Recursos/White Papers

Gestão

Gamification como ferramenta de treinamento requer cuidados

Adoção no Brasil é cada vez maior. Então, preste atenção aos pré-requisitos

Bart Perkins, com IDG News Service

Publicada em 02 de março de 2016 às 09h19

Se a sua empresa leva a formação a sério, ela pode querer transformá-la em um jogo. Um número crescente de organizações começa a usar jogos projetados para treinar os usuários em novas habilidades, na esperança de reduzir o tempo de treinamento, melhorando a retenção da informação no longo prazo.

O poder dos jogos no universo corporativo é semelhante ao que acontece no mundo das crianças. Elas precisam das brincadeiras para aprenderem, sem isso causar grandes consequências. Elas experimentam o novo para depois colocar em prática na vida real. No treinamento de funcionários deve acontecer a mesma coisa: é criada uma situação que o colaborador precisa resolver, mas dentro de um ambiente no qual suas tentativas não produzam uma consequência negativa.

Por isso, o uso de jogos como ferramentas de aprendizagem, criando estruturas complexas que exigem que o profissional reflita sobre suas escolhas e lide com suas consequências, requer alguns cuidados.

No mínimo, certifique-se de o jogo de treinamento proposto foi concebido para fazer o seguinte:

1- Conquistar os jogadores - Um bom jogo deve promover o desejo de jogar novamente. Jogos chatos não serão jogados com a frequência necessária para ensinar o que foram projetados para ensinar. Produtores de jogos de entretenimento reconhecem a importância do engajamento do jogador, recompensas e outras técnicas para motivar os jogadores a jogarem repetidamente. Jogos de negócios devem conter características semelhantes. Além disso, jogos de treinamento devem ser atraentes para jogadores com diferentes níveis de habilidade. Jogos eficazes devem oferecer desafios adicionais, como o aumento dos níveis de habilidade.

2 - Ensinar habilidades relacionadas ao trabalho - Jogos de treinamento criam boas oportunidades para desenvolver e praticar novas habilidades (lidar com um pedido de call center, por exemplo, ou responder a perguntas sobre um novo produto). Os melhores jogos de habilidade usam cenários positivos e negativos. Um jogo de vendas pode demonstrar que um vendedor competente dá a informação completa do produto para um cliente, e um vendedor grosseiro, respostas superficiais ou erradas. Prática e reforço das respostas adequadas ajudam os jogadores a mudar de postura.

3 - Monitorar o progresso dos jogadores - Jogos eficazes fornecem feedback contínuo aos jogadores. As métricas do jogo devem manter um paralelo com as métricas do trabalho real. Por exemplo, as métricas para um jogo de treinamento de vendas podem incluir unidades vendidas, preço unitário e o número de novos clientes. O objetivo pode ser o aumento do engajamento dos clientes, o que simplifica a avaliação de progresso do jogador. Dessa forma, instrutores podem determinar rapidamente quando alguém não compreendeu conceitos importantes e dar a assistência necessária.

4 - Implantar e atualizar rapidamente novos recursos - Escolha uma plataforma que permita modificações rápidas. Jogos de treinamento devem ser rapidamente adaptáveis às mudanças nas condições de mercado e às habilidades requeridas a partir daí.

5 - Limitar custos - Dos jogos de treinamento para as situações reais, é natural querer efeitos visuais e avatares realistas. Mas esses recursos podem tornar-se proibitivamente caros. No futuro, alguns jogos de treinamento (além simuladores de vôo e jogos militares de guerra) até podem justificar o alto custo de extremo realismo. Mas, por enquanto, mantenha-se focado nas funcionalidades oferecidas e não na forma.

6 - Fornecer interfaces acessíveis - O sucesso ou a alta pontuação em um jogo de treinamento devem refletir um aumento real em habilidades. Certifique-se que a interface do usuário não é fortemente dependente da experiência em jogos anteriores, ou você pode avaliar as habilidades irrelevantes - e talvez deixar a sua organização aberta ao litígio para privilegiar determinados jogadores.

Escolha o fornecedor com cuidado. Jogos produzidos por empresas de orientação acadêmica podem transmitir informações relevantes, mas serem chatos. Por outro lado, jogos de entretenimento produzidos por empresas orientadas ao mercado de massa podem ser atraentes, mas não para treinamentos efetivos.

Procure um jogo equilibrado que misture entretenimento e educação, e que também reflita a perspectiva de negócio e as restrições do mundo real. Convide as unidades de negócio para certificar a relevância e a eficácia do jogo. Só então que comece a jogar!



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui