Recursos/White Papers

Carreira

5 sugestões para executivos que odeiam as redes sociais

A marca pessoal de um profissional passa por ter uma presença online. Mas manter essa identidade online não tem que ser um fardo

Da Redação, com IDG News Service

Publicada em 20 de março de 2018 às 07h23

As redes sociais podem parecer um pré-requisito para a construção da sua marca profissional – e de fato será necessário estar conectado se houver o desejo de  crescer na carreira. Mas, se as redes sociais não são a sua praia, há formas de encontrar o equilíbrio entre estar off line e ter a sua marca profissional online.

“Vale a pena gastar algum tempo para atualizar e manter, regularmente, os seus perfis em plataformas de networking destinada a profissionais, como o LinkedIn, para o desenvolvimento da carreira e pelas oportunidades inerentes”, diz Charlie Gray, presidentes e cofundador da Gray Scalable.

Mas construir uma marca profissional online não tem que tomar boa parte do seu dia, nem parecer ser o mais importante. Aqui estão cinco dicas que podem ajudá-lo a obter o máximo das redes sociais, sem sacrifícios.

1 - Seja estratégico
Não é necessário ter uma conta em cada uma das plataformas sociais. Identifique o seu público e foque em construir a sua presença aí. Por exemplo, se a sua rede profissional está no LinkedIn ou no Twitter, não é preciso preocupar-se em publicar no Instagram ou no Facebook.

“Os executivos devem perceber que sites se enquadram melhor no seu domínio natural e focar neles.  Se estiverem no negócio do recrutamento ou do marketing, o LinkedIn é a plataforma adequada”, diz Gray.

Para ter uma ideia das plataformas adequadas para si, acompanhe outros lideres da indústria para confirmar onde é que eles publicam e se envolvem com os seus públicos-alvo.

2 - Encontre o foco
Leve algum tempo pensando no que pretende da sua presença online. Quer ter mais audiência? Quer captar clientes e consumidores ou conectar-se a outros líderes da indústria para criar oportunidades de networking?

“Com um sistema e um plano, é possível colocar as redes sociais ao seu serviço e transformá-las  em uma ‘mina de ouro’. Pense em coisas como uma conferência virtual na qual você tem a oportunidade de decidir quem pretende captar e como, diz Christine Hueber, perita e ‘coach’ de carreira.

Uma vez definido o que você pretende ganhar profissionalmente nas redes sociais será mais fácil concentrar os seus esforços e serão menores as probabilidades de perder tempo e energia.

3 - Invista em qualidade não quantidade
As suas redes sociais – tanto online como offline – devem focar-se na qualidade e não na quantidade. Se tem uma grande quantidade de seguidores no Twitter, mas consegue mais envolvimento com pequenas audiências no Facebook, talvez possa descartar o Twitter. O mais importante não é a quantidade de seguidores que se tem, mas o nível de envolvimento dessa audiência.

“Preocupe-se menos com a contagem dos seguidores e mais com a conexão com outros influenciadores. Deixe de olhar para as redes como “meios sociais” e comece a trata-las como redes de networking. Se forem tratadas como outra faceta do processo de networking, a sua atitude vai mudar rapidamente”, diz Robert Richardson, presidente da Richardson Marketing.

Focar-se na qualidade é também manter a autenticidade, o que é importante para uma marca pessoal. Manter uma presença caracterizada pela consideração, profissionalismo e envolvimento torna a sua rede mais forte do que a de alguém que “dispara diariamente conteúdos de marketing sem significado”, sublinha Richardson.

4 - Concentre-se no que você domina
Se é melhor nas relações cara a cara, deve continuar a investir o seu tempo nesse tipo de interações. É também uma forma fantástica de assegurar que a sua rede online é construída sobre conexões de qualidade. Tire partido das suas competências de networking em eventos e reuniões e utilize as redes sociais para reforçar esses contatos após os encontros.

“Há uma posição a sedimentar: o tempo que o profissional passa construindo e mantendo a sua rede no ‘mundo real’ terá mais valor a longo prazo do que horas gastas a aperfeiçoar um perfil em uma rede social. Os perfis sociais podem ser um apoio para a sua marca pessoal, em última instância, não irá substituir a forma como as pessoas desenvolvem as suas vidas profissionais no dia a dia”, afirma Amy Richanadter, chief people officer na Adaptive Insights.

5 - Subcontrate a manutenção da sua presença nas redes sociais
Mas, se você não suporta a ideia de manter a sua própria presença nas redes sociais, ou se simplesmente não tem tempo, considere contratar um gestor de redes sociais. Há muitas pessoas que sabem precisamente como lidar com os seus perfis online  em tempo integral, part-time ou como freelancer.

“As redes sociais têm as suas próprias linguagens e há peritos que são fluentes nela. Ainda que que pareça óbvio como utilizar uma rede social, os peritos podem ser uma verdadeira ajuda, aliviar o trabalho e poupar tempo”, diz Gray.

Também é possível optar por plataformas de gestão de redes sociais de terceiros, como a HootSuite, onde consolidar os seus perfis num único lugar. Há plataformas amigáveis que permitem gerir a presença nas redes sociais, com ferramentas analíticas para verificar os resultados dos seus esforços.

influenciador

E os líderes de TI, como devem agir nessa área?
Um bom ponto de partida é se focar nas estratégias que alguns líderes de TI utilizam todos os dias para envolverem-se com clientes, conectarem-se com líderes da indústria, administrar as operações internas e melhorar as finanças de uma empresa.

 “Quando você entra [em uma mídia social], você realmente precisa ter uma definição clara da razão pela qual você está entrando”, diz Mike Capone, CEO da Qlik. “Caso contrário se torna apenas outro canal de coisas vindo em sua direção”.

Uma ótima razão para entrar em uma mídia social é buscar informações sobre os mercados, negócios, tecnologias e ideias que importem para você. Serviços como o LinkedIn, Twitter e Facebook fornecem repositórios grandes, abertos e gratuitos de informações compartilhadas entre pessoas buscando resolver os problemas umas das outras. Nele estão outros executivos com quem você pode conversar a fim de obter endereços, comentários e conexões que facilitem seu trabalho – tudo em tempo real à medida que a pesquisa é liberada e as tendências de mercado tomam forma.

Conclusões:

- Junte-se a grupos LinkedIn e Facebook e siga os tópicos do Twitter que lhe interessem.

- Siga ou se conecte com aqueles que refletem seus interesses.

- Acompanhe vozes proeminentes nesses fóruns online e considere estabelecer relacionamentos com elas.

 “Utilizo o Twitter não apenas como uma fonte de comunicação, mas como uma fonte de informações. É uma enciclopédia ambulante”, diz Gina Tomlinson, U.S. Government Innovation Advisory Board do Google. De acordo com Tomlinson, esse tipo de informação é poder – e ela vem das pessoas.

 “Meu conselho seria o de seguir primeiro e deixar crescer organicamente”, diz Mike Rodger, vice-presidente da Sabre. “Registre-se, comece a acompanhar [assuntos] e a seguir pessoas. Descubra outros indivíduos que pensam como você. A beleza desses canais de mídia social é a de que você pode ver quem são aquelas pessoas estão seguindo” e pode segui-las a fim de fazer sua rede crescer.

Seja você mesmo
Quando você é um profissional de TI desenvolvendo uma presença em uma mídia social, a autenticidade e a personalidade são importantes. Promover e proteger sua marca e a empresa são grandes preocupações, mas é melhor deixá-las a cargo de suas equipes de marketing e de relações públicas. O mais importante, dizem nossos especialistas, é compartilhar suas paixões tecnológicas, problemas e especialidades. Longe de ser uma deficiência, este tipo de transparência pode ser um recurso relevante.

“Isso não demonstra fraqueza. Não demonstra vulnerabilidade. Demonstra apenas que você está aberto e disposto a aprender, compartilhar e criar relacionamentos”, diz Tomlinson. “Ao dar a você mesmo tal nível de transparência, você está, na verdade, fortalecendo sua organização”.

Mike Capon diz que sai de seu caminho para incentivar outros executivos a evitar discursos de vendas em páginas de mídia social. “Não utilizo o LinkedIn para tentar vender. Eu quero é que as redes sociais, e o LinkedIn  em especial, sejam espaços seguros de troca”, diz ele. “Não quero nunca que as [conexões] sintam-se ameaçadas como se eu estivesse tentando vender algo para elas”.

Esse tipo de autenticidade sem pressão separa as estrelas dos aspirantes. Para resultados reais, dê um retorno real. Tomlinson faz isso, muitas vezes, quando se trata dos projetos que o departamento dela executa. Ela compartilha informações, sucessos e, sim, os problemas que encontra em novas iniciativas.

 “O que estamos descobrindo é que muitas das iniciativas que estamos tomando não são exclusivas, elas são iniciativas que outros tentaram e falharam ou que tentaram e foram bem sucedidos”, diz Tomlinson. Ela então utiliza esse tipo de retorno honesto para fazer seu trabalho de uma forma melhor e para ajudar os outros a fazerem o mesmo.

Conclusões:

- Envolva-se no compartilhamento de informações, sem discursos de vendas ou conversas ocasionais sem sentido.

- Não tenha medo de expor os desafios que você está encarando ou de pedir ajuda.

As possibilidades são as de que outros executivos por aí estejam encarando problemas semelhantes aos seus.  Um envolvimento autêntico e honesto com eles produz retornos exponenciais à medida que eles não apenas o auxiliarão com seus problemas, mas também utilizarão sua especialidade nos problemas deles.

Lidere o caminho
É claro que a mídia social não se estende apenas até as paredes da empresa. Muitos executivos estão tendo dificuldades em lidar com a mídia social dentro da organização.

Enquanto algumas empresas podem ficar tentadas a simplesmente bloquearem a utilização das mídias sociais ou certos tipos de envolvimento por parte dos funcionários, para a maioria, essa não é a solução.

Essa mentalidade é compartilhada entre muitos líderes de TI. A mídia social está aqui, quer gostemos ou não. Para melhor maximizar seu potencial, seria sábio para os executivos experientes se envolvessem com ela de forma inteligente a fim de minimizar os perigos.

De fato, executivos com visão de futuro estão alavancando o poder das conexões sociais para melhorar as comunicações internas e externas.

Conclusões:

- As pequenas coisas importam: Comentários e envolvimento básico com os funcionários são de grande ajuda.

- Compartilhar o humaniza aos olhos de seus funcionários.

- Um envolvimento inteligente minimiza os riscos; evitar não.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui