Recursos/White Papers

Notícias

Mais de um terço dos CFOs não percebe o impacto das TIC

Cerca de 40% subestimam as mudanças da introdução de tecnologias digitais, apesar de a maioria perceber como são úteis na concretização de objetivos estratégicos

Da Redação, com IDG News Service

Publicada em 15 de outubro de 2014 às 07h52

A maioria dos CFOs reconhece nas tecnologias digitais um fator cada vez mais importante para gerir a pressão que sofrem, suportar um melhor desempenho dos negócios e gerir riscos, segundo estudo recente da Pierre Audoin Consultants (PAC). Mas mais de um terço não percebe o impacto das TIC, diz o relatório do trabalho patrocinado pela HP.

Embora os executivos se mostrem cientes do impacto das tecnologias digitais na função financeira, alguns “ainda subestimam a abrangência e implicações resultantes de uma transformação” trazida pelas tecnologias que, cada vez mais, transformam empresas em organismos digitais.

O estudo tentou medir o impacto das tecnologias digitais nas rotinas dos profissionais encarregados de lidar com as finanças das companhias – que muitas vezes, são responsáveis por assinar os cheques para os projetos de TI.

A PAC entrevistou 301 diretores financeiros de organizações de médio e grande porte de diversas indústrias e espalhados por 12 países sobre como a onda digital lhe tocava diretamente ou influenciava a forma como atingia seus objetivos estratégicos.

As tecnologias digitais são reconhecidas pela maioria dos CFOs como elementos importantes para a função de finanças alcançar os seus objetivos estratégicos. Sem surpresa, diz a PAC, a automação de processos tem maior valor para os líderes financeiros, ao ajudarem a melhorar a eficiência, rapidez e qualidade de tarefas de processamento, reduzindo a quantidade de trabalho manual envolvido nas operações diárias .

Os executivos também atribuem grande importância à tecnologia da mobilidade, porque o acesso a dados ou relatórios financeiros a qualquer hora e em qualquer lugar permite maior controle e transparência sobre o desempenho do negócio. Na mesma linha, as tecnologias de análise de dados, não servem apenas para obter perspectivas aprofundadas sobre a eficiência operacional.

Para os CFOs, as modernas tecnologias ajudam também a reduzir os riscos de negócios e servem para melhor controlar e orientar o desempenho, diz a PAC.

No entanto, 40% dos entrevistados nota apenas um “pequeno” ou “nenhum impacto” das tecnologias digitais. Na opinião da PAC, isso indica que subestimam as mudanças ‒ e potenciais benefícios ‒ decorrentes da “a crescente penetração das tecnologias digitais no longo prazo”.

“Para conseguirem extrair todos os benefícios das tecnologias digitais os CFOs precisarão colaborar não somente com aliados externos mas também com divisões de negócios como TI, vendas, marketing e serviços aos clientes”, recomendou Danila Meirlaen, vice-presidente da HP.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui