Recursos/White Papers

Carreira

Como as soft skills interferem em carreiras da área tecnológica?

Não importa o quanto digam que liderança é uma soft skills indispensável. Só fará sentido desenvolver determinadas habilidades de acordo com os resultados que você pretende obter

Felipe Harmel *

Publicada em 03 de maio de 2018 às 13h43

A tecnologia ganha cada dia mais importância dentro das empresas e conforme a demanda por profissionais aumenta, cresce também a lista de competências atribuídas a cada cargo. Apesar do mercado nacional ainda viver uma escassez muito grande por especialistas técnicos, nossa carência por profissionais de tecnologia com habilidades de liderança, empreendedorismo e comunicação é ainda maior.

De modo geral, apesar de sua relevância, o planejamento de carreira não é uma prioridade entre os profissionais brasileiros. E essa característica em deixar a carreira correr solta é uma constante no mercado de Tecnologia da Informação. É comum encontrar profissionais que, por desejarem crescer dentro de uma carreira técnica, procuram cursos de especialização. No entanto, as habilidades comportamentais, emocionais e de relacionamento interpessoal, chamadas de soft skills, são completamente negligenciadas.

É indiscutível que as soft skills são indispensáveis para os que desejam crescer profissionalmente, e dentro de TI é possível quebrar essas habilidades em várias vertentes. Aqueles que planejam uma carreira técnica, como os engenheiros de dados, devem investir em soft skills ligadas à sua atuação. Alguns exemplos são o pensamento crítico, a visão de negócios, o espirito de dono, a resiliência, etc. 

Agora, se o objetivo do profissional é buscar posições que o ajudem a construir uma carreira menos técnica e mais ligada à estratégia do negócio, o ideal é buscar soft skills de liderança, comunicação, empreendedorismo, planejamento estratégico, criatividade e inovação. Quem sabe, até desenvolver o know-how de marketing.

softskills

É importante lembrar que o mercado de trabalho do futuro irá demandar profissionais cada vez mais autônomos. Apesar de algumas habilidades complementares serem sempre indicadas pelos especialistas, eu defendo que o ideal é sempre desenvolver-se em cima de suas qualidades e pontos de melhoria. Nesse sentido, é indispensável que o profissional receba ao longo da carreira a mentoria de seus líderes e feedbacks constantes sobre questões que precisam ser mantidas e melhoradas.

Infelizmente poucas empresas possuem uma política desenvolvida para direcionamento profissional e feedback estruturado. Nesse caso é responsabilidade do profissional provocar a liderança para direcioná-lo na busca por aperfeiçoar suas habilidades. Mesmo recebendo os apontamentos externos é dever de cada um se conhecer, se observar e planejar a carreira. Somente com uma meta estabelecida é possível buscar aperfeiçoamento.

É importante ressaltar que não existe fórmula pronta. Cada carreira é única e cada profissional também. Portanto, não importa o quanto digam que liderança é uma soft skills indispensável. Só fará sentido desenvolver determinadas habilidades de acordo com os resultados que você pretende obter em sua vida profissional.


(*) Felipe Harmel é headhunter da Yoctoo especializado no recrutamento de TI



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui