Recursos/White Papers

Gestão

6 soft skills que todo profissional deve desenvolver

Até 2030, dois terços dos empregos no país serão em ocupações com intenso uso de aptidões comportamentais

Da Redação

Publicada em 14 de abril de 2018 às 08h27

Você já ouviu falar dos termos hard e soft skills? Sabe a qual a diferença entre eles? Apesar da tradução literal – habilidades "pesadas" ou "suaves" – o que eles expressam é o que chamamos de competências técnicas, de um lado, e as comportamentais, de outro. As primeiras são aquelas que podem ser medidas de forma objetiva: se alguém domina um programa de computador ou tem fluência em um idioma, por exemplo. Já as habilidades comportamentais demonstram componentes ligados ao temperamento humano, como a criatividade e a empatia.

O fato é que o estudo "Soft skills for business success" (Soft skills para sucesso nos negócios), de 2017, realizado na Austrália pela Universidade Corporativa Deloitte, mostra que a relevância das habilidades essencialmente humanas tende a crescer ainda mais nos próximos anos. O documento aponta que, até 2030, dois terços dos empregos no país serão em ocupações com intenso uso de aptidões comportamentais, as quais devem crescer 2,5 vezes no período, mais do que cargos com menor uso de soft skills.

No primeiro grupo foram consideradas posições como gerentes, administradores, engenheiros e representantes de vendas; em oposição ao segundo grupo, formado por funcionários de escritório, de suporte de vendas, operadores de máquinas e motoristas.

"As soft skills são importantes por serem habilidades essencialmente humanas, pois nos diferenciam de máquinas", explicou a professora de soft skills e coordenadora do Centro de Carreiras da Fundação Getulio Vargas (FGV-RJ), Clarisse Andrade. Um funcionário que tem conhecimento em um banco de dados, por exemplo, mas não sabe analisar as informações nem se comunicar com sua equipe é ineficiente. "Ele terá controle de só uma fase do processo, e essa primeira etapa pode ser feita por um computador", explanou a docente.

"Hoje, com os recentes avanços tecnológicos, a automação de algumas funções é cada vez maior e, às vezes, inevitável", completou Clarisse. Ela acredita, ainda, que as habilidades comportamentais têm origem em traços de personalidade de cada indivíduo – que podem ser ou não estimulados, de acordo com o ambiente em que vivem. "Isso quer dizer que alguém pode ter tendência a manifestar mais uma do que outra – mas elas podem ser desenvolvidas ao longo da vida", completou.

Outra diferença entre os dois tipos de habilidades está no modo como são trabalhadas, como explicou o sócio e diretor de Arquitetura da Aprendizagem da Tamboro, André Couto. "As primeiras estão relacionadas com competências cognitivas, como pensar e raciocinar, e as técnicas estão ligadas a um aprendizado específico, como o domínio de um determinado material ou tecnologia", exemplificou. "As soft skills, no entanto, têm conexão ao desenvolvimento pessoal e são aperfeiçoadas a partir da relação entre as pessoas. Ou seja, as hard skills são resultado de um aprimoramento intelectual, e as soft skills de um desdobramento interrelacional", arrematou Couto.

softskills

Habilidades que podem (e devem) ser desenvolvidas
As habilidades técnicas estão conectadas ao Quociente de inteligência (QI) e as comportamentais ao Quociente emocional (Inteligência Emocional). Por isso, para desenvolver as aptidões humanas, o primeiro passo é a auto-análise.

A professora Clarisse acredita que para obter sucesso nessa área, o ideal é pensar fora da caixa. "Considero que as oportunidades não estão na academia tradicional, e que temos que buscar outras ferramentas para se aprimorar, como cursos livres e coaching."

6 soft skills que todo profissional deve desenvolver:

  • - Comunicação: habilidade de dialogar de forma assertiva, levando em consideração o ouvinte e o contexto da fala.
  • - Capacidade de resolver problemas: uma das soft skills mais demandadas no mercado de trabalho contemporâneo, ou seja, saber analisar um cenário para tomar uma decisão de forma assertiva.
  • - Empatia: a capacidade de perceber o outro, se colocar no lugar dele.
  • - Liderança: muito além de ser chefe, é a habilidade de inspirar e motivar pessoas.
  • - Habilidade de relacionamento: capacidade de entender as diferenças entre as pessoas.
  • - Talento de desenvolver pessoas: identificar a melhor competência de cada ser humano que pode ser aplicada em prol de uma atividade em comum.




Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui