Recursos/White Papers

Carreira

Dez competências profissionais para se manter no mercado de trabalho

Conheça as habilidades indispensáveis para conseguir espaço pós quarta revolução industrial

Da Redação

Publicada em 21 de novembro de 2016 às 07h07

Os reflexos desfavoráveis da crise brasileira nas esferas econômica e política do País têm tido impacto direto no atual mercado de trabalho. Um exemplo é o aumento do desemprego, com índice de 11,3% registrado em julho deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número se refere ao segundo trimestre de 2016 e é maior que os 8,3% apontados no mesmo período do ano passado.

Esse cenário de retração somado à chegada da Quarta Revolução Industrial, conhecida pelo forte surgimento de novas tecnologias, como Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Automação etc., tem trazido inúmeros desdobramentos no ambiente de trabalho do brasileiro e exigido dele uma brusca mudança de atitude para que consiga se manter no mercado de trabalho. Mais do que se aperfeiçoar, a hora é de romper e inovar, e já não bastam mais conhecimento e experiência, mas, sim, habilidades que vão além desses quesitos.

Para a professora da escola de negócios MBI e Business Coach, Jaqueline Weigel, o chamado Mundo 4.0 requer, de fato, uma mudança social profunda e que afeta a forma de viver e trabalhar do ser humano. Segundo ela, a ‘chave do sucesso’ para sobreviver a essa revolução está no comportamento das pessoas. A professora de Liderança e Gestão Moderna de Pessoas do MBI, destaca diferenciais necessários a líderes e profissionais que queiram conduzir esse mundo futurista: “Precisamos de seres humanos que aprendam a lidar positivamente com cenários incertos, que usem sua criatividade e que se esforcem para valer bons contratos”. De acordo com Jaqueline, a pessoa com facilidade de adaptação, e que aceita experimentar o novo sem resistência, sairá na frente das demais.

As inteligências emocional e cognitiva também estão entre as premissas a serem seguidas pelo profissional deste século, já que, neste caso, os computadores não têm essa aptidão. Saber usar emoções que combinam com os eventos e levar em conta a intuição, também são competências fundamentais. Além disso, aquele que souber trabalhar com o espírito da cooperação tem vantagem sobre os demais.

Agilidade X Humildade
O tripé humildade, senso de servir (ao bem comum, aos liderados, à sociedade) e agilidade para aprender são destacados por Jaqueline Weigel como competências inerentes a líderes em geral. Segundo ela, no mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo), a agilidade, especialmente, é imprescindível. Além disso, chama atenção para o empreendedorismo: “Empreendedores têm vantagens neste momento, porque têm habilidades para o caminho incomum”.

Segundo o mentor de Inovação da escola de negócios MBI, Renato Kim Panelli, as habilidades empreendedoras serão realmente fundamentais para essa era do ‘não emprego’. “Saber inovar também será útil, não só nos negócios, pois as pessoas serão ‘convidadas’ a se reinventar durante a sua vida”, diz. Segundo ele, conviver com um ambiente VUCA e saber administrar situações dentro deste contexto” também fará muita diferença. “Empreendedorismo, inovação e internacionalização serão premissas indispensáveis para quem quiser progredir nesse novo contexto”, destaca.

inteligenciaemocional

Competências valiosas
São dez as habilidades necessárias para quem quer prosperar na Quarta Revolução industrial, segundo discussão realizada no Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, na Suíça, em 2016.

1 - Flexibilidade Cognitiva

2 - Poder de negociação

3 - Orientação para servir

4 -Julgamento e tomada de decisão

5 - Inteligência Emocional

6 - Saber coordenar com os outros

7 - Gestão de pessoas

8 - Criatividade

9 - Pensamento Crítico

10 - Resolução de problemas complexos

Se a crise por um lado é sinônimo de incerteza e desconforto, ela também tem o viés positivo da superação. Prova disso é a afirmação atribuída a Albert Einstein ainda nos anos de 1940: “A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque ela traz progressos. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias”. A frase supostamente dita pelo cientista vai ao encontro do que Jaqueline Weigel também acredita, quando diz que ‘o mundo é para os fortes’. “Cada vez mais, corajosos e desapegados terão valor e, pessoas em zonas de conforto e limitadas pelo medo, ficarão à sombra do progresso”, alerta.



Reportagens mais lidas

Acesse a comunidade da CIO

LinkedIn
A partir da comunidade no LinkedIn, a CIO promove a troca de informações entre os líderes de TI. Acesse aqui