Recursos/White Papers

Notícias

Internet das Coisas e Computação Cognitiva, tudo a ver

Intenção da IBM é transformar o Watson IoT Platform na sua principal oferta IoT como serviço

Da Redação

Publicada em 25 de novembro de 2016 às 09h08

A Internet das Coisas é tão complexa que algumas empresas preferem recorrer a um fornecedor para que ele projete, desenvolva e implante um sistema de IoT, além de operá-lo como um serviço.

Ao menos é nisso que a IBM acredita. A empresa combinou vários de seus produtos e serviços em um pacote, que ela batizou de Prática de Soluções IoT. A empresa vai atuar como uma one-stop shop ─ onde o cliente pode obter tudo o que precisa ─ de ofertas de IoT.

Transformar IoT em um serviço não é uma idéia nova. Consultorias como a Accenture e operadoras como a americana Verizon, entre outras, dizem que podem reduzir a complexidade para as empreda que querem adotar esses sistemas.

A IBM dispõe das peças para fazer o trabalho de ponta a ponta, mas combina essas peças com componentes de outros fornecedores de dispositivos e de serviços para que possa assegurar que suas ofertas funcionem com as de outras empresa. Ela mantém parcerias com vários outros players de IoT, incluindo a AT & T e Cisco Systems.

A especialização em projetos de ponta a ponta, no entanto, é o grande passo da IBM para a venda de seu pacote. A complexidade é maior em relação a segurança, algo que as empresas acham difícilem relação a IoT, dizem analistas do setor.

O carro-chefe da oferta da empresa é a Watson IoT Platform, que combina recursos analíticos, de segurança e outros, incluindo a tecnologia blockchain para autenticação, em alguns casos. A plataforma permite que os clientes aproveitem um conjunto de APIs (interfaces de programação de aplicativos), a infraestrutura de nuvem SoftLayer da IBM e todas as inteligências analíticas que compõem o universo de computação do Watson. “Ao adicionarmos consultoria e suporte contínuo, passamos a ofercer uma solução de balcão único”,  diz a empresa.

“Implementar IoT pode ter amplas implicações para um negócio, além de apenas projetos de implantação e mudanças na tecnologia”, disse Jesus Mantas, gerente geral de consultoria de negócios da IBM. “Por exemplo, a forma como uma empresa monitora seus ativos pode mudar de um ‘pull’ para um ‘push’ processo”, disse ele. "Você não precisa de alguém para ir todos os dias para verificar alguma coisa. As notificações de eventos-gatilho fazem isso. E isso muda o trabalho das pessoas."

Internetdascoisasasaservice

Parte do que a IBM pode fazer pelas empresas que adotam IoT é ajudá-las sobre as implicações comerciais das mudanças, disse Mantas.

A Prática de Soluções IoT aplica-se a uma ampla gama de indústrias e os primeiros alvos da IBM serão as indústrias de automóveis, produtos eletrônicos, produtos industriais, seguros, varejo, transporte e edifícios. Mais de 1,5 mil especialistas espalhados por nove centros de IoT em todo o mundo estão dedicados à prática.

Para ajudar as empresas a trabalhar com IoT, a IBM também oferece acesso gratuito à Watson IoT Platform, disse Brett Greenstein, vice-presidente da IBM para a plataforma. "Eles podem usar qualquer coisa que temos em nossa nuvem, de forma eficaz, e de graça", disse ele. “Contanto que as operações do cliente permaneçam abaixo de um determinado nível, em torno de algumas dúzias dispositivos, ele terá o livre acesso até que elas estejam prontas para ser transferidas até a escala de produção.”



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui