Recursos/White Papers

Notícias

Setor de serviços é o que mais investe em soluções de TI no Brasil

Estudo recente da Aleti revela ainda que há um equilíbrio entre as verticais que investem em TI no país

Da Redação

Publicada em 25 de março de 2014 às 09h00

Censo realizado pela Federação das Associações da América Latina, Espanha, Portugal e Caribe de Entidades de Tecnologia da Informação (ALETI), em parceria com a Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro Nacional), revela que o setor de Serviços, que inclui as verticais de Saúde, Educação, Engenharia, Comunicação, e Jurídicos, entre outros, é o que mais investe em soluções de TI no Brasil, respondendo por 23,5% do faturamento das empresas brasileiras fornecedoras de soluções de TI. Foram ouvidas 538 empresas, no segundo semestre de 2013.

No volume de negócios, o primeiro lugar fica com a categoria Software e Aplicativos, com 18,4%, seguida por Software desenvolvidos por encomenda (15,6%).  Software como Serviço (SaaS) responde por 10,7%.

Já em relação aos serviços prestados, o mais adquirido é o de consultoria, com 9,2%, seguido por helpdesk, com 8%, e outsourcing de profissionais, com 4,3%.

“Embora o setor de Serviços se sobressaia, o estudo mostra que há um equilíbrio entre as verticais que investem em TI. Mas fica claro que existe a prioridade das empresas atualmente em investir em softwares que auxiliam processos”, afirma Luis Mário Luchetta, presidente da Assespro Nacional.

Ainda segundo o estudo, os diversos segmentos da Indústria, que contemplam produtos alimentícios, químicos, têxteis, automobilística, metalúrgicas e de móveis, entre outros, são responsáveis por 19% dos investimentos.

Empatados no terceiro lugar, com 14,5%, aparecem o Varejo e as entidades ligadas ao Governo, que incluem as esferas Executiva, Legislativa e Judiciária, além de Segurança e Forças Armadas.

“Realizamos o primeiro Censo em 2012 somente no Brasil, e por meio da ALETI expandimos a iniciativa para os outros países. A informação contida no estudo não é habitualmente levantada, nem pelos governos, que se focam em renda e emprego, nem pelas empresas comerciais de pesquisa, que consideram a indústria local de TI apenas como potenciais parceiros para as grandes empresas multinacionais”, explica  Luchetta.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui