Recursos/White Papers

Opinião

Por que a gamificação é também uma técnica para ganhar dinheiro

Se a brincadeira entrar na rotina, sua empresa tende a ter funcionários muito mais felizes e apresentando resultados além do esperado

Fabiana Reinert *

Publicada em 11 de setembro de 2017 às 08h41

É cada vez mais trabalhoso para as empresas engajar seus funcionários em torno de um propósito comum. Essa tarefa é ainda mais desafiadora dentro do segmento da logística. Rotina pesada e sem grandes novidades fazem com que os colaboradores se tornem desmotivados e, por consequência, pouco produtivos.

Vencer este imenso obstáculo tem tirado o sono de gestores de norte a sul do país. Uma das estratégias que tem surtido bastante efeito é o uso de técnicas de games nas rotinas. Por ser uma linguagem divertida e de amplo acesso, a tendência é que as pessoas sintam-se engajadas com mais facilidade e busquem um determinado resultado com mais garra.

A técnica, chamada de gamificação, tem sido usada, por exemplo, para atrair jovens no processo de aprendizado. As empresas também têm utilizado esta inovação para fazer marketing, pois por meio dos games é possível divulgar novos produtos, enviar mensagens aos clientes entre outras coisas. Mas, como aplicar este conceito dentro do universo logístico? Eis o ponto em que os gestores precisam de criatividade.

As metas e os objetivos precisam ter relação direta com a rotina de trabalho para que a técnica funcione. No caso das empresas de transportes, um dos objetivos pode ser “entregar encomendas no prazo”. A cada tarefa bem cumprida, os funcionários acumulam pontos que podem ser trocados por premiações ao longo do tempo.

Gamification

O prêmio é fundamental para que os funcionários sintam-se motivados a participar da brincadeira. O agrado pode vir por meio meio de brindes ou até bonificações em dinheiro e promoções de cargo. O importante é que o esforço para conseguir pontos não seja em vão.

Vale também o esforço em desenvolver uma plataforma atrativa e de fácil acesso. A dica é: ter uma ferramenta de gamification que não faça o funcionário se sentir estimulado a acessar não é algo atrativo. Por isso é preciso ser fácil, como um aplicativo de celular, por exemplo.

Se a brincadeira entrar na rotina, sua empresa tende a ter funcionários muito mais felizes e apresentando resultados além do esperado. Vale a aposta!

 

(*) Fabiana Reinert é gerente Comercial da HBSIS



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui