Recursos/White Papers

Opinião

Você já tem um UX e um UI na equipe?

Compreender, testar e fidelizar os clientes são as prioridades desses novos profissionais que desenham a nossa experiência dentro das diversas plataformas digitais

Marina Brandão *

Publicada em 03 de julho de 2018 às 18h12

O cliente é sempre o centro de qualquer empresa. Em um mundo onde as transformações acontecem pelas pessoas e para as pessoas, toda a jornada de contato da marca com seus clientes precisa ser pensada, mensurada e aprimorada constantemente. Nesse sentido, os profissionais de UX (Experiência do Usuário) e UI (Interface do Usuário) têm se tornado peças indissociáveis para atração e fidelização de clientes.

O UX tem como prioridade entender o que o cliente/usuário necessita para planejar sua experiência de contato com a marca. A profissão nasceu com as transformações digitais e com o rápido crescimento do mercado de smartphones. No entanto, hoje as aplicações do cargo servem para vários nichos de mercado. Em linhas gerais, esse profissional é responsável por toda experiência, seja ela física ou digital, que o usuário terá ao ter contato com um produto, sistema ou serviço. Por estar baseado em experiências, esse profissional lida com o intangível. 

Para desempenhar suas funções, o UX dedica-se a estudar, planejar e prototipar (desenhar modelos físicos e/ou palpáveis) para realizar testes e pesquisas com usuários. Além de acompanhar todas essas etapas de interação - cliente com produto/serviço - ele também é responsável por identificar falhas, criar soluções e testar essa experiência oferecida com o objetivo de gerar mais satisfação aos clientes e, consequentemente, uma maior taxa de fidelização. Essa, por sua vez, impulsiona o crescimento, gera mais economia e resultado, fortalecendo a construção da marca.

Já o profissional de UI, cuida da interação em si e trabalha para garantir as plataformas de contato. Ou seja, ele está mais preocupado com os canais, ambientes e meios de contato. Esse profissional é responsável pela criação desses ambientes, elaboração de interfaces ergonômicas e alinhadas às estratégias da empresa. Ele desenvolve desde o projeto visual até o desenvolvimento das plataformas, caso essas sejam parte do escopo. Essa é uma profissão front end, ou seja, ela dá vida a aquilo que é perceptível visualmente para o usuário e, por isso, lida com aspectos mais tangíveis da interação.

Historicamente, o UI tem objetivo prático, levando em consideração não só o usuário, mas também a capacidade de resposta do produto/serviço e seu desempenho em ser um bom canal com os clientes. Enquanto isso, o UX sustenta o foco em garantir uma boa experiência e satisfação dos clientes, aspectos difíceis de serem mensurados.

Atualmente, o mercado entende as duas profissões como sendo complementares para o desenvolvimento de produtos e serviços. Afinal, para garantir uma boa experiência ao usuário é fundamental que a interface/canal de relacionamento funcione de maneira eficaz e que agregue elementos para garantir a satisfação final. E de uma coisa ninguém duvida, clientes satisfeitos, que têm suas expectativas supridas e superadas, são clientes fiéis.

Apesar das duas carreiras dedicarem-se a desenvolver o relacionamento com o cliente e observarem as mesmas oportunidades de crescimento, elas necessitam de competências diferentes. Entre as aptidões que o especialista UX deve ter estão criatividade para propor soluções, habilidade para contar histórias, excelente comunicação, capacidade de conduzir entrevistas e testes, além de interesse por análise comportamental.

UIUX

Os interessados em UI precisam desenvolver competências mais técnicas voltadas para a qualidade gráfica das interfaces. O pleno domínio das ferramentas e programas de edição, como Adobe Muse, Photoshop, InDesign, React e Illustrator, que auxiliam no desenvolvimento de protótipos e wireframes (esboços de produtos e sites), são competências imprescindíveis a esses profissionais.

Como pode perceber, independentemente de qual das duas funções o profissional vá exercer, está claro que compreender, testar e fidelizar os clientes são as prioridades desses novos profissionais que desenham a nossa experiência dentro das diversas plataformas digitais.

 

(*) Marina Brandão é headhunter da Yoctoo e tem mais de 7 anos de experiência no recrutamento e seleção para as áreas técnicas



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui