Recursos/White Papers

Gestão

Automação da TI: confie, mas verifique sempre, seja qual for a escala

Existem três coisas que os profissionais de TI podem fazer para ajudar a garantir que seus projetos de automação sejam bem-sucedidos. Confira

Kong Yang *

Publicada em 24 de fevereiro de 2017 às 07h10

A automação da TI é uma habilidade que requer conhecimento e experiência abrangentes por todo o ciclo de vida de uma tarefa específica. Um tratamento elegante de possíveis erros precisa ser incluído para o caso de o processo de automação não concluir o ciclo de vida pretendido. Isso acontece porque é preciso que essa tarefa esteja totalmente descrita em um script de fluxo de trabalho, gabarito ou plano detalhado. A automação se concentra em entender as interações do ecossistema do data center, o comportamento da pilha de aplicativos, tanto em provedor de serviços de nuvem quanto no local, e as interdependências de sistemas a fim de oferecer os benefícios de economia de escala e eficiência para os objetivos gerais de negócios. Ela adota a regra que os profissionais de TI precisam cumprir: fazer mais com menos.

A automação simplifica a vida do profissional de TI ao abranger tarefas que ele deve executar várias vezes com regularidade e consistência. Ela deve ser o resultado de uma série de etapas simplificadas que o profissional de TI executa para concluir uma única tarefa. Esses fluxos de trabalho podem englobar ações de gerenciamento, como provisionar ou recuperar recursos virtuais, replicar perfis e configurações de um para muitos e refletir as práticas recomendadas em políticas em todo o data center virtual de maneira consistente e escalonável. A singularidade da regularidade é um tema comum quando se trata de decidir a automação de um processo de TI.

A base para a automação precisa ser sólida. Caso contrário, a automação de fluxos de trabalho e processos de TI será mais prejudicial que benéfica, com mais tempo gasto na solução de problemas das etapas da automação do que para se concentrar em funções de TI de nível mais elevado, como otimização do data center, segurança e integração de novos serviços.

Numa era de integração e entrega contínuas, o ritmo acelerado e a grande escala das mudanças podem sobrecarregar qualquer profissional de TI. A automação é a habilidade que permitirá ao profissional de TI ser bem-sucedido no data center de próxima geração, definido por serviços de TI híbrida. Existem três coisas que os profissionais de TI podem fazer para ajudar a garantir que seus projetos de automação sejam bem-sucedidos:

  1. Confie, mas verifique

Scripts, modelos e planos gráficos incorporam a automação da TI. Eles são criados com base na metodologia de práticas recomendadas do profissional de TI, com métodos e processos de TI testados e comprovados. Verifique a validação de cada etapa antes de implantá-la na produção.  

  1. Mantenha a automação incrivelmente simples

A automação sozinha não consegue diferenciar entre o que é o bom e o que é ruim. Portanto, a automação de práticas de TI insatisfatórias em escala causará grandes problemas em seus data centers virtuais. Para evitar que uma automação inadequada venha a ocorrer, é preciso manter a automação incrivelmente simples, o que permitirá validar qualquer alteração nas etapas da automação e orquestrar as mudanças no fluxo de trabalho. Como diria meu primeiro professor de ciência da computação:, “Eu só faço uma coisa. E a faço muitíssimo bem. Depois, sigo em frente.” 

  1. Automação com propósito

Comece com o objetivo final em mente, respondendo a esta pergunta: que problemas você está solucionando com suas iniciativas de automação? Se não puder responder a essa pergunta, você não estará pronto para automatizar nenhuma solução.

automacaodati

Automação é uma habilidade que todo profissional de TI precisa desenvolver e aprimorar para aplicar aos data centers de próxima geração sob seus cuidados. Mas é preciso ter cuidado com as iniciativas de automação. Cuidado aqui significa monitorar com a disciplina aplicada ao processo de automação.

Primeiro, automatize em uma escala controlada, seguindo o mantra: “Não cause danos ao seu ambiente de data center de produção.”. Em seguida, monitore o desempenho e os eventos ao longo de todo o processo de automação, de modo a garantir a qualidade de todas as etapas a cada ponto de execução. Além disso, analise os resultados e use suas conclusões para fazer os ajustes necessários à otimização do processo de automação. Por fim, continue iterando ao longo de todo esse processo, pois o data center de próxima geração está em constante mudança e sempre integrando novos serviços. 

 

(*) Kong Yang é gerente técnico da SolarWinds



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui