Recursos/White Papers

Gestão

Desastres tecnológicos: As empresas estão preparadas para a recuperação?

Quanto tempo vai demorar para restaurar os sistemas e/ou dados afetados por esse incidente?

Crispín Velez *

Publicada em 05 de dezembro de 2017 às 08h21

Falhas ou sinistros podem acontecer a qualquer momento e reduzir todas as operações de uma organização por horas ou dias, resultando em possível perda de receita e produtividade, com impacto negativo na confiança dos clientes. Ter um plano de ação integral em TI caso aconteça qualquer grande interrupção – seja ela causada por inundação, incêndio, desastre natural ou outro tipo de crise -  é extremamente importante para manter a rentabilidade de qualquer negócio.

No entanto, mesmo diante de desastres naturais como os ocorridos recentemente em vários países da América Latina, muitos CIOs não parecem estar preparando suas empresas para a possibilidade de enfrentarem situações semelhantes com recuperação de dados. Qual seria, então, o primeiro passo?

Plano integral de TI

As empresas devem atuar de forma estratégica ao atribuírem recursos durante a recuperação. Geralmente, elas começam transferindo e carregando uma grande quantidade de dados, o que pode sobrecarregar a largura de banda muito rapidamente. Por isso, é fundamental que o departamento de TI dê prioridade aos sistemas críticos para poder responder e atender aos clientes e, posteriormente, recuperar dados suportados, como arquivos de e-mail, por exemplo.

Quando se definem as prioridades para a DR (Disaster Recovery, sigla em inglês para Recuperação de Desastres), o negócio é retomado de forma muito mais rápida. E, às vezes, mesmo quando certos sistemas de TI estão ociosos, a empresa ainda pode operar a partir de processos manuais ou alternativos por certo período, dando prioridade àqueles que só funcionam desta maneira.

Perguntas diante do desastre são decisivas

O que a TI tem de levar em consideração é que, além do desastre em si, é necessário se atentar para os incidentes do dia a dia, como uma queda de energia ou um erro humano. Para determinar a ação a ser tomada, uma pergunta é fundamental: "Quanto tempo vai demorar para restaurar os sistemas e/ou dados afetados por esse incidente?"

A partir daí, deve-se saber o que está sendo afetado e quanto tempo vai demorar para ser restaurado. Uma análise aprofundada do desempenho ideal em circunstâncias normais deve ser realizada para avaliar o dano e calcular tudo o que é necessário para a recuperação.

Por outro lado, testar o plano de recuperação de desastres é fundamental para identificar problemas.  A pressão será altíssima durante um evento real, e certos papéis e responsabilidades devem estar claros. Além disso, é preciso se certificar de que não há problemas técnicos subjacentes.

Proteção das informações físicas
Nem o sistema de TI mais avançado do mundo será útil se a empresa perder os dados e as informações essenciais para operar de maneira eficaz.

Por outro lado, fazer cópias de segurança de documentos em papel é algo complexo: qualquer incêndio, roubo, perda de arquivos ou dano causado por água pode inviabilizar a recuperação.

Assim, para que um plano recuperação de desastres seja bem aproveitado, é necessário fazer backup de tudo o que é essencial para manter a empresa em operação. Felizmente, existem sistemas integrados e eficazes para converter documentos físicos em digital, com vantagens que vão além da segurança e continuidade dos negócios. Migrar para fluxos de trabalho digitais pode ajudar a evitar os processos de redução de produtividade que estão atrasando o negócio.

disasterrecovery

Recuperação efetiva
Portanto, para que as empresas consigam se recuperar de desastres tecnológicos, o fundamental é definir as prioridades e os planos de ação antes que o desastre ocorra. Algumas perguntas podem dar um bom caminho para a identificação, tais como:

  • - Quais dados são necessários para recuperar o acesso o mais rápido possível e continuar/reiniciar as operações?
  • - Embora, obviamente, não se queira perder nenhum dado, o mais provável é que a maioria das informações seja mais antiga ou esteja arquivada, não sendo necessária imediatamente. 

1 . Em quanto tempo recuperar o acesso? Ao implementar a cópia de segurança e a recuperação de desastres, não se pode negligenciar os aplicativos que usam os dados e os computadores em que estão sendo executados. Os computadores portáteis padrão podem fornecer software de escritório/web, mas também é aconselhável usar um provedor de soluções que possa hospedar e executar os aplicativos corporativos críticos ou fornecer soluções virtualizadas.

2 . O formato digital é a principal fonte de informações? Os dados gerados em redes sociais e transações digitais, incluindo Big Data, juntamente com as informações digitalmente nativas, são os principais responsáveis pelo crescimento e pela multiplicação exponencial das informações digitais. No entanto, ainda hoje, 95% das informações gerenciadas por uma empresa são encontradas em documentos de papel.

A melhor estratégia é converter esses documentos de papel para uma versão digital. No entanto, é preciso considerar que os documentos digitais fazem parte dos processos empresariais que, geralmente, giram em torno de documentos de papel. 

3 . Por que proteger as informações?

Manter as informações da empresa e de todos os departamentos 100% protegidas fará com que o negócio continue em operação e não haja perda de dinheiro.

Se é difícil para a TI reunir os preparativos e as habilidades exigidas pelos executivos, para não mencionar os clientes, que estão igualmente interessados em um rápido processo de recuperação, é necessário considerar um parceiro externo de tecnologia que tenha experiência estratégica e possa criar uma infraestrutura sólida, inclusive protegendo os servidores físicos e/ou virtuais (VMware ou Hyper-V), além de proteger automaticamente o datacenter para um site secundário ou para a nuvem, com segurança, redução de custos,  agilidade, disponibilidade garantida, distribuição geográfica das informações, escalabilidade e flexibilidade.

 

(*) Crispín Velez é Leader Digital Transformation da Ricoh IT Services para a América Latina


Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui