Recursos/White Papers

Tecnologia

O IPv6 afeta a TI da sua empresa?

Se ela não fica em um castelo completamente isolado em alguma ilha por aí, você pode ter certeza que sim

Antonio M. Moreiras *

Publicada em 29 de julho de 2014 às 17h25

O IPv6 afeta a TI da sua empresa?

Atualmente, a tecnologia é uma ferramenta fundamental de apoio aos negócios. As empresas usam os computadores e a Internet para relacionar-se com seus clientes e fornecedores, como parte de seus processos de criação e produção. Além disso, é importante lembrar que as redes de dados corporativas usam a mesma tecnologia básica da Internet: o protocolo TCP/IP.

Então: a resposta é sim. Se sua empresa não fica em um castelo completamente isolado em alguma ilha por aí, você pode ter certeza que, em alguma medida, a mudança na Internet afeta sua área de TI. E se vocês ainda não estão tratando essa questão, deveriam.

Alguns especialistas chegam a comparar a situação ao Bug do Milênio. Não tenho certeza se é uma comparação justa ou apropriada. Mas, no mínimo, serve para dar uma ideia da dimensão da questão.

Quais são os riscos para sua empresa, se vocês não fizerem nada?

  1. Entenda que a Internet está migrando para o IPv6. Essa migração por enquanto está lenta, é verdade. Não há, entretanto, outro caminho no médio e longo prazo. Se sua empresa não acompanhar o movimento, ficará paulatinamente isolada. Da mesma forma que diferentes tecnologias de redes, como IPX/SPX, NetBIOS, NetBEUI, AppleTalk, etc, caíram em desuso e tudo convergiu para o IP, no passado, assim também o IPv4 cairá em desuso e tudo convergirá para o IPv6, dado o devido tempo.

  2. Os provedores, no curto prazo, compartilharão endereços IP (versão 4) entre diversos usuários, para uso simultâneo, usando uma espécie de NAT. Farão isso ao mesmo tempo em que oferecerão também uma conexão nativa IPv6 para o mesmo usuário. Você pode estar confortável com o uso do NAT em sua rede corporativa, mas usá-lo nos provedores é algo diferente. Quebra princípios básicos da Internet. Pode gerar problemas para os usuários. Se sua estrutura for legada, só usar IPv4, os usuários vão depender dos IPs compartilhados para acessar seu site. Eles podem percebê-lo como mais lento que os demais, ou nem conseguir acessá-lo, numa situação limite.

  3. Parte dos equipamentos que você usa em sua rede já suportam IPv6, incluindo computadores com Windows, Linux ou OS X, tablets, telefones móveis, roteadores e diversos outros. Isso, por si só, seria ótimo se você já estivesse implantando o protocolo. Mas se não está, saiba que muitos desses equipamentos vêm com IPv6 habilitado por padrão. Ou seja, pode haver pacotes IPv6 em sua rede já hoje, sem você saber. Isso tem implicações na segurança de sua infraestrutura. Por exemplo, computadores Windows fazem túneis automáticos, sem qualquer intervenção do usuário ou administrador de sistemas, para obter conectividade IPv6, em algumas situações. Esses túneis podem contornar as políticas de segurança implantadas no firewall corporativo.


Você não precisa sair correndo, trocando equipamentos e softwares para colocar o IPv6 para funcionar em cada canto de sua rede. Mas você também não pode simplesmente ignorar a questão.

Há providências que deveriam ser tomadas imediatamente, e outras que podem esperar.

Em meu próximo artigo, vou dar sugestões sobre como endereçar a transição para o IPv6 em uma empresa usuária de tecnologia, minimizando os riscos e gastando o mínimo possível.

 

(*) Antonio M. Moreiras é engenheiro e gerente da área de projetos do NIC.br. Coordena o IPv6.br, projeto que engloba uma série de iniciativas para a disseminação do protocolo no país



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui