Recursos/White Papers

Gestão

Liderança transformacional: um modelo para motivar a inovação

Esse estilo de liderança foca em inspirar os trabalhadores a aceitar mudanças, promovendo a cultura da responsabilidade, propriedade e autonomia no local de trabalho

Sarah K. White, CIO/EUA

Publicada em 26 de fevereiro de 2018 às 07h46

Já ouviu falar em  liderança transformacional? É um estilo de liderança no qual os líderes incentivam, inspiram e motivam os funcionários a inovar e criar mudanças que ajudarão a empresa a crescer e moldar seu futuro. A ordem é inspirar pelo exemplo das camadas mais altas, através de um forte senso de cultura corporativa, propriedade dos funcionários e independência no local de trabalho.

Os líderes transformacionais evitam a microgestão e focam em inspirar e motivar sua força de trabalho. Eles confiam em funcionários treinados para tomar decisões em suas esferas de atuação. É um estilo de gerenciamento projetado para dar aos funcionários mais autonomia para serem criativos, olhar para o futuro e encontrar novas soluções para problemas antigos. Empregados na trilha de liderança também estarão preparados para se transformar em líderes transformacionais através de mentoria e treinamento.

O conceito de liderança transformacional começou com James V. Downton, em 1973, e foi expandido por James Burns, em 1978. Em 1985, o pesquisador Bernard M. Bass ampliou o conceito para incluir formas de medir o sucesso da liderança transformacional. Este modelo encoraja os líderes a demonstrar uma liderança autêntica e forte, com a ideia de que os funcionários serão inspirados a seguir o seu exemplo.

Embora date dos anos 70, a liderança transformacional ainda é um estilo de liderança eficaz se praticado hoje - esse estilo de liderança autêntica nunca muda. O que muda são os os ambientes em que é usado. É aplicável em todas as indústrias, mas é especialmente vital para indústrias onde inovação e agilidade podem ser determinantes para o sucesso.

Características
De acordo com Bass, algumas características diferenciam um líder transformacional dos demais.

Um líder transformacional é alguém que:

  • - Incentiva a motivação e o desenvolvimento positivo de seus liderados;
  • - Exemplifica padrões morais dentro da organização e encoraja o mesmo nos outros;
  • - Promove um ambiente de trabalho ético com valores, prioridades e padrões claros;
  • - Desenvolve a cultura da empresa incentivando os funcionários a passarem de uma atitude de interesse próprio para uma mentalidade onde eles estão trabalhando para o bem comum;
  • - Enfatiza a autenticidade, cooperação e comunicação aberta.
  • - Fornece coaching e orientação, permitindo que os funcionários tomem decisões e assumam suas tarefas.
Liderança transformacional em TI

Embora o conceito de liderança transformacional possa se aplicado a todas as indústrias - incluindo cuidados de saúde, educação e agências governamentais - é cada vez mais importante em TI,  à medida que as empresas adotam a Transformação Digital. Adaptar-se às tecnologias que mudam rapidamente requer inovação e forte liderança para se manter à frente da curva e permanecer competitivo.

Como líderes em TI, os CIOs são responsáveis ​​por dar o exemplo como líderes transformadores - especialmente considerando que eles são, em grande parte, os responsáveis ​​pela Transformação Digital no negócio. O Gartner informa que 40 por cento dos CIOs são líderes da Transformação Digital em suas organizações, enquanto 34 por cento dizem que são responsáveis ​​pela inovação. Inspirar e motivar empregados é uma parte importante  do planejamento da Transformação Digital, pois o sucesso depende de todos comprando e abraçando o crescimento e a mudança.

Embora haja uma necessidade cada vez maior de manter o olho no futuro - seja em segurança, novas tecnologias ou plataformas de mudança - nem todas as partes da TI se beneficiarão de liderança transformacional. Alguns processos, procedimentos e projetos de desenvolvimento requerem mais estrutura, consistência e confiabilidade. Isso é chamado de liderança transacional.

liderança

Liderança transacional versus transformacional

A liderança transacional é exatamente o oposto da liderança transformacional - baseia-se na motivação dos funcionários através de recompensas e punições. Requer supervisão, organização e monitoramento de desempenho. Este modelo de liderança não tenta inovar. Em vez disso, está preocupada em manter as coisas consistentes e previsíveis ao longo do tempo. Erros e falhas são investigados de perto e o objetivo geral é criar procedimentos de rotina eficientes.

Este estilo é mais adequado para departamentos ou organizações que exigem rotina e estrutura - áreas onde as empresas precisam  reduzir o caos ou a ineficiência. Mas não permite a inovação ou o planejamento futuro da mesma forma que a liderança transformacional faz.

A liderança transformacional suporta ambientes ágeis, especialmente quando a falha traz menos risco. Você quer que o desenvolvimento e a manutenção de um produto atual permaneçam consistentes e sem erros, mas você não quer que isso impeça o progresso e o crescimento de futuras atualizações e melhorias.

A liderança transacional cuida da criação de um processo de desenvolvimento consistente, enquanto a liderança transformacional deixa as pessoas livres para criar a partir de novas ideias e olhar para o futuro dos produtos e serviços. 

Treinamento e certificação

Embora as habilidades de liderança transformacional sejam consideradas habilidades suaves, ainda existem muitos recursos, certificados e programas de treinamento destinados a desenvolver líderes transformacionais.

Aqui está uma pequena lista de recursos online para treinar e certificar gestores em liderança transformacional.

Exemplos de líderes transformacionais
A Harvard Business Review
 analisou empresas na lista S&P e Fortune Global 500 para descobrir os melhores exemplos de liderança transformacional. Essas empresas foram avaliadas em "novos produtos, serviços e modelos de negócios, reposicionando seu core business e desempenho financeiro".

  • Jeff Bezos, Amazon: o status de "insider, outsider", entre os atributos da Harvard Business Review, o torna um excelente líder de transformacional. Como alguém que pulou do mundo das finanças, ele trouxe uma nova perspectiva para o comércio eletrônico através de anos de experiência em uma indústria diferente.
  • Reed Hastings, Netflix: Hastings empatou em primeiro lugar junto com Bezos, e por motivos semelhantes. A partir do setor de software, ele não estava enraizado em processos e procedimentos pré estabelecidos na indústria da televisão.
  • Jeff Boyd e Glenn Fogel, Priceline: Boyd e Fogel reinventaram as reservas de viagem cobrando taxas de comissão menores, focadas em mercados de nicho menores (pousadas, pousadas e apartamentos), gerando o Booking.com.
  • Steve Jobs e Tim Cook, Apple: A HBR aponta para a Apple como um exemplo de "dupla transformação": os trabalhos inovaram em produtos originais da Microsoft ao mesmo tempo que criavam um ecossistema de software. Cook estendeu na visão de Jobs, mantendo o foco na inovação, software e fidelidade da marca.
  • Mark Bertolini, Aetna: Bertolini é conhecido por sua abordagem de gestão realista no setor de saúde. Ele diz que seu objetivo é construir estratégias em torno de uma visão realista do futuro.
  • Kent Thiry, DaVita: Thiry conseguiu ftransformar uma empresa em falência em um negócio próspero através de valores fundamentais firmes que incluíam "excelência no serviço, trabalho em equipe, responsabilidade e diversão", de acordo com Harvard Business Review.
  • Satya Nadella, Microsoft: Nadella começou na Microsoft em 1992 e trabalhou no caminho o crescimento corporativo, eventualmente executando os esforços de computação em nuvem do negócio, que o colocaram na posição executiva.
  • Emmanuel Faber, Danone: Faber começou como arquiteto para a Danone e ganhou o cargo de CEO depois de ter ajudado a desenvolver a visão da empresa para transformar-se uma empresa sustentável de saúde e nutrição.
  • Heinrich Hiesinger, ThyssenKrupp: Hiesinger tornou-se CEO da ThyssenKrupp em 2011 e ajudou a aliviar a pressão dos concorrentes asiáticos no mercado de aço, abraçando novas formas de fabricação, incluindo a impressão em 3D. São "novas áreas de crescimento" que agora representam 47% das vendas do negócio .


Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui