Recursos/White Papers

Opinião

A reengenharia do trabalho em torno da IA será um grande desafio

Porque a IA não envolve uma equação de soma zero, humanos versus IA, mas sim de complementaridade, humanos mais IA gerando mais inteligência. E isso vai requerer novas estratégias por parte do departamento de RH

Cezar Taurion *

Publicada em 12 de março de 2018 às 11h58

A Inteligência Artificial já é realidade. No nosso dia a dia já a usamos muitas vezes sem perceber. Praticamente 80% dos vídeos vistos no Netflix o foram por influência dos algoritmos. Apenas 20% foram vistos após uma busca ativa por parte dos usuários. A  IA não é mais uma questão de “será que vai acontecer”, mas de "em quanto tempo acontecerá".

Qual será o papel da IA na sociedade? Os robôs substituirão pessoas? Sim e não.

Certamente, as pessoas que executam tarefas repetitivas terão suas tarefas substituídas por robôs. Mas, o mais provável é que a IA venha a aumentar o desempenho humano, automatizando certas partes de uma tarefa, permitindo que os indivíduos se concentrem em aspectos mais "humanos", que exijam habilidades empáticas, sociais e inteligência emocional. No futuro próximo, trabalhadores e máquinas trabalharão em conjunto, cada um complementando os esforços do outro.

Ótimo, mas o departamentos de RH terão que desenvolver novas estratégias e ferramentas para recrutar, gerenciar e formar uma força de trabalho híbrida humano-máquina. É uma mudança significativa nas formas de como RH seleciona, contrata e avalia profissionais. Demanda uma redefinição das funções atuais e a acomodação de novas funções, que nem existem hoje no vocabulário de RH.

Dado a forma como os modelos de trabalho tradicionais, definições de carreira e o setor RH estão arraigados, a reengenharia do trabalho em torno da IA será um grande desafio. Vai demandar novas formas de pensar sobre empregos, cultura empresarial, tecnologia e, o mais importante, pessoas.

Não existem mapas prontos. Mas, alguns fatores são críticos, como a cultura organizacional, a demanda por novas formas de educação e as mudanças regulatórias.

De maneira geral, a cultura de uma empresa baseia-se em funções bem definidas, com profissionais realizando tarefas específicas dentro de processos já estabelecidos e consolidados. Os funcionários têm concepções definidas sobre a natureza do seu emprego, suas carreiras, e usam tecnologia como apoio à algumas tarefas. Mas o que acontecerá com essa cultura se você mudar alguns papéis e tarefas tradicionalmente realizadas por pessoas para serem executadas pelos chabots? Sairemos de um trabalho essencialmente humano, com uso de tecnologia como apoio, para um trabalho colaborativo, onde pessoas e chatbots interagirão para resolver uma determinada questão. O robô passa a ser um colega de trabalho. Enquanto o bot se concentra nas atividades rotineiras, a pessoa passa a atuar de forma que sua criatividade, empatia e sociabilidade façam a diferença. As métricas de avaliação passam a ser outras. 

Os profissionais nas novas funções deverão estar tão acostumados com uso de tecnologias como IA que nem pensarão nela como tecnologia, mas como parte integrante e indissolúvel de sua atividade. Por exemplo, hoje nem imaginamos qualquer atividade sendo realizada sem a onipresença da energia elétrica. Computador também estão se tornando invisíveis. Há uns quinze anos atrás era comum ouvirmos “vou para o computador”. Hoje ele está no nosso bolso.

Será o mesmo com IA, um termo que tenderá a desaparecer.

A futura atividade do que chamamos hoje de RH passará por mudanças profundas. Quando vemos atividades repetitivas sendo substituídas por máquinas, vemos o perfil de qualquer profissional mudar radicalmente. Por exemplo, quando algoritmos vencem advogados na análise de contratos de NDA (An AI just beat top lawyers at their own game) tanto em precisão,quanto em tempo (contra os 92 minutos gastos em média, pelos advogados, para revisar contratos, o algoritmo resolve em 26 segundos) este tipo de tarefa passará a ser realizado cada vez mais pelas máquinas. Não há o que discutir. Os advogados terão que realizar tarefas mais sofisticadas e talvez não precisemos de tantos deles quanto hoje.

Quantos estão preparados para desempenhar as tarefas mais complexas? Qual será o perfil destes novos advogados? Um alerta surge deste exemplo: as tarefas executadas por profissionais mais juniores serão as mais afetadas. Este artigo, “New Study: Artificial Intelligence Is Coming For Your Job, Millennials”, propõe que as tarefas mais simples tendem a ser executadas por profissionais em início de carreira e, portanto, são as mais vulneráveis.

Os critérios de avaliação também mudarão. Hoje são muito baseadas em métricas de desempenho numérico, típicas de produtividade industrial, como número de contratos analisados por dia ou número de atendimentos por hora. Mas com as atividades repetitivas sendo automatizadas, os profissionais estarão mais envolvidos com as atividades que exigem sociabilidade, empatia, criatividade e imaginação, que não podem ser mensuradas da mesma forma que atendimentos por hora.

E quanto à novas profissões? A possibilidade de surgirem novas atividades, a ritmo acelerado, é grande e isso vai nos levar ao desafio de como fazer descrições de tarefas para algo que não dominamos.

Uma questão interessante é que, à medida que a tecnologias como a robótica e IA se entranham no dia a dia, as fronteiras entre TI e RH tendem a desaparecer. Integrar tecnologias e pessoas será uma tarefa multidisciplinar.

IA

A IA vai possibilitar uma integração entre pessoas e máquinas muito mais intensa que hoje. Esta nova maneira de trabalhar afetará a forma como interagimos uns com os outros. Hoje é comum os funcionários se comunicarem com seus colegas por e-mail, Messenger ou WhatsApp. A troca de ideias pode gerar inovações e novas percepções de como fazer o trabalho. Mas, e quando companheiros de equipe forem bots? Uma interação com eles para resolver uma questão seria compartilhada com os outros de que forma? Tanto o funcionário como os bots poderiam aprender com a resposta encontrada, mas é fundamental que as demais pessoas envolvidas também usufruam dessa nova solução.

Um questionamento que irái acontecer, inevitavelmente, será em relação à privacidade. Como é perfeitamente possível que toda interação com bots seja capturada e armazenada, seria algo como ter toda e qualquer conversa que as pessoas fazem hoje em uma empresa sendo automaticamente filmadas e gravadas. Pode gerar desconforto, ao menos no início.

Os princípios e modelos organizacionais que usamos hoje, baseados nos conceitos da sociedade industrial, não serão mais adequados. A automação e o uso intenso de IA vai desagregar as atuais funções em tarefas e subtarefas que poderão ser automatizadas. A questão em aberto é como agregar de uma nova forma as tarefas que não poderão ser automatizada. Provavelmente, o conceito do que entendemos como uma profissão ou função, hoje, mudará por completo. Recomendo, para aprofundar o tema, a leitura do artigo “Thinking Through How Automation Will Affect Your Workforce”, publicado pela Harvard Business Review.

Por onde começar? Antes de mais nada é essencial ter uma estratégia de IA. Não é mais opção, mas questão e sobrevivência. IA será a nova eletricidade, e da mesma forma que hoje todos os negócios funcionam com eletricidade, os negócios do futuro serão motorizados pela IA.

A implementação da estratégia passa por um planejamento adequado. Máquinas e os seres humanos podem trabalhar muito bem juntos, se anteciparmos os desafios e procuramos ter uma visão de futuro da nova organização.  Isso passa por uma revisão das funções e tarefas atuais, sua desconstrução e identificação de quais serão exclusivamente humanas, e quais e quando poderão ser automatizadas, além de como o trabalho colaborativo com as máquinas vai será realizado.

Devemos ter em mente que os computadores não substituirão os humanos. Substituirão suas funções. Serão complementos para os humanos e não seus substitutos. Os negócios mais valiosos do mundo, nas próximas décadas, serão desenvolvidos por empresas que usarão a IA para fortalecer as pessoas e não para torná-las obsoletas. Serão vencedoras as empresas que souberem fazer  com que os sistemas de IA ajudem os humanos a fazer o que antes era considerado inimaginável, com maestria. A IA não envolve uma equação de soma zero, humanos versus IA, mas sim de complementaridade, humanos mais IA gerando mais inteligência.

 

(*) Cezar Taurion é head de Digital Transformation da Kick Ventures e autor de nove livros sobre Transformação Digital, Inovação, Open Source, Cloud Computing e Big Data



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui