Recursos/White Papers

Tecnologia

Cresce entre os líderes de TI o interesse por ERP no modelo SaaS

Para um número crescente de líderes de TI, a aposta em um negócio de ERP na nuvem não é mais tão absurda como chegou a parecer anos atrás.

Rich Freeman, CIO/EUA

Publicada em 22 de agosto de 2011 às 15h07

Há algo diferente no ar. Embora a maioria das empresas já usam soluções de SaaS há anos, era comum a recusa de levar para a nuvem seus sistemas de missão crítica e estratégicos para as áreas de negócios como o ERP. Agora, no entanto, as barreiras que mantinham muitos CIOs longe de soluções de ERP no modelo SaaS parecem cair, lenta, porém continuamente.

Os sistemas de ERP tradicionais ainda dominam amplamente o mercado. Atualmente, as soluções de ERP no modelo SaaS respondem por apenas 2% da receita do mercado global de ERP, de acordo com a Forrester Research. Ainda assim, a Forrester espera que os gastos em todo o mundo com ERP baseados na nuvem cresçam cerca de 21% ao ano até 2015, contra taxas abaixo de um dígito das soluções tradicionais. Animados por números como esses, fornecedores de ERP, como SAP, Oracle e Epicor, têm acelerado a oferta de produtos capazes de combater concorrentes como a NetSuite.

O impulso por trás d ERP no modelo SaaS é de fácil compreensão à luz dos benefícios que oferece. O principal deles é a capacidade de transformar a aquisição de software em uma despesa operacional mais gerenciável, em vez da obrigação imediata de desembolso de capital, quase sempre vultoso. "Isso é o que é tornado modelo SaaS tão atraente", diz Kevin Prouty, diretor de pesquisas para aplicações corporativas na empresa de análise Aberdeen Group. As empresas também apreciam a forma como os aplicativos de ERP on-demand ERP podem livrá-los dos custos de aquisição de hardware e suporte, acrescenta.

Além disso, o fato de não ter que lidar com instalações de hardware é encarado normalmente como a possibilidade de ter implementações mais rápidas e fáceis. Não ter que reforçar seu estoque de servidores, roteadores e outros equipamentos permite às empresas consolidar o ERP e deslocar o foco mais cedo para outros importantes projetos de TI. Em outras palavras, é possível fazer muito mais, muito mais rápido.

Empresas com operações globais, por sua vez, têm considerado cada vez mais as soluções de ERP no modelo SaaS como a melhor opção custo-benefício para filiais e outras instalações com equipe de TI limitadas. Por exemplo, enquanto Anritsu Company, fabricante de produtos de medição e testes de comunicação, tem usado uma solução ERP tradicional em sua sede em Morgan Hill, na Califórnia, sua subsidiária mexicana usa uma solução da QAD sob demanda, e seu escritório brasileiro, fará o mesmo. " O modelo on-demand só fazia sentido sob esse ponto de vista", observa Paul Mayer, diretor de sistemas de informação da Anritsu.

É claro que os decisores de TI estão mais familiarizados com os argumentos a favor do uso de sistemas ERP baseados em nuvem. A diferença agora é que os argumentos mais comuns contra o uso dessas soluções estão perdendo força diante das vantagens de muitas outras formas de software on-demand que têm se tornado mainstream.

Experiências como essa começam a aliviar a ansiedade dos CIOs sobre os perigos de segurança para armazenar dados confidenciais fora do firewall corporativo e transmiti-los através da Internet. "Tendo a pensar que essa preocupação é exagerada", diz Mayer. Poucas pessoas hesitam em fazer transações bancárias ou compras on-line hoje em dia, argumenta ele. Então por que se recusam a adotar uma aplicação de ERP? As organizações devem avaliar as práticas um potencial provedor de SaaS ERP de segurança com cuidado, mas não há nada inerentemente arriscado sobre o uso de seus produtos.

Prouty concorda. "A questão da segurança é mais uma questão de percepção do que um problema real", diz ele. Na verdade, os sistemas de ERP sob demanda são menos vulneráveis do que os tradicionais, em grande parte porque os fornecedores de SaaS entenderam o perigo que uma invasão poderia representar para sua sobrevivência, argumenta ele.

Preocupações com a dificuldade de personalização de soluções ERP no modelo SaaS também estão diminuindo. "Isso foi um problema há um ou dois anos", pondera Prouty. "Alguns dos mais recentes lançamentos de ERP no modelo SaaS que avaliamos permitem uma personalização significativa."

Implementações de SaaS integradas a outras aplicações ERP também têm crescido nos últimos anos, graças a disponibilidade de APIs por parte dos fornecedores.

A Mayor preocupação de Mayer quanto à adoção da solução ERP no modelo SaaS para as subsidiárias era o lento desempenho em conexões Web de longa distância. Medo que se mostrou infundado. Embora o data center mais próximo para os escritórios do México e do Brasil esteja localizado em Denver, Colorado, a equipe de TI eliminou os problemas de latência usando o software de aceleração Web da Citrix. "A velocidade de acesso é tão boa quanto o nosso sistema local aqui na Califórnia", diz ele.

Pesando as alternativas

Isso não significa que as soluções de ERP no modelo SaaS não tenha lá suas desvantagens. Por um lado, as empresas com software de ERP local geralmente têm mais controle sobre como e quando modificar o aplicativo, "posso pegar o telefone e solicitar uma alteração feita com bastante rapidez", observa Prouty. Eles também têm mais a dizer sobre upgrades. Embora os fornecedores de ERP no modelo SaaS poupem a maioria das empresas do trabalho pesado da implementação de atualizações, eles tendem a colocar limites sobre o tempo mínimo para atualizações de versões.

Além disso, observa Prouty, pagar por uma solução de ERP a partir do orçamento operacional tem suas desvantagens. Sim, você conservar capital no curto prazo, mas todas as taxas que você pode, eventualmente, precisar pagar, podem somar mais do que o preço de uma implantação. "Ao longo de um período de dez anos você provavelmente vai gastar mais dinheiro", diz Prouty. Além do mais, acrescenta, no final dessa década não terá participação acionária nas licenças que você está usando, porque você alugou o software em vez de comprá-lo.

Essa é a razão de algumas organizações preferirem soluções de Colocation, que permitem às empresas executarem o software de ERP tradicional na infraestrutura de propriedade e gerenciada por terceiros, em vez de soluções de ERP no modelo SaaS. Muitas vezes é um bom negócio para grandes empresas com necessidades complexas e bastante dinheiro na mão para cobrir os encargos iniciais de licenciamento impostos pelo fornecedor de ERP, diz Prouty.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui