Recursos/White Papers

Opinião

Cinco maiores tendências da área de pagamentos a partir de 2017

Elas vão tornar o ato de pagar mais fácil e cômodo

Jean Christian Mies *

Publicada em 14 de fevereiro de 2017 às 17h04

Quando falamos em pagamentos, a melhor experiência oferecida é a invisível. A conveniência de deixar a carteira em casa e não se preocupar com o pagamento de serviços recorrentes são elementos fundamentais para tornar a experiência de compras mais descomplicada. E grandes avanços já estão sendo feitos nessa área.

Atualmente, empresas como Netflix, Uber, Wine e Airbnb, estão transformando a forma de pagar e impactando as indústrias de serviços e varejo. Há uma grande oportunidade para empresas se diferenciarem pela experiência oferecida em pagamentos nos próximos anos, e algumas tendências nessa área ganharão mais força em 2017.

Mobilidade
As vendas por dispositivos móveis somam 37% de todos os pagamentos online ao redor do mundo, e essa estatística é ainda mais impressionante em países como Austrália e Reino Unido, onde os pagamentos móveis já correspondem a mais da metade das operações, segundo pesquisa da Adyen. No Brasil, mercado que deverá ter 236 milhões de smartphones nos próximos dois anos, de acordo com dados da FGV-SP, a previsão é de que o crescimento de carteiras digitais se intensifique com a chegada das tecnologias Apple Pay e Android Pay, que devem abrir de vez as portas do uso de carteiras digitais no país em 2017.

Esse movimento também tem incentivado o surgimento de apps de pagamento P2P (pessoa para pessoa) e a evolução desses serviços para carteiras digitais B2C, como já é feito pelo app de mensagens WeChat Pay, na China. Com a popularização das carteiras digitais no Brasil, serviços como este devem ganhar força nos próximos anos.

 E por ser uma tecnologia onipresente, o smartphone se tornou um companheiro perfeito para efetuar compras a qualquer hora e em qualquer lugar, impulsionando a inovação do cenário de pagamentos e eliminando a barreira entre os canais de vendas, permitindo que clientes façam check-outs com um único toque, seja em lojas, online ou via apps.

pagamentomovel

Fraude
Inevitavelmente, quanto mais fácil se torna para o consumidor pagar, maior o risco de ações de fraudadores. Ao reduzir o número de etapas no processo de pagamento, menos dados de verificação de autenticidade da compra são coletados e se torna cada vez mais difícil identificar e impedir fraudes. E os fraudadores estão ficando mais sofisticados, deixando de gastar tempo com múltiplas tentativas de pequena escala e concentrando-se em lançar ataques súbitos de grande escala.

Por isso, é importante manter em funcionamento sistemas antifraude robustos, integrados à plataforma de pagamentos, a fim de utilizar um sistema unificado de dados e com inteligência analítica para combater os fraudadores da melhor forma. É crucial despender energias e investimentos em sistemas, normas e infraestruturas que possam identificar e responder rapidamente às tentativas de fraude, sem a necessidade de intervenção manual. Atualmente, ferramentas como o Adyen RevenueProtect, com uso de dados e machine learning, já estão no alcance das empresas para combater essas ameaças.

Recorrência
Os serviços por assinatura e com pagamentos recorrentes estão cada vez mais presentes no nosso dia a dia. Fazemos streaming de músicas e programas pela internet, utilizamos serviços de mobilidade e até recebemos entregas mensais dos nossos produtos favoritos, com o pagamento ocorrendo de forma praticamente imperceptível.

O resultado é que as vendas dos serviços por assinatura tem apresentado crescimento até nove vezes mais rápido do que as companhias listadas no índice S&P 500. E cada vez mais empresas estão adotando modelos de assinatura, focados na conveniência e no relacionamento a longo prazo com clientes. Para facilitar a disponibilização desse modelo de negócios, a indústria de pagamentos está evoluindo continuamente e lançando ferramentas baseadas em dados de pagamento de clientes com o objetivo de evitar o churn involuntário, com a interrupção de serviços por causa de cartões expirados ou perdidos.

Dados
O reconhecimento de consumidores assume um papel importante no estudo de comportamentos para entrega de serviços personalizados, como planos e prêmios de fidelidade, ofertas especiais e diferenciais de pagamento e entrega. E conforme novos canais emergem, desde compras em apps de mensagens até quiosques em lojas físicas, o reconhecimento das preferências de cada cliente em diferentes canais de interação abre novas oportunidades de negócios.

E um elemento chave no trabalho com reconhecimento do comportamento do consumidor é o pagamento simplificado, e ainda há ganhos significativos para quem investir da maneira correta. Para quem já estiver usando tokenização, o caminho está 80% andado e deve facilitar a ligação entre detalhes tokenizados do cartão e a conta do consumidor. O segredo é trabalhar com uma parceria que possa gerenciar toda essa carga de trabalho.  

Integração
Esta continuará sendo uma grande prioridade para negócios em 2017, e a razão é muito simples: para reconhecer clientes através de diferentes canais de vendas, permitir compras com um único ou nenhum clique de botão e identificar tentativas de fraude, as empresas precisam de uma visão unificada dos dados de pagamento de cada cliente. E o primeiro passo nessa direção é a consolidação de cada etapa desse processo em um sistema unificado, abrangendo todos os canais de vendas.

Uma vez  vencido esse obstáculo, os pagamentos invisíveis se tornarão mais tangíveis para muitas empresas e, com certeza, uma das maiores tendências de investimentos para pagamentos em 2017.

 

(*) Jean Christian Mies é vice-presidente sênior da Adyen para a América Latina



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui