Recursos/White Papers

Opinião

A Inteligência Artificial está perto do seu ponto de inflexão

Aparentemente não existem limites tecnológicos para a IA. A tecnologia vai acelerar de forma exponencial daqui para frente

Cezar Taurion *

Publicada em 05 de julho de 2018 às 12h27

Nos últimos dias estive dissecando dois relatórios muito instigantes. Ambos massivos, mas de conteúdos muito valiosos. O Internet Trends Report, de Mary Meeker, é um relatório de 294 páginas que analisa tecnologias digitais que impactam toda a sociedade. Outro foi o Tech Trends Report, do Future Today Institute. Os números mostram claramente que o planeta está cada vez mais conectado. Pela primeira vez mais da metade da população global está conectada à Internet. São 3.6 bilhões de pessoas acessando esta pele eletrônica que cobre praticamente toda a Terra. E a maior parte deste acesso acontece via equipamentos móveis. 

Mas, mesmo dispondo de informações interessantes, fazer previsões é sempre arriscado. Voltemos por exemplo a 2005, quando renomados analistas de indústria apontavam uma forte tendência de crescimento na fabricação de desktops e laptops. Em 2007 apareceu o iPhone, criando uma disrupção, não apenas na indústria de celulares, destruindo valor de empresas sólidas como Nokia, Motorola e Blackberry, mas provocando também uma onda de choque que reduziu drasticamente a produção de PCs. Facebook era apenas uma brincadeira que conectava estudantes universitários e hoje tem mais de 2 bilhões de pessoas conectadas. Não se previa isso em 2005...Portanto prever o mundo daqui a quinze anos é como acertar com precisão se estará chovendo em um determinado sábado à tarde daqui a seis meses. São tantas variáveis que nenhum modelo matemático consegue ser preciso.

Mas, podemos pensar em algumas direções. Por exemplo, IA. Quando vemos os avanços exponenciais da IA impulsionados pela evolução exponencial da geração de dados (2,5 quintilhões de dados são gerados diariamente no planeta e este número dobra a cada dois anos ou menos) e capacidade computacional (um iPhone tem mesma capacidade de um supercomputador de 30 anos atrás), acrescidos da conscientização de diversos países de sua importância estratégica, como estudos “An Overview of National AI Strategies” mostram, fica claro que existe uma tendência irreversível na sua crescente adoção. Este estudo mostra que nos últimos quinze meses, Canadá, Japão, Cingapura, China, Emirados Árabes Unidos, Finlândia, Dinamarca, França, Reino Unido, Comissão da UE, Coréia do Sul e Índia divulgaram estratégias para promover o uso e o desenvolvimento da IA. IA afetará (e já está afetando) todos os setores de negócio e portanto, qualquer empresa deve ter uma estratégia de adoção de IA em seu futuro imediato.

A maioria dos executivos com quem converso ainda não captou plenamente o impacto da IA. Ela é vista ao mesmo tempo com receio e otimismo (comumente misturando-se os dois sentimentos), onde de um lado promete ser a solução de inúmeros problemas, abrindo oportunidades ímpares, e por outro lado ameaçando negócios e empregos. Ainda estamos tentando entender o que é sair da era de computação de sistemas programáveis e entrar na era da Computação Cognitiva, onde máquinas capazes de aprender, decidir e criar estarão coexistindo conosco. 

Um bom exemplo desta mudança é o instigante artigo “Soon We Won´t Program Computers. We´ll Train Them Like dogs”. Com IA e Machine Learning, um engenheiro de software nunca sabe precisamente como o computador realiza suas tarefas. As operações de uma rede neural são em grande parte opacas e inescrutáveis. Em outras palavras, é uma caixa preta. E como essas caixas-pretas assumem a responsabilidade por mais e mais tarefas digitais no nosso dia a dia, elas não apenas mudarão nosso relacionamento com a tecnologia, mas elas também vão mudar a maneira como pensamos sobre nós mesmos, nosso mundo e nosso lugar dentro dele. 

Se, antes, na era da Computação Programática, os programadores eram os deuses que governavam os sistemas de computadores, agora são como treinadores de cães. E como qualquer dono de cachorro sabe (eu tenho uma cachorrinha e sei bem disso), esse é um relacionamento que não entendemos muito. Andy Rubin, criador do Android tem uma frase bem emblemática sobre isto :” “After a neural network learns how to do speech recognition, a programmer can't go in and look at it and see how that happened. It's just like your brain. You can't cut your head off and see what you're thinking.”. Vai acabar o desenvolvimento de código? Claro que não, mas o perfil do profissional envolvido com computação muda drasticamente.

Talentos com experiência em IA são raros hoje. A necessidade de educação é urgente e uma das iniciativas, das quais me orgulho, foi ter assumido a presidência do i2a2, Instituto de Inteligência Artificial Aplicada. Ao longo dos próximos anos, provavelmente veremos maiores facilidades para desenvolver soluções de IA. Empresas como Amazon disponibilizam plataformas de IA em cloud, como Sagemaker, e já começam a aparecer marketplaces de algoritmos, como Algorithmia e Quantiacs.

A disseminação da IA nos leva naturalmente a questionar qual será o seu papel na sociedade. Os robôs substituirão pessoas? É altamente provável que as pessoas que executam tarefas repetitivas terão estas tarefas sendo substituídas por robôs. Alguns estudos estimam que cerca de metade dos empregos atuais, nos EUA, estão em risco. Entre estas funções estão motoristas de veículos como caminhões e táxis, estagiários de advocacia, jornalistas, desenvolvedores de software e administradores de sistemas de computação. Esta é uma diferença significativa que a IA está provocando. 

Os “colarinhos azuis” ou operários já estão diminuindo sensivelmente, mas os “colarinhos brancos”, empregos nas tarefas administrativas é que agora estão correndo o risco. A substituição do trabalho é inevitável e agir de forma reativa não vai ajudar em nada. Precisamos, sim, de compreender a imensa mudança que está se abrindo e aprender a navegar nesse novo território. Mas, será também muito provável que a IA venha a aumentar o desempenho humano, automatizando certas partes de uma tarefa, permitindo que os indivíduos se concentrem em aspectos mais "humanos" que exigem habilidades empáticas, sociais e inteligência emocional. No futuro próximo, trabalhadores e máquinas trabalharão em conjunto, cada um complementando os esforços do outro.

Estaremos cada vez mais envolvidos com bots no nosso dia a dia. Cada vez mais interagiremos diretamente com IA para resolver questões diárias, como relacionamentos e dúvidas com as empresas com as quais fazemos nossos negócios, de passagem aérea a reclamação de entrega do supermercado. E usar assistentes pessoais provavelmente se tornará algo tão comum quanto usar um smartphone. Esses dispositivos poderão ouvir e assistir: eles saberão os lugares que vamos, as pessoas com as quais interagimos, nossos hábitos, nossos gostos e preferências e muito mais. Então, eles usarão esses dados para antecipar nossas necessidades. A  interface atual, que usamos no smartphone, de chamar diretamente um app e teclar nele será substituído por ações automáticas, que nos ajudarão nas centenas de pequenas decisões que tomamos ao longo do dia. Com os assistentes, os apps falarão uns com os outros, sem necessidade de serem acionados diretamente. O assistente vai reconhecer que você  desembarcou no aeroporto e automaticamente chamará o Uber. Este cenário vai nos levar à inevitável discussão de privacidade versus praticidade.

Os desafios e oportunidades que a IA nos abre que são imensos. Um relatório de extrema importância, “The Malicious Use of Artificial  Intelligence: Forecasting, Prevention, and Mitigation”, aborda em suas 100 páginas os potenciais riscos de se utilizar de forma inadequada as tecnologias de IA. Sabemos, por experiência que o treinamento de algoritmos influencia o processo de decisão das redes neurais. Um estudo do MIT, “Facial recognition software is biased towards white men, researcher finds” mostrou que baseado no aprendizado fornecido pelas imagens que foram apresentadas, alguns algoritmos de reconhecimento facial reconheciam com mais precisão rostos de homens brancos. O algoritmo não era machista ou racista, mas simplesmente aprendeu a reconhecer com mais precisão este rostos pois mais imagens de homens brancos lhes foi fornecido. Uma outra experiência do MIT, Norman, criou o primeiro algoritmo de IA com viés psicopata. A proposta é mostrar que um treinamento inadequado pode gerar respostas completamente absurdas e provavelmente o culpado não é o algoritmo, mas a base de dados com que ele foi treinado.

O crescente uso da IA nos obriga a prestar atenção aos resultados que os algoritmos nos darão, pois mais e mais eles estarão afetando nossas vidas. Aparentemente não existem limites tecnológicos para a IA. O artigo “Teaching machines to predict the future”, do MIT’s Computer Science and Artificial Intelligence Laboratory (CSAIL) mostra que algoritmos aprendendo com vídeos do YouTube e séries de TV podem prever as reações humanas. Analisando uma determinada cena em um vídeo ele pode identificar o que as pessoas nele farão a seguir.

Além disso, mecanismos extremamente seguros de segurança devem ser colocados em prática para que sistemas de IA não sejam afetados por ataques cibernéticos. Todas novas tecnologias nos ajudam a resolver problemas existentes, mas também gera novos desafios. A IA cria espaço para riscos de segurança que não eram possíveis antes. Os sistemas de IA podem imitar as vozes das pessoas de forma realista, criando arquivos de áudio que se assemelham a gravações de discursos humanos. Assim, ficaria bem difícil para um humano conseguir identificar se o que ele está ouvindo veio de alguma pessoa ou foi gerado artificialmente por sistemas de IA. As consequências podem ser bastante dramáticas.

IA

Por outro lado, as oportunidades que IA nos abre são fantásticas. O artigo “How artificial intelligence and data add value to businesses contém entrevistas com Andrew Ng, pesquisador e de IA e fundador do Coursera. Mostra de forma clara que podemos e devemos usar IA nos negócios e se uma empresa ainda não tem uma estratégia de IA, deveria tê-la o mais rápido possível.

O impacto da IA na transformação da sociedade começa aos poucos a ser compreendido. Uma dose mínima de inteligência aplicada a um processo ou a objetos vai elevar a eficácia de qualquer sistema a outro patamar.  IA será a força primordial de competividade no futuro. E aliás, já estamos no ponto de inflexão, onde a IA vai acelerar de forma exponencial. IA será a nova eletricidade. Vai dar vida a objetos inertes, como a eletricidade fez mais de um século atrás. Nas próximas décadas vamos cognificar aquilo que eletrificamos no passado.

 

(*) Cezar Taurion é partner da Kick Ventures e presidente do i2a2, Instituto de Inteligência Artificial Aplicada



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui