Recursos/White Papers

Gestão

Vai viajar? Hora de repensar as políticas de trabalho remoto

Veja o que é preciso para manter os dados da empresa a salvo durante viagens de trabalho ou de férias

Jeff McNaught *

Publicada em 09 de julho de 2018 às 08h01

Se a preocupação com potenciais fugas de dados tem influenciado na forma como usa a tecnologia, especialmente ao trabalhar à distância, saiba que não está sozinho. Cada vez mais  funcionários, especialmente executivos, têm passado menos tempo no escritório e mais tempo trabalhando remotos, em aeroportos, hotéis ou até em aviões.

Como líderes temos a necessidade de ter informação constante e atual sobre os negócios da empresa e as notícias da indústria – e mantermo-nos continuadamente online. No entanto, o fato de carregarmos informações confidenciais nos nossos dispositivos coloca-nos (e à informação da empresa) em risco.

Como tal, reúno aqui as minhas práticas favoritas para manter os dados da empresa a salvo durante viagens de trabalho ou de férias:

Trate da higiene dos dados na preparação para a viagens
Se remover o seu notebook ou tablet para colocá-lo em uma bandeja, sobre um tapete rolante, causa ansiedade, pense na sensação de ser solicitado pelos agentes de segurança a ligar o dispositivo para inspeção.

Tenho viajado com dispositivos móveis durante anos posso afirmar o meu dispositivo só foi aberto uma única vez. Durou apenas cinco minutos mas provocou-me extrema ansiedade.

Hoje, como prática habitual, viajo com um thin client portátil, que mantém os dados em um data center, e não localmente. Desta forma, na próxima vez que me pedirem para revistar o meu dispositivo móvel, não tenho que temer a perda das minhas informações.

É útil pensar que viajar com dados da empresa no seu dispositivo é como transportar um saco de dinheiro. É preciso tomar algumas precauções para proteger o que é privado e importante.

Proteja o seu dispositivo e dados antes de viajar. Percorra os arquivos armazenados nele, faça backup do que precisa para os servidores da empresa e remova do dispositivo o máximo de conteúdo que puder.

Bloqueie com senha e criptografe os arquivos de que necessita para a viagem. Armazene o seu notebook em uma mala que feche com um cadeado ou combinação e mantenha-o
sempre consigo em deslocamentos.

– Configure uma autenticação de múltiplos fatores
Definir indicadores de autenticação com base em vários fatores é uma das técnicas mais úteis e seguras, que muitas pessoas ainda desconsideram. É uma forma simples de ter a
certeza que ninguém conseguirá ter acesso aos seus dispositivos ou aplicações, se eles forem perdidos, roubados ou invadidos.

Para obter melhores resultados, combine a autenticação multifator com outro componente de segurança geralmente ignorado – uma senha forte. Uma frase que inclua números e/ ou símbolos.

férias

Mantenha a informação segura enquanto estiver conectado ao WiFi do avião, do café ou do hotel
Assim que se ligar a um ponto de acesso WiFi público o seu dispositivo é colocado imediatamente em risco, pois torna-se de fácil acesso a estranhos conectados à rede.

Esteja atento no uso do WiFi público. Use uma VPN, e caso não tenha uma, evite verificar a sua conta bancária ou outras informações financeiras.

Ajuste as definições do seu dispositivo para que este não se ligue automaticamente ao WiFi quando o ponto de acesso é detectado

Quanto menos utilizar o WiFi público, mais você manterá os seus dados seguros.

Recorra a espaços de trabalho digitais seguros para viagens
No meu escritório, simplificamos a segurança com o uso de espaços de trabalho digitais seguros, baseados em cloud computing, juntamente com PCs bem protegidos e thin clients. Recorrer à computação baseada em servidor ou a um sistema de Virtual Desktop Infrastructure (VDI) não é uma ideia revolucionária.

Com esses métodos posso, remotamente, acessar informações da minha empresa a partir de qualquer local, e a qualquer hora, sem ter de a armazenar no meu smartphone, thin client ou portátil.

Além disso, esta é uma conexão segura que não pode ser acessada por desconhecidos, e como tal não acarreta risco de ataques nas conexões WiFi desconhecidas ou não fiáveis, e nenhum
risco de uma violação de dados, mesmo que alguém tenha acesso físico ao meu dispositivo. Mesmo que me esqueça de ligar a minha VPN, as comunicações estão criptografadas, protegendo-me até da minha má memória.

Conclusão: assuma que dados são dinheiro… porque os criminosos pensam assim
Antigamente, os criminosos roubavam hardware caro para vendê-los rapidamente, depois de restaurar a configuração de fábrica. Hoje em dia os ladrões sabem que as informações que se encontram nesses dispositivos são mais valiosas que o próprio equipamento.

Muitas das vezes procuram dados valiosos nos dispositivos, que podem ser vendidos na Dark Web, antes de vender o hardware. Passwords, números de cartões, credenciais bancárias ou até um contrato que você anda estava revendo durante a viagem são valiosos para os criminosos.

Basta colocar a questão deste modo: se os dados no dispositivo estão bloqueados ou se não houver dados no equipamento, ele é apenas um ativo físico. A consequência mais positiva depois de se passar pelo aborrecimento de um dispositivo roubado, perdido ou comprometido é saber que os criminosos não irão obter nada de grande valor.

Conforme o mundo dos negócios evolui para um modelo de mobilidade cada vez maior, está na hora de repensar as políticas de acesso à distância, e suas próprias práticas de trabalho – idealmente antes de embarcar no seu próximo avião.

 

(*) Jeff McNaught é  VP de Estratégia, Parceria e Marketing da Dell



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui