Recursos/White Papers

Opinião

DaaS é nocivo. O que fazer?

A Desinformação como um serviço (DaaS) começou na política, com as fake news, mas já afeta o mundo dos negócios. É preciso estar preparado para sobreviver no mundo emergente do "tudo é falso"

Mike Elgan, Computerworld/EUA

Publicada em 24 de setembro de 2018 às 08h25

Há um ano o Facebook informava a descoberta, a partir de uma investigação interna, de 470 contas fraudulentas e páginas ligadas a uma "fazenda de trolls" russa que comprou 3.300 anúncios na rede social, por cerca de US$ 100 mil, durante a eleição presidencial nos EUA. Mais tarde, a rede social encontrou outros 2.200 anúncios, que custaram US$ 50 mil, e que pareciam ter sido originados nos EUA, com o idioma definido como russo. Esses anúncios alcançaram entre 23 milhões e 70 milhões de usuários do Facebook, de acordo com um relatório laborado pela rede social. 

Tudo isso só foi descoberto mais de um ano depois do primeiro anúncio ter sido publicado. Os anúncios se concentravam em ampliar as mensagens sociais e políticas que dividiram o espectro ideológico, segundo o Facebook.

O que é uma 'fazenda de trolls'?
A organização que gastou todo esse dinheiro e colocou todos esses anúncios é conhecida como Internet Research Agency. uma empresa sediada na Rússia que, segundo uma matéria de três anos atrás, publicada pelo The New York Times, "industrializou a arte do trolling". A empresa baseia sua receita no desempenho de trolls e até oferece aulas de gramática inglesa para que os cargos dos funcionários possam ser mais facilmente aceitos como provenientes dos americanos.

Após a eleição dos EUA, parece que a Internet Reasearch Agency mudou seu nome para Glavset e pode ter criado uma empresa-irmã chamada Federal News Agency, que publica 16 sites de notícias e emprega mais de 200 jornalistas e editores em tempo integral.

Perdido na conversa sobre essa "fábrica de trolls" e sua conexão com o Kremlin está o fato de ela ser uma empresa privada de propriedade do empresário e restaurateur Evgeny Prigozhin. Seu "produto" é, literalmente, a Desinformação como um Serviço (DaaS).

Outro relatório investigativo publicado pelo The New York Times, pesquisado com a ajuda da empresa de segurança cibernética FireEye, descobriu que bots, usuários ou organizações russas criaram centenas ou milhares de "americanos falsos" na forma de contas falsas. Esses americanos inexistentes tentaram influenciar a conversa online sobre a eleição. Muitas das contas falsas dispararam "mensagens idênticas em segundos - e na ordem alfabética exata de seus nomes inventados".

Bem-vindo ao mundo da 'propaganda computacional'
A propaganda computacional é o uso de automação, botnets, algoritmos, Big Data e Inteligência Artificial (IA) para influenciar a opinião pública via internet.

Campanhas de desinformação usando técnicas de propaganda computacional surgiram em todo o mundo em 2010, e supostamente se tornaram mainstream em 2016, durante a campanha presidencial dos EUA.

"O objetivo político geral da desinformação é confundir e desgastar totalmente a confiança na informação", segundo Kate Starbird, professora e pesquisadora da Universidade de Washington .

Os principais alvos, até agora, foram os governos e a mídia. A técnica usada pelos noticiários falsos é atacar consistentemente as agências de notícias reais como notícias falsas. O objetivo é levar o maior número possível de pessoas a levantar as mãos e concluir: "é tudo uma notícia falsa, nenhuma fonte é confiável". Essa confusão enfraquece o poder da imprensa de responsabilizar os políticos e também enfraquece a confiança do público em todas as instituições democráticas.

O termo "propaganda computacional" está intimamente associado ao Projeto de Propaganda Computacional da Universidade de Oxford.

O futuro das notícias falsas
As campanhas de desinformação aprimoradas por computador costumam ser bastante rudes, e o esforço para encobrir seus rastros é limitado. O futuro da desinformação provavelmente será muito mais sofisticado e mais difícil de combater.

A desinformação está rapidamente se tornando multimídia, por exemplo. Avanços em IA e CGI permitirão áudio e vídeo convincentes que podem fazer parecer que alguém está dizendo ou fazendo qualquer coisa.

Pesquisadores da Universidade de Washington usaram a Inteligência Artificial para criar um vídeo falso que mostra o ex-presidente Barack Obama dizendo coisas que ele nunca disse. E os pesquisadores de Stanford desenvolveram algo que eles chamam de Face2Face , que cria vídeo falsificado em tempo real. Então, basicamente qualquer um pode dizer qualquer coisa em um bate-papo por vídeo ao vivo.

Essas técnicas ainda não são perfeitas. Mas com o avanço tecnológico, serão. A Adobe , bem como uma startup canadense chamada Lyrebird , demonstraram vozes falsas e convincentes de pessoas famosas, que podem dizer qualquer coisa.

As técnicas da Stanford e da Adobe poderiam permitir a falsificação, em tempo real, de pessoas ao telefone ou por meio de bate-papo por vídeo. Essa poderia ser uma nova maneira de plantar notícias falsas na mídia real, enganando jornalistas reais com fontes impostoras. Mas também poderia ser usada para uma técnica de engenharia social chamada "fraude de CEO", em que uma pessoa importante e conhecida de uma empresa chama um subalterno e pede que ele faça alguma coisa - como transferir fundos para uma conta no exterior ou enviar documentos confidenciais para alguém .

Outro vislumbre do futuro da DaaS vieram da Cambridge Analytica , que foi usada para ajudar a eleger o presidente Trump. A empresa traçava perfis psicológicos de usuários de mídias sociais e, em seguida, veiculava anúncios personalizados que exploravam suas obsessões, medos e aspirações particulares. No futuro, todo anúncio político poderia ser único para cada eleitor e influenciar a opinião pública sob o radar e além do escrutínio.

DaaS

Prepare-se para a tecnologia Antidesinformação
A TI corporativa tem tudo a ver com gerenciamento, proteção, armazenamento, processamento, uso, acesso, compartilhamento e, geralmente, aproveitamento do que se supõe ser uma informação factual verdadeira. Esta informação verdadeira vem sob ameaça de erro do usuário, hackers, desastres naturais e outras calamidades. A segurança é primordial, porque rivais e criminosos querem lucrar com o roubo de informações verdadeiras - ou com pedidos de resgate, no caso de ransomware.

Em um futuro muito próximo, é provável que o foco da segurança de TI seja forçado a mudar, de manter as informações seguras para manter as informações verdadeiras.

Deixe-me dar dois cenários sombrios.

A espionagem industrial - o roubo de segredos comerciais - custa à economia dos EUA entre US $ 225 bilhões e US $ 600 bilhões por ano , segundo a Comissão sobre o Furto da Propriedade Intelectual Americana.

Ladrões de segredos comerciais roubam informações porque estão ficando para trás e querem nivelar o campo de jogo de forma rápida e barata. Mas e se eles pudessem nivelar isso misturando os segredos comerciais dos concorrentes e falsificando dados internamente? E se eles pudessem fabricar evidências de delitos criminais ao plantar conversas por e-mail que nunca ocorreram ou usar informações falsas para chantagear funcionários da empresa? E se eles pudessem secar o investimento alimentando informações falsas para os investidores?

A desinformação também pode vir a ser extremamente útil para o marketing negativo. Na verdade, isso é o que está acontecendo na política. O mesmo poderia funcionar nos negócios. Digamos que uma empresa inescrupulosa da Kleptocrastan fabrica smartphones que competem com o iPhone, da Apple. Em vez de divulgar os benefícios de seu telefone, eles poderiam queimar a reputação da Apple globalmente por meio de propaganda computacional. Usando as análises do Facebook, eles poderiam encontrar cada comprador potencial do iPhone e fazer um perfil psicológico de cada pessoa. Eles poderiam, então, servir mensagens incansáveis ​​de usuários falsos, compartilhando notícias falsas sobre os abusos ambientais da Apple para esse usuário, e riscos elétricos para o usuário, e o alto custo de reparos para outro usuário - explorando as preocupações mais prementes de cada pessoa.

Eles poderiam fabricar dados sobre a confiabilidade do iPhone, plantar histórias sobre ataques violentos contra usuários do iPhone e criar vídeos falsos mostrando executivos da Apple abusando de trabalhadores. Toda essa informação falsa poderia ser guiada pela IA e entregue de forma invisível, nos bastidores e sob o radar.

Tudo isso poderia ser realizado por uma indústria em crescimento, fornecendo desinformação como um serviço especializado em sigilo e confidencialidade do cliente.

A empresa DaaS que comprou esses anúncios no Facebook em nome de seus clientes não é uma estranha anomalia russa que desaparecerá. Eles estão apenas à frente da curva.

A desinformação está prestes a se tornar um grande negócio - e que passa a ter como alvo grandes empresas.

O senador James Lankford (R-Okla) ressaltou, semanas atrás, que as fazendas de trolls russas estão estimulando os dois lados do debate sobre os jogadores da NFL protestando durante os jogos, pedindo aos americanos que ajam de joelhos em protesto e também que boicotem a NFL por ajoelharem os jogadores.

Um tweet recente em uma conta no Twitter chamada "Boston Antifa" veio de um cartaz que aparentemente esqueceu de remover o carimbo de localização. A localização não era Boston, mas Vladivostok, na Rússia.

Tal é a natureza de nossa era que alguns disseram que até mesmo o selo de tempo pode ter sido falsificado para manchar a Rússia.

Ninguém sabe o que é verdade.

Buzzfeed informou no fim de setembro sobre o aumento do número de leitores de fazendas de conteúdo baseadas no exterior em lugares como Filipinas, Paquistão e Macedônia. Tais "publicações" existem apenas para fins lucrativos. Eles não se importam com o que é verdade. Eles só se importam com o que se torna viral.

A informação falsa vai além de notícias falsas publicadas como verdade. A falsificação de marcas também apresenta ameaças às empresas.

Os conjuntos de LEGO vendidos na China são frequentemente falsos - não são fabricados pela LEGO. A pirataria atinge todas as indústrias.

O Google anunciou recentemente reembolsos para os anunciantes por tráfego falso .

Algumas fontes de informação falsas se beneficiam da existência de fontes confiáveis ​​de informação. Porque você confia em uma fonte, eles podem causar desordem usando sua confiança para socializar você em fazer alguma coisa.

Hackers escondem códigos maliciosos dentro de falsas atualizações de segurança . Se você acredita que é uma atualização de segurança autorizada, você instalará um código desconhecido no seu sistema ou rede.

Recentemente, um falso escritório de advocacia convenceu a Amazon a remover um produto, custando ao vendedor cerca de US$ 200 mil.

fakenews

O que está impulsionando o aumento de informações falsas?
A ascensão de informações falsas online é causada por cinco fatores:

1. A Internet permite que qualquer pessoa, em qualquer lugar ,publique qualquer coisa.

2. O conteúdo digital é fácil de falsificar ou modificar.

3. Muitas pessoas têm incentivos poderosos para divulgar informações falsas.

4. É mais fácil para algoritmos de redes sociais favorecer conteúdo emocionalmente reativo do que o conteúdo verdadeiro.

5. O público depende cada vez mais do conteúdo da Internet digital para "conhecimento".

Facebook, Twitter e Google afirmam que estão tomando medidas ativas contra o surgimento de informações falsas. Mas os esforços anteriores falharam .

A realidade é que informações falsas continuarão a ser divulgadas online. E isso pode ser um problema para você e sua empresa.

Considere um relatório recente no Financial Times sobre uma "edição chinesa" do The Wall Street Journal. O site copiou a aparência do site legítimo e usou a reputação do Journal para atrair intelectuais de língua chinesa globalmente. Os artigos em si foram copiados da agência de notícias estatal chinesa Xinhua, que é supervisionada pelo braço de propaganda do Partido Comunista Chinês.

A reputação duramente conquistada do Wall Street Journal estava sendo usada como uma colher de açúcar para ajudar a propaganda nacionalista.

Aqui está a parte ruim: o Jornal nem estava ciente do site falso até ser contatado por um repórter.

O que pode ser feito com informações falsas?
É hora de empresas de todos os tipos chegarem a um acordo com a nova realidade de informações falsas online. 

A ação mais importante é garantir que você, seu departamento e sua empresa sejam fornecedores de informações factuais em marketing e em toda a comunicação empresarial. É importante entender que o papel de uma marca como fonte confiável de informações é mais importante do que nunca. Busque agressivamente informações falsas atribuídas falsamente à sua empresa e faça tudo o que puder para impedir que isso aconteça.

Não caia na complacência de acreditar que o problema das notícias falsas de hoje é comparável ao de ontem. A informação falsa é diferente agora porque é assistida por computador, global e massivamente crowdsourced. Notícias falsas são um problema tecnológico .

Notícias falsas são ruins para os negócios. E é problema de todos. A solução começa com você e sua empresa.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui