Recursos/White Papers

Opinião

Avanço no uso de dados já define os rumos das empresas

Para extrair valor das informações, geradas tanto pelas vias tradicionais quanto pelas tecnologias inovadoras, devemos nos perguntar qual é a nossa própria jornada

Marcelo Sales *

Publicada em 04 de dezembro de 2017 às 10h04

O mundo corporativo jamais será como antes. Percorremos uma jornada em que a tecnologia passa a ser peça estratégica das engrenagens de novos modelos de negócios - e isso muda tudo. Líderes de empresas de diferentes portes e setores demandam, agora, o aprofundamento de conceitos e tendências discutidos há algum tempo.  Nesse contexto, não temos como ignorar uma constatação: chegamos à era dos dados.

A predição do Gartner aponta que haverá um enorme potencial para a geração de dados em 2020, em decorrência de cerca de 21 bilhões de pontos de IoT, a valiosa Internet das Coisas, em uso. Os dados de IoT acumulados e armazenados no período serão provenientes de aplicações de consumo e de negócios: as aplicações de IoT de consumo representará apenas 3% desses dados e aplicações de IoT de negócios, 97%.

Para ter a dimensão aproximada do que essas informações representam, basta saber que os dados já são recursos tão valorizados quanto o petróleo e o ouro - e, provavelmente, se tornarão um ativo ainda mais relevantes que ambos, em um futuro não muito distante. A explosão no volume de dados tem três origens: a primeira tem relação com os sistemas e a TI tradicional; a segunda são as informações produzidas por nós, humanos, sempre armados com nossos aparelhos mobile e postando em redes sociais e a terceira está associada às máquinas conectadas e aos dados gerados por IoT. Essa última será responsável pela explosão do volume de conteúdo. O verdadeiro Big Data!

Para extrair, verdadeiramente, valor das informações, precisamos entender a relevância da estratégia de dados e, o mais importante, dos diferentes estágios de maturidade das empresas em termos de aplicação desse conceito. Afinal, a evolução do uso dos dados pressupõe mais do que a geração de um grande volume de informações. Estamos falando de análise e utilização de toda a base armazenada para aprimorar a tomada de decisões e realimentar máquinas e processos, tornando toda a cadeia de negócios mais inteligente.

Mesmo que em diferentes níveis de percepção, todos os mercados estão em busca de compreensão sobre o tema, desejando desvendar o potencial dessa tendência  e as possibilidades ao alcance com a adoção de tecnologias disruptivas, como de IoT. E, antes que sejamos duros em nossa autoanálise como mercado usuário de tecnologia, tenho que dizer:  a maturidade do Brasil e de outros países da América Latina em relação ao uso de dados acompanha os níveis mundiais.

Para os que já pesquisaram à exaustão sobre transformação digital e seus desdobramentos, o processo de evolução da utilização dos dados pode até parecer simples na teoria, mas, em termos práticos, definitivamente não é. Como qualquer mudança estrutural, o avanço depende de recursos, que, nas áreas de TI das mais variadas empresas, ainda são dedicados à manutenção do legado e às demandas do presente.

Além de assimilar todas as mudanças incentivadas pelas novas tecnologias, a TI tem o papel de promover a mobilidade dos dados e, ainda, de participar efetivamente da extração e da gestão inteligente das informações, garantindo segurança, privacidade e cumprimento das legislações.

possibilidadederotas

Compreender o valor dos dados demanda uma reorganização de todo o ecossistema das empresas, assim como exige um novo posicionamento, não apenas do CIO e demais profissionais da TI, como também de líderes e colaboradores de áreas de negócio. No caminho, teremos diversos desafios a serem superados, isso para atingirmos os altos patamares de inteligência operacional propiciados pela IoT e outras tecnologias igualmente complexas, como machine learning e inteligência artificial, dentro do processo de análise e extração de valor das informações.

Não existem fórmulas ou atalhos para alcançar a excelência no uso de dados e a jornada, eu aviso, é sinuosa, repleta de armadilhas. Mas, aqueles que encontrarem o seu próprio caminho, respeitando e entendendo suas fortalezas e limitações, não terão se esforçado em vão.  Pelo contrário, farão uso da mais poderosa ferramenta para crescimento, sustentabilidade e longevidade de um negócio. Vamos juntos nessa jornada!

 

(*) Marcelo Sales é Diretor de Produtos e Soluções da Hitachi Vantara LATAM



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui