Recursos/White Papers

Carreira

A C.H.A.V.E. para o sucesso profissional está ao alcance de todos

Conhecimento, habilidade e atitude são importantes. Mas, no mundo atual, uma relação profissional baseada em confiança e compreensão dos fatos é o caminho para aumentar o comprometimento

Jerônimo Mendes *

Publicada em 17 de julho de 2018 às 16h15

Todo profissional bem preparado sabe que as exigências básicas para a ocupação de um cargo no mercado estão reunidas numa única sigla conhecida como C.H.A. que contempla as iniciais de Conhecimento, Habilidades e Atitudes.

O mapeamento do C.H.A. é uma metodologia de avaliação utilizada por várias empresas na tentativa de selecionar os melhores profissionais do mercado ou os mais adequados para ocupar determinados cargos, principalmente em nível de liderança.

No passado, conhecimento, habilidades e atitudes seriam suficientes para garantir o emprego por muitos anos. Entretanto, a partir da virada do século, empresas e empregados, ainda em minoria, passaram a considerar novos fatores antes de escolherem um ao outro. 

Digo isso por experiência própria e pelo fato de conviver com diferentes tipos de profissionais em segmentos diferentes, quer na função de coaching, consultor ou treinador de competências.

Há muito tempo, venho considerando a sigla anterior – C.H.A. –e a inclusão de dois novos fatores – Valores e Emoções – para o sucesso e a permanência no mercado de trabalho.

Por um lado, empresas íntegras, independentemente do tamanho, se preocupam cada vez mais com os valores que desejam “vender” para seus colaboradores, fornecedores, clientes e, acima de tudo, para a sociedade. Por outro, é inegável que as emoções são parte integrante das relações de trabalho e não podem mais ser ignoradas.

Dessa forma, em tempos de competição acirrada, busca alucinante de resultados positivos e sustentáveis e maior conscientização das pessoas em relação aos seus próprios valores, a C.H.A.V.E. para o sucesso torna-se inevitável. 

Vejamos:

Conhecimento: diz respeito ao conhecimento teórico, adquirido por meio de livros, artigos, palestras e formação educacional, reforçada pela experiência (prática) sobre determinado assunto ou questão. Exemplos: curso técnico de eletrônica.

Habilidades: coisas que você sabe fazer melhor do que outras. Você pode saber escrever melhor do que calcular. A habilidade não requer conhecimento teórico prévio, pois é decorrente da prática, do erro, do treino, da resiliência e do aprimoramento das técnicas e processos que se quer executar. Exemplos: uso de ferramentas, aprender novos idiomas, falar em público.

Atitudes: de nada adianta ter conhecimento teórico e habilidades e não os colocar em prática. A atitude é regida por uma disposição interior, algo que vem de dentro e nos ajuda a superar desafios, quebrar modelos mentais, criar inovações e manter distância da inércia e da zona de conforto. Exemplos: disposição para exercícios, tomada de decisão para mudança de emprego etc. A atitude muda tudo!

Valores: posturas e atitudes das pessoas, focos de orientação, coisas importantes que valorizamos ou priorizamos com base em nossa cultura, linguagem e história pessoal; a forma como buscamos ser vistos pela sociedade. Exemplos: fazer parte de uma família sólida, ter relacionamentos duradouros, buscar laços de amizades, educação superior.

Emoções: resposta instintiva (reação) observada quando somos submetidos a situações de estresse, sem as quais não seria possível perceber o significado dos acontecimentos. Diferente do passado, o controle das emoções, ou inteligência emocional, é o que diferencia os profissionais bem-sucedidos dos demais. Exemplos: reação das pessoas diante da morte ou doença grave; compreensão da empresa em relação a uma situação de desconforto do empregado por causa de uma separação conjugal.

O que isso tem a ver com você? Assim como as empresas descartam as pessoas ao menor sinal de crise ou redução de lucro, por vezes é necessário demitir a empresa também.

valor

Trabalhar em empresas onde os valores não coadunam e as emoções são tratadas com indiferença consome um alto grau de energia vital que poderia ser canalizada para a realização dos seus sonhos, por exemplo.

Por isso, conhecimento, habilidade e atitude são importantes. Porém, no mundo de hoje, uma relação profissional baseada em confiança (valores) e compreensão dos fatos (emoções) é a única forma de aumentar o comprometimento das pessoas com os objetivos da organização.

Em qualquer relação diferente disso, empresas perderão ótimos profissionais com frequência e os que ficam serão tratados como simples números e seguirão descontentes até encontrarem um lugar onde a sua vocação e inteligência possam ser melhor aproveitadas.

 

(*) Jerônimo Mendes é administrador, coach, empreendedor e palestrante, autor dos livros "A Atitude Muda Tudo" (Literare Books International), "Empreendedorismo para Jovens" e "Manual do Empreendedor" (Atlas). 



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui