas vezes ocorre post-mortem para investigar e descobrir indicadores de fases anteriores. Observações de fases anteriores ao ataque, como reconhecimento do alvo, planejamento e entrega, podem permitir que o aviso de eventos cibernéticos significativos ocorram antes de suas fases mais prejudiciais ", escreveu a IARPA (Intelligence Advanced Research Projects Activity) ao anunciar o seu programa Cyberattack Automated Unconventional Sensor Environment (CAUSE).

"Espera-se que a tecnologia desenvolvida no âmbito do programa CAUSE não tenha" humanos no circuito ". Os especialistas podem ajudar a desenvolver, treinar e aprimorar os sistemas, mas não gerarão avisos manualmente. Apenas orientarão o sistema a fazê-lo e  filtrarão os avisos antes de serem entregues à Equipe [IARPA].

Por Michael Cooney


Tendências para Blockchain
Não há escassez de hype em torno do potencial do Blockchain para revolucionar transações. Em 2017, algumas empresas vão incluir Blockchain em suas campanhas publicitárias a medida que começam a explorar sua capacidade para reduzir os custos de transação, simplificar interações entre parceiros e acelerar os processos de negócios .

Livros serão distribuídos louvando a capacidade da tecnologia para estabelecer a confiança no mundo digital por meio de transações verificáveis, sem a necessidade de um intermediário.  No mundo financeiro, o Blockchain começará a ser aplicado aos processos como as instituições financeiras realizam pagamentos e transferências eletrônicas, processam transações de valores mobiliários e tratam de relatórios de conformidade, para citar apenas alguns casos de uso.

Fora das finanças, os observadores da indústria citam oportunidades para que Blockchain possa desempenhar um papel nas funções centrais do negócio, desde a cadeia de suprimentos e manufatura até os serviços jurídicos e de saúde. Quando há uma trilha de auditoria exigida - para rastrear  a procedência de produtos, por exemplo, ou para documentar um título imobiliário - as redes Blockchain podem ser usadas para criar registros verificáveis ​​e invioláveis ​​em um formato criptografado, sem a necessidade de envolvimento de uma autoridade central.

Empresariais líderes de TI "não são muito interessado em, redes públicas anônimas seguros como bitcoin, mas em redes fechadas que estão entre os grupos específicos de pessoas, sobretudo entre as empresas que têm de interagir", diz Roger Kay, fundador e presidente da empresa de inteligência de mercado Endpoint Technologies Associates .

Os primeiros adeptos lançaram centenas de projetos-piloto, mas ainda há um longo caminho a percorrer antes que Blockchain possa ter seu uso considerado mainstream. Entre os obstáculos enfrentados pela implantação de cadeias de blocos estão os desafios técnicos, a falta de padrões e modelos de governança, a escassez de habilidades e preocupações com escalabilidade.

No início de 2017, os fornecedores continuarão a desenvolver aplicações distribuídas e plataformas baseadas na tecnologia blockchain, e as empresas de capital de risco continuarão a investir dinheiro. Mais de US $ 1,4 bilhões foram investidos em tecnologia Blockchain ao longo dos últimos três anos, de acordo com um relatório emitido em agosto pleo Fórum Econômico Mundial (WEF). Mais de 90 corporações se uniram a consórcios de desenvolvimento de blocos e mais de 2.500 patentes foram arquivadas. O WEF prevê que em 2017, 80% dos bancos iniciarão projetos que envolvem a tecnologia.

Para as empresas interessadas em explorar o uso de Blockchain, o Gartner recomenda começar com ensaios de escopo limitado visando a resolução de problemas específicos. As empresas podem começar a investigar como as redes distribuídas podem melhorar os processos de negócios que são limitados pela ineficiência de transações e como os fornecedores de tecnologia podem ser capazes de ajudar.

Por Ann Bednarz


Aprendizagem de Máquina - a promessa de prever o futuro
Historicamente, o desafio para as organizações que querem usar a aprendizagem de máquina e tecnologias de computação cognitiva tem sido a exigência da contratação de cientistas de dados especializados em lidar com algoritmos de inteligência artificial.

Mas, graças à proliferação de plataformas públicas de computação em nuvem, isso está mudando. Empresas como Amazon Web Services, Google, Microsoft e IBM desenvolveram plataformas de aprendizado de máquinas baseadas na nuvem capazes de colocar nas mãos dos usuários finais boa parte dos benefícios prometidos pela tecnologia.

Em seu nível mais básico, a aprendizagem de máquina é o processo de usar dados para fazer previsões de comportamento futuro. Mais comumente, tem sido usada na proteção contra fraudes (treinamento de computadores para detectar comportamento anômalo) e programas para prever as receitas futuras e churn do cliente. A IBM tem treinado sua plataforma Watson para criar chatbots sofisticados para interação com o cliente e para ajudar os trabalhadores da saúde a prestam um melhor atendimento.

Estudo recente da consultoria Deloitte relatou que apenas 8% das empresas usam tecnologia de aprendizado de máquinas hoje. A Allied Market Research prevê que a indústria está crescendo a uma taxa composta de 33% ao anoe chegará a US $ 13,7 bilhões até 2020.

"A prática de empregar algoritmos para analisar dados, aprender com ele e, em seguida, fazer uma determinação ... está aumentando", relata o pesquisador  Krishna Roy. A adoção de plataformas como os assitentes da Amazin, do google e da Apple semearam este mercado, mas a adoção da empresa foi travada por falta de pessoal qualificado e integração desses sistemas com as plataformas corporativas existentes. Está chegando o dia, porém, no qual essa tecnologia se tornará uma "parte fundamental do tecido analítico de uma empresa.

Por Brandon Butler



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui