Recursos/White Papers

Gestão

Cinco tendências definirão o futuro do ERP

Nos próximos anos, as tecnologias tais como as vestíveis, a Internet das Coisas e as ferramentas analíticas de Big Data reinventarão processos de negócios através de diferentes setores da indústria

Dan Matthews *

Publicada em 28 de julho de 2014 às 07h50

Hoje em dia as empresas são obrigadas a lidar com os avanços tecnológicos que ocorrem em um ritmo jamais visto antes. E mais, tendências como a consumerização de TI têm diminuído a habilidade dos CIOs em controlar as tecnologias que são usadas juntamente com a rede corporativa.

Ao mesmo tempo que as tendências como o BYOD (Bring your Own Device) continuam a impactar o ambiente corporativo, é importante que os departamentos de TI adotem as novas tecnologias, por inúmeras razões. Além de perder qualquer benefício em potencial, posicionar-se de maneira restritiva em relação às tecnologias que funcionários podem utilizar pode arriscar o surgimento da chamada "Shadow IT ”, ou seja, soluções de TI construídas ou adotadas sem aprovação organizacional explícita.

No caso dos Sistemas de Gestão Empresarial (ERP, Enterprise Resource Planning), em particular, há muito a ganhar na adoção de uma abordagem aberta às criações inovadoras.

Abaixo estão selecionadas cinco tendências de tecnologia que tem potencial para moldar o futuro do ERP, se implementadas corretamente:

A Internet das Coisas
A Internet das Coisas (Internet of Things - IoT) é um conceito que permite inserir em objetos, tais como carros e aparelhos eletrodomésticos, a capacidade de transferência de dados através de uma rede, sem a necessidade de interação humana.

No caso de ERP, já existem disponíveis dispositivos que podem ser anexados a ferramentas e até a veículos para alimentar dados em aplicativos hospedados na nuvem. Informações como localização, uso e desempenho podem facilmente ser acessadas, permitindo às organizações identificar problemas de localização precisa dos ativos inutilizados ou se algum tipo de manutenção é necessária.

Tecnologia vestível (Wearables)
Esse foi um dos focos do Consumer Electronics Show esse ano (CES 2014). O Gartner previu que o mercado de tecnologia vestível valerá 10 bilhões de dólares até 2016.

Enquanto muita da atenção gerada pelas tecnologias vestíveis tem sido focada nas propostas para o consumidor, como fitness trackers, há também uma hospedagem de aplicativos no local de trabalho. A realidade aumentada, que inspirou a criação de óculos como o Google Glass, possibilita operações handsfree que podem beneficiar muitos trabalhadores no chão de fábrica. Até smartwatches representam um avanço se comparados aos PDAs (Palmtops) e smartphones, pois são mais facilmente acessíveis e é menos provável que sejam perdidos/derrubados, etc. Dispositivos concebidos para monitorar fatores externos, como exposição a raios UV ou calor, ajudam a melhorar o gerenciamento da saúde dos funcionários.

Experiências como estas já vêm sendo feitas pelo IFS Labs, que mostrou como usuários de aplicações de negócios podem se beneficiar com essa nova tecnologia.

Big Data
As organizações têm se tornado mais dependentes de TI e, como resultado, têm acumulado uma riqueza de dados que vêm sendo tradicionalmente subutilizados. Com a Internet das Coisas, que conecta ferramentas e, por meio delas, conecta os funcionários à internet, essa geração de dados deverá crescer exponencialmente.

Com o emprego de ferramentas analíticas, as organizações podem começar a usar esses dados para fazer previsões precisas para uma abordagem mais inteligente à estratégia de negócios.

A era do contexto
Com as empresas operando cada vez mais em um mundo multicanal, o uso de tecnologias que entendem as situações em que você se encontra, as informações que você gostaria de ver e de que forma deseja vê-las começarão a ter um impacto verdadeiro na performance. PCs e aplicativos móveis integrarão cada vez mais funcionalidades contextualizadas para antecipar necessidades de usuários e melhorar a eficiência das tarefas do dia a dia.

Por exemplo, um engenheiro de campo receberá automaticamente todos os dados dos ativos, instruções de trabalho, histórico de relação com o consumidor assim que ele chegar ao local de reparo.

Abertura de negócios para inovações
Nos próximos anos, as tecnologias tais como as vestíveis, a Internet das Coisas e as ferramentas analíticas de Big Data reinventarão processos de negócios através de diferentes setores da indústria. As organizações precisam ficar de olho nos avanços tecnológicos, inclusive naqueles que parecem ser irrelevantes.

Desenvolvimentos recentes mostraram que as soluções que, em princípio pareciam ser concebidas para consumidores, estão cada vez mais achando aplicações lucrativas dentro de negócios. Ao assumir uma abordagem inovadora na adoção de tecnologia, as empresas economizarão tempo e aumentarão a produtividade, resultados que serão refletidos no produto final das empresas que escolhem abraçar novas tecnologias.

 

(*) Dan Matthews é CTO da IFS



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui