Recursos/White Papers

Carreira

BYOG (bring your own glasses) trará dor de cabeça para a TI

A partir deste ano, os funcionários começarão a usar "óculos inteligentes" para trabalhar. Você está pronto para receber esses dispositivos na rede da empresa?

Mike Elgan, Computerworld/EUA

Publicada em 25 de fevereiro de 2018 às 11h17

O fluxo ainda pequeno de óculos inteligentes que entrarão nas empresas nos rostos dos funcionários este ano se tornará uma inundação em pouco tempo.

À medida que o uso de óculos inteligentes se torna mais onipresente no local de trabalho, os desafios para os departamentos de TI e, de fato, para a segurança das empresas, tendem crescer.

E enquanto o futuro dos óculos inteligentes começa agora a ganhar algum foco, as consequências inesperadas desta tendência ainda não são claras.

A única certeza é de que eles estão caminhando rápido para se tornarem mainstream, e muito poucas organizações estão prontas para o que vem.

Vamos dar uma olhada.

Modelo Apple
A Apple sabe que que se tornem mainstream, os óculos inteligentes terão que se parecer com óculos comuns.

A gigante de Cuppertino tem muitas patentes em torno de óculos inteligentes, mas um dos pedidos de patente arquivado recentemente aborda esta questão. A ideia é criar uma lente dentro de uma lente - uma lente para ver o mundo real e a outra para ver o mundo virtual. A abordagem, chamada Catadioptric Optical System, permitirá que os óculos da Apple projetem conteúdo virtual na lente comum a partir de um projetor muito pequeno.

A patente especifica o uso de câmeras voltadas para o exterior e para o interior, que poderão ser usadas tanto para o rastreamento do olhar quanto para o mapeamento do mundo real para a colocação e ancoragem de objetos virtuais.

Os produtos da Apple sempre convidam a especulação dos designers. Apenas nesta semana, o designer Taeyeon Kim publicou alguns conceitos impressionantes (e excessivamente na moda) para o Apple Glasses (foto abaixo).

conceitoappleglasses

Samsung Galaxy Glass

Enquanto isso, a Samsung também depositou recentemente uma patente e uma marca registrada que sugerem um óculos inteligentes da marca.

A nova patente da empresa na Coréia descreve "óculos informatizados para a visão", o que poderia ser o o embrião de um "Galaxy Glass".

A Samsung recentemente arquivou uma logomarca registrada  (abaixo) que representaria "software de computador para analisar e configurar óculos para visão" e também "óculos informatizados de visão que consistem em uma câmera, computador e display para capturar, processar e apresentar imagens".

É assim que um advogado de marcas registradas pode descrever óculos inteligentes?

Samsung

Intel Vaunt

Intel está trabalhando em óculos inteligentes, batizados de Vaunt glasses . Eles parecem próximos o suficiente de óculos regulares, mas fazem algumas "coisas inteligentes", que os óculos comuns não fazem.

Entre outras coias, os Vaunt glasses projetam informações visuais diretamente na parte de trás da retina direita do usuário usando tecnologia laser de baixa potência. (É, literalmente, "retina display" ).

Não possuem câmeras, alto-falantes ou microfones, embora futuras versões supostamente possam conter microfones.

O usuário vê ícones e texto na cor vermelha, mas apenas quando olha para baixo. Caso contrário, esse elementos não são visíveis.

Os Vaunt glasses devem ser capazes de fornecer instruções para andar, notificações de smartphones e outras formas de informação "suaves".

Devem ter 18 horas de duração da bateria, de acordo com a Intel.

A Intel planeja lançar uma versão beta ainda este ano.

VSP Level

A VSP Global lançou esta semana o que está chamando de Level smart glasses . Pense nos óculos Level como rastreadores de fitness. Em vez de um relógio ou faixa, os sensores estão nos óculos. Tipo de "Face FitBits".

Os óculos contêm um magnetômetro, um acelerômetro e um giroscópio, e acompanha o movimento do usuário, enviando dados para um aplicativo de smartphone que armazena distâncias percorridas, etapas vencisas, calorias queimadas e outros dados auto quantificados. Eles também contêm um recurso "Find My Glasses".

Acredito que o aspecto mais interessante dos óculos VSP Level é que eles serão vendidos no canal normal que serve escritórios de optometria, começando em abril em cidades limitadas, incluindo Sacramento, Seattle, Portland, Denver, Minneapolis e Washington, DC

Mas o  que são óculos inteligentes, afinal?

Muitas vezes alguns termos mais confundem do que ajudam a compreender determinados conceitos.

Por exemplo, dispositivos high-end, como os óculos Hololens e Magic Leap's One, são descritos como "óculos de realidade aumentada" ou "óculos de realidade mista". Eles também são chamados de "“headsets” ou “goggles”.

Esta categoria de dispositivos será, no futuro previsível, caro, volumoso e intrusivo. Eles não serão produtos para caminhar. Serão mais usados ​​em configurações controladas. E se especializarão em objetos animados virtuais 3D de alta definição que parecem flutuar no espaço.

Os óculos inteligentes são diferentes, e quando se tornarem mainstream vão olhar se parecer mais como óculos ou óculos de sol comuns, mas conterão baterias e processadores.

Óculos inteligentes são para uso diário, durante todo o dia. E seus propósitos e aplicações são muito menos específicos. Por exemplo, os óculos inteligentes só podem fornecer áudio, ou mesmo notificações de luz. Ou eles podem oferecer Realidade Aumentada heads-up ou low-res. Também podem simplesmente reunir dados.

Em outras palavras, os óculos inteligentes não serão uma coisa única. Eles poderão ser adaptados às necessidades dos indivíduos e fazer qualquer coisa. E haverá uma categoria de óculos inteligentes para todos.

Muitos usuários usarão óculos minimalistas com microfones para interagir com seus assistentes virtuais. Outros vão querer óculos que funcionem como seus smartwatchs hoje, oferecendo notificações e controle limitado sobre música, podcasts e chamadas telefônicas. Ainda outros vão fazer tudo isso e mais, como tirar fotos e vídeos, ou executar aplicações de Realidade Aumentada automaticamente ou manualmente.

óculosinteligente

Mesmo as pessoas cegas usarão óculos inteligentes. Um pesquisador japonês está trabalhando no "Oton Glass" para cegos, deficientes visuais, disléxicos e outros, capaz de traduzir texto em voz.

Na verdade, é essa extrema variedade de funções, combinada com a necessidade de óculos, que proporcionará o maior uso.

E por que o BYOG será um desafio
Com os óculos inteligentes e outros wearables ganhando popularidade, os especialistas alertam para potenciais riscos de segurança de dados nos locais de trabalho.

Alguns funcionários  já começaram a conectar seus smartwatches pessoais às redes corporativas, o que pode causar problemas semelhantes aos de ​​quando os smartphones pessoais começaram a aparecer no ambiente de trabalho há vários anos.

Logo começaremos a enfrentar a perspectiva de muitos ou a maioria dos funcionários transportarem sensores semi ocultos (sensores que incluem câmeras e microfones) capazes de se conectar às redes através de Bluetooth, WiFi ou celulares. Muitos desses dispositivos vão acessar dados dos smartphone via Bluetooth, mas alguns poderão ser vendidos com conectividade celular e fornecer a localização do usuário e outros dados. Se estiverem conectados a um diretório corporativo e a outros dados corporativos, há o potencial, embora pequeno, de que esses dados possam vazar.

Será difícil ou quase impossível saber quais sensores e componentes estão integrados nos óculos e, portanto, bani-los dos locais de trabalho, já que eles também serão necessários para a visão e, portanto, o desempenho básico dos empregos. Você pode pedir aos participantes da reunião ou visitantes para deixar em seus smartphones e smartwatches em uma caixa, mas talvez não possa fazer isso com smartglasses.

Além de ameaças a segredos comerciais e maior exposição a hackers, haverá novos problemas com gravações ilícitas e dados capturados entre funcionários e entre parceiros, clientes e outros.

Ninguém tem as respostas a esses desafios, ainda. É muito difícil prever como cibercriminosos criativos podem obter os dados disponíveis através dos wearables e fazer uso deles ... e se isso se transformará em um problema maior. Os departamentos de TI e de RH devem estar cientes de que os wearables não foram projetados com a proteção de dados corporativos em mente.

Há implicações trabalhistas também, com relação à privacidade dos funcionários, em parte já resolvidas em relação aos relógios e celulares inteligentes. Teoricamente, uma empresa pode rastrear a localização de um empregado, saber as horas trabalhadas, e muito mais. O tempo pessoal pode ser monitorado como parte do programa de bem-estar corporativo, ou para fins menos nobres.

Mas as empresas que quiserem ficar à frente do jogo precisam começar desde já a encontrar soluções.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui