Recursos/White Papers

Opinião

Cinco motivos para as empresas adotarem gamification

Quem ainda não está convencido dos benefícios devia experimentar

Giuliano Machado *

Publicada em 09 de novembro de 2016 às 14h38

A princípio, adotar jogos para aumentar a produtividade no ambiente organizacional pode até parecer besteira ou mesmo ser considerado perda de tempo. Mas, se para alguns gestores pensamentos como estes insistem em permanecer, talvez seja a hora de rever alguns conceitos. Afinal, os tempos mudaram e o perfil dos colaboradores também acompanharam tais mudanças.
 
Longe daquela geração que via a relação “empregado versus empregador” como uma mera troca entre trabalho e salário, os profissionais de hoje buscam mais do que o seu lugar no mundo corporativo. Visam, sobretudo, experiências que os façam crescer e, consequentemente, se sentir bem.
 
Em razão disso, preferem, e valorizam, as oportunidades mais humanas, nas quais não são apenas “números”. Também consideram a forma como a jornada é conduzida tão importante quanto os resultados almejados.
 
Este posicionamento se torna um desafio e tanto para os executivos. Além de se preocuparem com as estratégias dos seus negócios, ainda precisam encontrar formas para manter seus colaboradores sempre motivados e focados no objetivo de crescerem juntos com a empresa.
 
Mas, para quem acha que é difícil encontrar uma luz no fim do túnel, a solução pode ser mais simples do que se imagina. Empresários dos quatro cantos do planeta, especialmente dos Estados Unidos, têm conseguido alavancar a produtividade e os resultados dos seus negócios adotando o uso de uma metodologia que vem se tornando cada vez mais conhecida: o Gamification.
 
Para quem ainda não ouviu falar, trata-se do uso de mecanismos de jogos, cuja finalidade é motivar e engajar pessoas, melhorar o aprendizado, resolver problemas e alcançar resultados. É um método aplicável a qualquer segmento do mercado, desde empresas de base até as que fazem parte do universo financeiro.
 
gamification625b
 
Para colocá-lo em prática, a tríade criatividade-estudo-planejamento é essencial para fazer com que seus colaboradores alcancem (e até superem) as metas com facilidade e, principalmente, se sintam felizes e orgulhosos por suas conquistas.
 
Levar os jogos para dentro da organização pode gerar diversos benefícios, como, por exemplo, aumentar o engajamento (jogos que trazem pontuações, troféus e quadro de liderança resultam em aprendizados mais rápidos e divertidos) e motivar o alcance de metas (pessoas são mais motivadas quando sabem de forma mais clara e objetiva quais são as metas que precisam ser atingidas).
 
Além disso, contribuem para a retenção do conhecimento, uma vez que, devido o envolvimento e melhor experiência, os colaboradores lembram os conceitos aplicados; promove a participação, comunicação e gestão do conhecimento entre equipes e departamentos e colaboram para o desenvolvimento das ações determinadas e dos colaboradores envolvidos.
 
Também vale ressaltar que a adoção do Gamification ajuda a empresa a reter seus talentos e evitar o tão temido turnover, que, dependendo do segmento e da área, costuma ser bastante alto. É algo que, realmente, vale a pena ser considerado pelos gestores.
 
 
 
(*) Giuliano Machado é gerente de Atendimento e Relacionamento com Clientes da Mega Sistemas Corporativos e Membro do Software Advisory Board do HDI


Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui