Recursos/White Papers

Carreira

7 sinais de que você pode estar perto do burnout - e o que fazer sobre isso

Quando você começa a não dar a mínima para o trabalho, é hora de parar e recarregar. Sua alma, colegas e familiares vão agradecer

John Edwards, CIO/EUA

Publicada em 26 de outubro de 2018 às 10h38

De repente, após anos de planejamento, gerenciamento, superação de metas e conquista de desafios, você percebe que não se importa mais com o seu trabalho. Atividades antes empolgantes, como liderar, influenciar e inovar, não importam muito mais. Hoje em dia, sua maior emoção relacionada ao trabalho é jogar os jogos que você encontra no Slack.

Há uma palavra para esse sentimento. É o chamado "burnout".

Jack Bedell-Pearce, diretor administrativo da 4D Data Centers, do Reino Unido, está familiarizado com as causas e consequências do burnout. Tendo co-fundado a empresa há mais de uma década, ele diz que sofreu com burnouts mais de uma vez e aprendeu algumas lições importantes a cada vez.

"As causas são óbvias para alguém de fora, mas não tanto quando você as vive", explica ele. Longas horas, estar de plantão 24 horas por dia, 7 dias por semana, respondendo a incidentes em um fim de semana e a pressão de atingir as metas de vendas são características de uma empresa de tecnologia em rápido crescimento que inevitavelmente levará ao esgotamento. "Quando você é jovem, você se sente invencível, mas com o tempo seu corpo e sua mente não conseguem lidar com sobrecargas, e as coisas começam a dar errado", observa Bedell-Pearce.

Se o seu trabalho o levou ao ponto em que você acha que pode estar se arriscando por um desgaste, fique atento a esses sete sinais.

1. Falta de motivação
Um sintoma comum de burnout é a diminuição do interesse pelas tarefas e interesses do trabalho cotidiano. Para os líderes de TI, a falta de entusiasmo com as tecnologias futuras é um claro sinal de alerta, observa Todd Thibodeaux, presidente e CEO da CompTIA. "Quando palavras como 'Blockchain' e 'IoT' provocam suspiros profundos e ombros caídos, você está esgotado", afirma ele.

2. Sentindo-se exausto
Quando nenhuma quantidade de sono ou descanso proporciona um refresco adequado, é hora de dar um passo para trás e examinar por quê. Uma vez que razões médicas tenham sido excluídas, a causa mais provável é o excesso de trabalho. "É um jogo de apostas altas, 24x7, de alto risco; é cansativo", observa Diane Dagefoerde, vice-CIO da Ohio State University. "Quando um líder de TI perde o contato com a missão ... tudo o que resta é a rotina diária."

3. Problema com foco
Dos líderes de TI espera-se rotineiramente soluções rápidas e precisas para problemas complexos. No entanto, muitos problemas de TI, como bugs de hardware e falhas de serviços em nuvem, só podem ser resolvidos por provedores externos, o que geralmente leva tempo. Lidar com essas distrações podeminar a concentração. "Nunca a maior parte da infraestrutura ficou fora do controle direto da equipe de TI", afirma Thibodeaux. "É como se alguém subisse em sua esteira e a transformasse em 11."

4. Pavio curto
Entrar em discussões com colegas, conhecidos e membros da família, ou de repente abrigar um sentimento geral de frustração e/ou raiva fervente, são sinais de alerta de que algo está seriamente errado. "As pessoas que sofrem de burnout estão lidando com o atrito, tanto no local de trabalho como em casa", observa Dagefoerde. O esgotamento de um líder de TI afeta toda a equipe. "Nos estágios iniciais, o atrito começa a se formar, tornando mais difícil fazer as coisas dentro e entre as equipes", diz ela. "Nos estágios finais, as equipes começam a perder metas de desempenho".

Sob estresse crônico, o trabalho que já foi amado e energizado pode começar a parecer pesado, criando uma fonte de infelicidade, adverte Jacinta M. Jiménez, doutora em psicologia e coaching da BetterUp, uma empresa de desenvolvimento de liderança profissional. "Isso pode se transformar em ressentimento, que aparece no trabalho e em casa".

5. Problemas de saúde
Resfriados mais frequentes, problemas de estômago e outras queixas comuns podem ser um sinal de esgotamento. "Junto com as repercussões psicológicas, colocar o corpo em um estado de estresse crônico pode ter um grande impacto em seu sistema imunológico e você pode acabar ficando doente com mais frequência do que o habitual", explica Jiménez.

6. Não conseguir desligar do trabalho
Não há problema em pensar ocasionalmente em questões de trabalho nos fins de semana ou feriados, mas quando os pensamentos relacionados ao trabalho se tornam constantes e preponderantes, o esgotamento é uma forte possibilidade. Thibodeaux observa que muitos líderes de TI não têm a capacidade de desligar seus cérebros quando estão fora do escritório. Tal comportamento, no entanto, pode ser contraproducente e estressante. "A lista de coisas a fazer nunca parece ficar mais curta, o que cria ansiedade e pode levar à depressão", diz ele. "O desempenho escorrega porque tudo parece ser uma prioridade primária."

7. Maus hábitos
Acometidos por burnout muitas vezes adquirem o que Sarah Deane descreve como "comportamentos de fuga". "Isso pode incluir comer alimentos pouco saudáveis, beber ou outros comportamentos para tentar escapar da sensação de esgotamento", diz Deane, fundador da EffectUX, uma empresa que oferece uma abordagem baseada em comportamento humano baseada em dados para cultivar culturas de negócios positivas, produtivas e resilientes.

Jiménez acrescenta que é importante lembrar que o esgotamento não acontece de repente. "Não é um interruptor de liga e desliga", observa ela. Burnout é na verdade muito mais insidioso, gradualmente desbastando os bons hábitos e outros atributos pessoais positivos, como tomar banho e fazer a barba. "Seu corpo e sua mente definitivamente lhe darão avisos, mas você tem que estar prestando atenção ...", observa ela.

burnout

O que fazer?
A retomada de uma vida profissional esgotada requer periodicamente recuar e entrar em um período de auto-exame, diz Deane. "É importante dar uma olhada em sua vida." Ela recomenda o registro no diário, registrando os sentimentos e o tempo de uso. "Ao registrar diariamente, você pode olhar para trás e identificar padrões e causas para balizar as mudanças que você precisa fazer", explica ela.

Deane também sugere construir uma base de estilo de vida saudável. "Mantenha-se responsável pelo autocuidado", ela sugere. "Pode parecer desanimador colocar as suas necessidades em primeiro lugar, mas o autocuidado básico é um 'não-negociável' para garantir que você possa fazer o seu melhor." Elementos de autocuidado incluem exercícios adequados, nutrição e sono. "No entanto, também inclui autocompaixão", acrescenta Deane.

Jiménez acredita que os líderes de TI que desejam evitar o desgaste podem querer considerar trabalhar com um coach de carreira . "Ter alguém que investiu exclusivamente no seu bem-estar, assim como no seu desenvolvimento profissional e pessoal, pode ser a diferença entre se desgastar ou se sustentar", observa ela. "Quando você está cronicamente estressado, sua capacidade de manter uma perspectiva mais ampla em vista pode ficar comprometida; é quando conversar com um terceiro objetivo é inestimável." Um coach também pode responsabilizar um líder de TI por suas ações, manter o pensamento do indivíduo sob controle e ajudar a desenvolver um plano para sustentar uma perspectiva de trabalho positiva.

Dagefoerde diz que um coach também pode ajudar um profissional que sofre de burnout a moldar sua situação atual em termos do mundo real. "Quando eu treino os líderes de TI com o burnout, uma coisa em que nos concentramos é esse desejo por um estado futuro mítico, em que tudo corra bem, as decisões sejam tomadas a tempo e todos os funcionários carreguem suas cargas." O objetivo é trazer os líderes de volta à realidade. "Eu digo a eles: 'Não quero o que você não quer!'" Afinal de contas, Dagefoerde explica: "A maioria das pessoas de TI adora resolver problemas confusos e fica entediada às lágrimas em um ambiente tranquilo".

No entanto, quando as coisas ficam complicadas, fazer um micro-break para re-energizar é uma forma comprovada de evitar bornouts. "Quando você se sentir perdendo o foco, faça uma pausa rápida", Deane sugere. "Um par de minutos para refrescar sua mente pode ajudá-lo a aumentar a concentração e a produtividade." Ela observa que um micro-break pode assumir muitas formas, e é importante experimentar com qual tipo de quebra funciona melhor. "Esta pode ser uma rápida caminhada, assistir a um vídeo ou a alguns minutos de silêncio", explica Deane. "Re-energizar-se ao longo do dia pode mantê-lo em um estado mais positivo e produtivo."

Thibodeaux acredita que priorizar e distribuir as cargas de trabalho diárias é fundamental para a redução do estresse a longo prazo. "Como um líder de TI, é sua responsabilidade forçar a organização a concentrar seus recursos nas atividades de maior valor e não deixar a liderança sênior se distrair", diz ele. Períodos de cargas pesadas e esgotamento potencial também são oportunidades para maior empoderamento da equipe. "Descobra quem pode assumir papéis expandidos e dê a eles a margem de manobra para explorar", sugere Thibodeaux. "Também é hora de redefinir suas expectativas sobre o que é possível", acrescenta ele.

Bedell-Pearce lembra que um episódio de burnout mostrou que o exercício pode desempenhar um papel importante no fortalecimento do sistema imunológico e, ao mesmo tempo, fornecer mais energia diária. "Comer saudável e reduzir o consumo de cigarros e bebidas alcoólicas também ajudará", observa ele. No entanto, a prevenção e a recuperação do burnout sempre devem ser vistas como uma maratona, adverte Bedell-Pearce.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui